Ágota Kristóf

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ágota Kristóf
Nascimento 30 de outubro de 1935
Hungria
Morte 27 de julho de 2011 (75 anos)
Neuchâtel
Cidadania Hungria
Ocupação escritora, dramaturgo
Prêmios Prêmio Kossuth

Ágota Kristóf (Csíkvánd, Hungria, 30 de outubro de 1935 - Neuchâtel, Suíça 27 de julho de 2011) foi uma escritora de origem Húngara, natural de Csikvánd, Hungria e residente em Neuchâtel , Suíça, desde 1956 até à sua morte. Escrevia em Francês, a sua língua de adopção[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ágota nasceu na Hungria, tendo deixado o país na sequência da repressão soviética que se seguiu à Revolução Húngara de 1956. Deixou a Hungria aos 21 anos juntamente com o marido e a filha de 4 meses. Instalou-se em Neuchâtel na Suíça onde começou por trabalhar, durante cinco anos, numa fábrica da indústria de relojoaria e onde aprendeu Francês, língua em que iria desenvolver a sua carreira literária. Escrevia em Francês, tendo no início da sua carreira literária na Suíça também escrito em Húngaro[2] antes de se dedicar em exclusivo ao Francês.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1986: Le grand cahier
  • 1988: La Preuve
  • 1991: Le Troisième mensonge
  • 1998: L'Heure grise et autres pièces
  • 1995: Hier / Agora
  • 2004: L’analphabète
  • 2005: C'est égal

Traduções em Portugal

Filme[editar | editar código-fonte]

O filme Queimando ao vento, Brucio nel vent no original, do italiano Silvio Soldini (2009), foi livremente inspirado no livro Hier (Ieri, na tradução italiana), de Ágota Kristof[3]. O filme de Soldini, falado em francês e húngaro, conta a história de amor de dois meio-irmãos húngaros, que se reencontram na Suíça, tendo como pano de fundo a dura vida dos imigrantes magiares naquele país.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Escritora húngara Ágota Kristóf morre aos 75 anos Portal Terra / Agência EFE - acessado em 27 de julho de 2011
  2. Dóra Szekeres (19 de março de 2011). «We can never express precisely what we mean» (em inglês). HLO.hu Hungarian literature Online. Consultado em 26 de fevereiro de 2018 
  3. Margherita Giusti Hazon (15 de janeiro de 2018). «Silvio Soldini, un'anima divisa in due» (em italiano). Fabrique du Cinéma. Consultado em 26 de fevereiro de 2018