Acento tônico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.

Acento tônico (português brasileiro) ou tónico (português europeu) denota, na Linguística, a tonicidade, ou seja, a ênfase dada a determinadas sílabas das palavras durante a fala. Sílabas acentuadas parecem ser pronunciadas mais alto e com mais força do que as que não são.

Em português, é possível diferenciar dois tipos de acentos tônicos. O de maior intensidade, presente, por exemplo, na última sílaba da palavra "amar", é chamado principal. Outro, menos intenso, presente, por exemplo, na primeira sílaba da palavra "sozinho", é chamado secundário.

No alfabeto fonético internacional, esses acentos são representados, respectivamente, pelos caracteres ˈ e ˌ. Esses símbolos devem preceder a sílaba tônica. Em X-SAMPA, os símbolos que representam esses acentos são: " e %.

É possível classificar as línguas segundo a acentuação das sílabas entre aquelas que têm acento fixo e aquelas que têm acento livre.

Se encaixam no primeiro grupo os idiomas cuja acentuação é previsível. Dessa forma, o francês, no qual a maioria das palavras têm a última sílaba acentuada, e o latim, em que as palavras são acentuadas na penúltima ou antepenúltima sílabas, dependendo da duração da vogal daquela, têm acento fixo.

No segundo grupo estão as línguas em que o acento é imprevisível, como o inglês. Nesses idiomas, o acento pode servir como diferenciador entre palavras diferentes.

As ortografias de certas línguas (como as vigentes no português) fazem uso de sinais diacríticos para indicar a tonicidade de uma sílaba. Estes são os chamados acentos gráficos.

Acentuação tônica[editar | editar código-fonte]

Na língua portuguesa, a sílaba tônica pode aparecer em três diferentes posições; consequentemente, as palavras podem receber três classificações quanto a esse aspecto:

  • oxítonas ou agudas- são aquelas cuja a sílaba tônica é a última: vo, ruim, ca, carca, ji, vata, alguém, anzol, ninguém, condor, paul.
  • paroxítonas ou graves- são aquelas cuja sílaba tônica é a penúltima: gente, lar, álbum, planeta, pedra, rus, homem, caminho, rax, alto, avel, âmbar, xi, éter, fen.
  • proparoxítonas ou esdrúxulas - são aquelas cuja sílaba tônica é a antepenúltima: grima, gico, trânsito, lâmpada, cara, ótimo, último, dico, Alcântara, fatico.

Nos exemplos dados para os três casos, só há palavras com mais de uma sílaba. Quanto às de apenas uma sílaba, os chamados monossílabos, há divergências quanto à sua classificação tônica. Quando apresentam tonicidade, como no caso de , , , há quem as considere simplesmente monossílabos tônicos. Outros preferem dizer que são "oxítonas de apenas uma sílaba". A questão é polêmica, mas a primeira tese (monossílabos tônicos) tem mais adeptos. É importante destacar que só se percebe se um monossílabo é tônico ou átono pronunciando-o numa sequência de palavras, ou seja, numa frase.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre linguística ou um linguista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.