Acádia (cidade)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Acádia (também escrita Ágade ou Acade) foi uma cidade da Mesopotâmia e capital do Império Acádio, a força política dominante na região pelo fim do III milênio a.C.. Sua existência é conhecida apenas através de fontes textuais; sua localização ainda é incerta, embora os estudiosos tenham proposto uma série de sítios diferentes. Sugestões mais recentes situam-na a leste do rio Tigre.

Acádia nas fontes textuais[editar | editar código-fonte]

Estátua Bassetki do reinado de Naram-Sin da Acádia com uma inscrição mencionando a construção de um templo na Acádia.

Antes da Acádia ser identificada nos textos cuneiformes mesopotâmios, a cidade foi conhecida apenas através de uma única referência em Gênesis 10:10 onde está escrito אַכַּד (Accad).[1] A cidade da Acádia é citada mais de 160 vezes nas fontes cuneiformes que variam em datação desde o próprio período acádio (2350–2170 ou 2 230–2 050 a.C., de acordo com, respectivamente, a cronologia curta ou média[2]) ao século VI a.C.. O nome da cidade é escrito como a-ga-dèKI ou URIKI, que é variadamente transcrito em português como Acádia, Acade ou Ágade.[3] A etimologia de a-ga-dè é incerta, embora se sabe que não é acadiana. Etimologias suméria, hurrita e lulubeana foram propostas em vez disso. A origem não-acadiana do nome da cidade sugere que o sítio já podia ter sido ocupado em períodos pré-sargônicos, como também sugerido pela menção da cidade em um ano pré-sargônico.[4] A inscrição na Estátua Bassetki registra que os habitantes da Acádia construíram um templo para Naram-Sin após ele ter esmagado uma revolta contra seu governante.[5]

A principal deusa da Acádia foi Ishtar, que foi chamada ‘Aštar-annunîtum ou "Ichtar Guerreira" e que foi identificada com a deusa suméria Inana.[6] O marido dela, Ilaba, também foi reverenciado na Acádia. Ichtar e Ilaba foram mais tarde cultuados em Sipar durante o Império Paleobabilônico, possivelmente porque a Acádia tinha sido destruída por este tempo.[3]

Localização da Acádia[editar | editar código-fonte]

A localização da Acádia é desconhecido, mas ao longo dos anos estudiosos tem feito várias propostas. Muitas das propostas mais antigas situam a Acádia no Eufrates, mas discussões mais recentes concluíram que uma localização no rio Tigre é mais provável.[7] A identificação da Acádia com Sipar-Amnanum (moderna Tell ed-Der), ao longo do canal oposto a Sipar (moderna Tel Abu Haba) foi desacreditada com base em registros conflitantes em fontes cuneiformes. Nabonido, o último rei do Império Neobabilônico, menciona a restauração dos templos em Sipar-Amnanum e Acádia no mesmo texto, mostrando que foram lugares separados.[8] Uma análise combinada de dados cuneiformes, topográficos e arqueológicos levou ao arqueólogo Harvey Weiss sugerir que a Acádia é a moderna Ishan Mizyad, um grande sítio a 5 km ao norte de Quis.[9] Escavações realizadas em Ishan Mizyad, porém, mostraram que o sítio data do período de Ur III e não do período acadiano.[3]

Discussões mais recentes têm dado enfoque a uma localização ao longo ou a leste do Tigre. Uma análise por Christophe Wall-Morana de cerca de 90 textos cuneiformes que mencionam a cidade da Acádia apontou para uma localização próximo da confluência do rio Diala com o Tigre. Wall-Morana usou informação histórica e arqueológica complementar para sugerir Tell Muhammad, no subúrbio sudeste de Bagdá, como o candidato mais provável para a Acádia. Investigações arqueológicas no sítio até agora conseguiram encontrar nenhuma evidência que remonte ao período acádio.[10] O assiriólogo Julian Reade sugere que a Acádia poderia ter sido em Cadésia, mais ao norte ao longo do Tigre. Neste local, ao norte de Samarra e ao sul donde o rio Adeim se junta ao Tigre, um fragmento de uma estátua acadiana antiga (agora no Museu Britânico) foi encontrado e caso estivesse completa seria a maior de seu tipo. Sua proposta para identificar a Acádia em Cadésia suporta uma visão um pouco mais precoce do assiriólogo Aage Westenholz, que também conclui que a Acádia devia estar próximo da confluência do Adeim e o Tigre.[3][11]

Referências

  1. Wall-Romana 1990, p. 205.
  2. Pruß 2004, p. 14.
  3. a b c d Sallaberger 1999, p. 31–32.
  4. Wall-Romana 1990, p. 205–206.
  5. van de Mieroop 2007, p. 68–69.
  6. Meador 2001, p. 8.
  7. Wall-Romana 1990, p. 209.
  8. Unger 1928, p. 62.
  9. Weiss 1975, p. 451.
  10. Wall-Romana 1990, p. 243–244.
  11. Reade 2002, p. 269.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Meador, Betty De Shong (2001). Inanna, Lady of the Largest Heart. Poems by the Sumerian High Priestess Enheduanna. [S.l.]: University of Texas Press. ISBN 978-0-292-75242-9 
  • Pruß, Alexander (2004). «Remarks on the Chronological Periods». In: Marc Lebeau; Martin Sauvage. Atlas of Preclassical Upper Mesopotamia. 13. [S.l.: s.n.] ISBN 2503991203 
  • Reade, Julian (2002). «Early Monuments in Gulf Stone at the British Museum, with Observations on Some Gudea Statues and the Location of Agade». Zeitschrift für Assyriologie und Vorderasiatische Archäologie. 92 (2). doi:10.1515/zava.2002.92.2.258 
  • Sallaberger, Walther; Westenholz, Aage (1999). «Mesopotamien: Akkade-Zeit und Ur III-Zeit». Orbis Biblicus et Orientalis. 160/3. Gotinga: Vandenhoeck & Ruprecht. ISBN 352553325X 
  • Unger, Eckhard (1928). Ebeling, Erich; Meissner, Bruno, ed. Reallexikon der Assyriologie. 1. Berlim: W. de Gruyter. OCLC 23582617 
  • van de Mieroop, Marc (2007). Blackwell History of the Ancient World. A History of the Ancient Near East, ca. 3000–323 BC. Second Edition. Malden: Blackwell. ISBN 9781405149112 
  • Wall-Romana, Christophe (1990). «An Areal Location of Agade». Journal of Near Eastern Studies. 49 (3). doi:10.1086/373442 
  • Weiss, Harvey (1975). «Kish, Akkad and Agade». Journal of the American Oriental Society. 95 (3)