A Doida do Candal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de A doida do Candal)
A Doida do Candal
Autor(es) Camilo Castelo Branco
Idioma português
País Portugal Portugal
Gênero Romance
Editora Campos Junior
Formato 19 cm
Lançamento 1867
Páginas 226
Camilo Castelo Branco, autor de A doida de Candal.

A Doida do Candal é o título de um romance de Camilo Castelo Branco, publicado em 1867. Publicada pelo editor Campos Júnior, foi um grande sucesso crítico e comercial para o autor, tendo tido duas edições em 1867 e uma terceira em 1888.

Resumo da obra[editar | editar código-fonte]

Quando Simão Peixoto ameaça a sua irmã Lúcia com o convento para que possa ficar com as heranças que por direito são dela, esta pede ajuda ao seu primo Marcos Freire. Com ajuda de José Osório este consegue retirá-la para casa de umas parentes. Furioso, Simão quer vingança, e tanto provoca Marcos que acaba por se bater em duelo com ele, matando-o. Quando a notícia chega a Maria da Nazaré, com quem Marcos tem um filho, esta enlouquece, ficando conhecida como a doida do Candal. Tanto ela, como o filho são recolhidos por Lúcia e pelo pai de Marcos, que se havia oposto à ligação, mas que atende ao desejo do filho para que cuide do neto e da mãe deste.

Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço relacionado ao Projeto Literatura. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.