Ácido peracético

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ácido Peracetico
Alerta sobre risco à saúde
Ethaneperoxoic acid 200.svg Peracetic-acid-3D-balls.png
Outros nomes Peroxyacetic acid
Acetic peroxide
Acetyl hydroperoxide
Proxitane
Identificadores
Abreviação PAA
Número CAS 79-21-0
PubChem 6585
ChemSpider 6336
KEGG D03467
Número RTECS SD8750000
SMILES
InChI
1/C2H4O3/c1-2(3)5-4/h4H,1H3
Propriedades
Fórmula molecular C2H4O3
Massa molar 76.05 g/mol
Aparência Colorless liquid
Densidade 1.0375 g/mL
Ponto de fusão

0 °C, 273 K, 32 °F

Ponto de ebulição

105 °C, 378 K, 221 °F

Acidez (pKa) 8.2
Índice de refracção (nD) 1.3974 (589 nm, 20 °C)[1]
Viscosidade 3.280 cP
Farmacologia
Código ATC G51AD03
Riscos associados
Classificação UE Oxidant (O)
Corrosive (C)
Dangerous for the environment (N)
NFPA 704
NFPA 704.svg
2
3
2
 
Frases R R8 R5 R11 R25 R34
Frases S S1/2 Predefinição:S3/7 S14 S36/37/39 S45 S61
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

O ácido peracético é uma mistura em equilíbrio de peróxido de hidrogênio, ácido acético e água. Por este motivo, é um produto tóxico e corrosivo. É um líquido incolor levemente amarelado e de odor semelhante ao vinagre. No Brasil, foi incluído como desinfetante/esterilizante pela Portaria nº 15 de 23/08/1988 da ANVISA e foi reconhecido como princípio ativo autorizado pelo Ministério da Saúde. [2] Ele mantém suas propriedades em presença de matéria orgânica, sendo recomendado como substituto ao uso do glutaraldeído 2% e do hipoclorito 1%. [2]

Usos[editar | editar código-fonte]

  • Desinfecção de equipamentos: como para dialisadores usados na hemodiálise. Para esse caso, a esterilização pelo ácido peracético é o método mais utilizado atualmente, pois tem alta eficácia e baixo custo. [3]. Esse emprego se deve ao fato de apresentar características esterilizantes, fungicidas, viricidas, bactericidas e esporicidas. [4]
  • Inativação de microrganismos em água bruta: Em um estudo de Souza, J. e Daniel, L. [5], utilizou-se água bruta com microrganismos indicadores E. coli ATCC 11229, colifagos e Clostridium perfringens ATCC 13124, mostrando eficaz inativação desses microrganismos pelo ácido peracético.
  • Desinfecção dos sistemas de produção animal: Estudos apontam que ácidos orgânicos, apesar de serem menos efetivos na presença de matéria orgânica, o ácido peracético foi o mais eficaz frente ao Staphylococcus aureus e Escherichia coli. Este ácido foi muito efetivo também para Salmonella enteridis na ausência de matéria orgânica. Isso mostra que, precedido por limpeza criteriosa, o uso do ácido peracético é uma opção para desinfecção na avicultura orgânica. [2]
  • Lavagem de vegetais minimamente processados.
  • Sanitização de superfícies (o uso permitido pela legislação ainda está em análise pela Vigilância sanitária).

Materiais compatíveis [6][editar | editar código-fonte]

  • Utilizados em laboratório: Vidro, porcelana, polietileno, polipropileno e teflon(r).
  • Utilizados na indústria: PVC, polietileno e aço inoxidável.

Referências