Ágota Kristóf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ágota Kristóf
Agota Kristof.jpg
Nascimento 30 de outubro de 1935
Csíkvánd
Morte 27 de julho de 2011 (75 anos)
Neuchâtel
Nacionalidade  Hungria
Ocupação Escritora
Principais trabalhos Claus y Lucas

Ágota Kristóf (Csíkvánd, 30 de outubro de 1935 - Neuchâtel, 27 de julho de 2011) foi uma escritora de origem Húngara, natural de Csikvánd, Hungria e residente em Neuchâtel , Suíça, desde 1956. Escrevia em Francês, a sua língua de adopção[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ágota nasceu na Hungria, tendo deixado o país na sequência da repressão soviética que se seguiu à Revolução Húngara de 1956. Deixou a Hungria aos 21 anos juntamente com o marido e a filha de 4 meses. Instalou-se em Neuchâtel na Suíça onde começou por trabalhar, durante cinco anos, numa fábrica da indústria de relojoaria e onde aprendeu Francês, língua em que iria desenvolver a sua carreira literária. Escrevia em Francês, tendo no início da sua carreira literária na Suíça também escrito em Húngaro[2] antes de se dedicar em exclusivo ao Francês.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1986: Le grand cahier
  • 1988: La Preuve
  • 1991: Le Troisième mensonge
  • 1998: L'Heure grise et autres pièces
  • 1995: Hier / Agora
  • 2004: L’analphabète
  • 2005: C'est égal
  • 2007: Le Monstre et autres pièces

Traduções em Portugal

Filme[editar | editar código-fonte]

O filme Queimando ao vento, do italiano Silvio Soldini (2009), foi livremente inspirado no livro Hier (Ieri, na tradução italiana), de Ágota Kristof. Com lirismo e sensibilidade, o filme de Soldini, falado em francês e húngaro, conta a história de amor de dois meio-irmãos húngaros, que se reencontram na Suíça, tendo como pano de fundo a dura vida dos imigrantes magiares naquele país.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Escritora húngara Ágota Kristóf morre aos 75 anos Portal Terra / Agência EFE - acessado em 27 de julho de 2011
  2. entrevista ao HLO portal de Literatura Húngara