Academia Guanambiense de Letras

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: "AGL" redireciona a este artigo. Para o termo de aviação, veja Altura acima do nível do solo.

A Academia Guanambiense de Letras, com sigla AGL, foi fundada em 18 de fevereiro de 1999, é a entidade literária representativa da cidade baiana de Guanambi.[1]

A academia nasceu com propósitos muito bem definidos: ser uma sociedade civil de caráter estritamente cultural, sem fins lucrativos e com personalidade jurídica própria. A iniciativa partiu dos escritores Benedito Teixeira Gomes, Benevaldo Pereira Costa, Dário Teixeira Cotrim, Juarez Elcino, Delia de Castro, Elzita Ladeia, Ney Clayton Natanael Melo, Sizaltina Donato , Terezinha Teixeira dos Santos, Valdir da Silveira Lima, Wagner Morais, Vandilson Bomfim e João Martins, jornalista que também foi seu primeiro Presidente.

Relação de Patronos da Academia Guanambiense de letras[editar | editar código-fonte]

  • 1.º Otelino Ferreira Costa
  • 2.º Joaquim Dias Guimarães
  • 3.º Domingos Antônio Teixeira
  • 4.º Antonio Frederico de Castro Alves
  • 5.º Camerino Batista Neves
  • 6.º João Gumes
  • 7.º Anísio Spínola Teixeira
  • 8.º Gileno Pereira Donato
  • 9.º Laert Ribeiro da Silva
  • 10.º Júlio Afrânio Peixoto
  • 11.º Vilobaldo Neves Freitas
  • 12.º Joaquim Maria Machado de Assis
  • 13.º Maria Amaral Guimarães Godim
  • 14.º Washington Domingues de Souza
  • 15.º Benjamin Vieira Costa
  • 16.º Gercino Coelho
  • 17.º Dom Sebastião Laranjeiras

Referências

  1. Julio Cesar (3 de abril de 2013). «Professor do DEDC XXII será diplomado na Academia Guanambiense de Letras». Universidade do Estado da Bahia 

Ver também[editar | editar código-fonte]