Alexander Woollcott

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Alexander Woollcott
Alexander Woollcott
Nascimento Alexander Humphreys Woollcott
19 de janeiro de 1887
Phalanx
Morte 23 de janeiro de 1943 (56 anos)
Nova Iorque
Sepultamento Hamilton College Cemetery
Cidadania Estados Unidos
Irmão(ã)(s) William W. Woollcott
Alma mater
Ocupação jornalista, crítico literário, escritor, locutor de rádio, ator
Causa da morte enfarte agudo do miocárdio

Alexander Humphreys Woollcott (Phalanx, 19 de janeiro de 1887Nova Iorque, 23 de janeiro de 1943) foi um crítico de drama norte-americano e comentarista da revista The New Yorker, membro da Algonquin Round Table, ator e dramaturgo ocasional e uma personalidade de rádio proeminente.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Woollcott foi a inspiração para Sheridan Whiteside, o cáustico personagem principal da peça The Man Who Came to Dinner (1939) de George S. Kaufman e Moss Hart, posteriormente transformada em filme em 1942, e para o cáustico personagem Waldo Lydecker no livro Laura, mais tarde transformado em filme em 1944. Woollcott estava convencido de que ele era a inspiração para o brilhante e excêntrico detetive de seu amigo Rex Stout, Nero Wolfe, uma ideia que Stout negou.[1][2]

Citações[editar | editar código-fonte]

  • "Todas as coisas que eu realmente gosto de fazer são imorais, ilegais ou engordam."
  • "Estou cansado de ouvir dizer que a democracia não funciona. Claro que não funciona. Devemos trabalhar com ela."
  • "Muitos de nós gastamos metade do nosso tempo desejando coisas que poderíamos ter se não passássemos metade do nosso tempo desejando."
  • "A Alemanha foi a causa de Hitler tanto quanto Chicago é responsável pelo Chicago Tribune."
  • "Não existe na vida de ninguém um dia sem importância."
  • "Seu huff chegou e ele partiu nele."
  • "Uma cidade caipira é aquela onde não há lugar para ir onde você não deveria ir."
  • "Os ingleses têm uma habilidade extraordinária para voar em uma grande calmaria."
  • "Aos 83 anos, a mente de George Bernard Shaw talvez não fosse tão boa quanto costumava ser, mas ainda era melhor do que a de qualquer outra pessoa."
  • — Não preciso de sua maldita simpatia. Só desejo ser entretido por algumas de suas reminiscências mais grosseiras.
  • "Vem de gente como você!... Pegue o que puder! Agarre as chances que surgirem! Aja nos corredores! Cante nas portas! Dance nos porões!".

Livros[editar | editar código-fonte]

  • Mrs Fiske: Her views on Actors, Acting and the Problems of Production (1917) - Minnie Maddern Fiske (1865-1932) foi uma das principais atrizes de sua época. O primeiro livro de Woollcott é um estudo de seus pensamentos sobre a profissão de atriz.
  • The Command is Forward (1919) - Uma coleção de suas reportagens e ensaios de Stars and Stripes.
  • Shouts and Murmurs (1922) – artigos de teatro. Sua coluna na The New Yorker recebeu o nome deste livro. The New Yorker reviveu o título como um apanhado para peças humorísticas na década de 1990.
  • Mr. Dickens Goes to the Play (1922) – Alguns capítulos de Woollcott sobre o amor de Charles Dickens pelo teatro e muitas seleções reimpressas dos escritos de Dickens.
  • Enchanted Aisles (1924) – Mais artigos de teatro.
  • The Story of Irving Berlin (1925) – A história da pobreza à riqueza do grande compositor.
  • Going to Pieces (1928) – Mais histórias de amigos de Woollcott dentro e fora do teatro.
  • Two Gentlemen and a Lady (1928) - Um pequeno livro sobre cães.
  • While Rome Burns (1934) – Foi Thornton Wilder quem convenceu Woollcott de que seu trabalho era importante o suficiente para merecer reedição em forma de livro. Enquanto Rome Burns foi um best-seller surpresa e cimentou ainda mais a reputação de Woollcott nacionalmente. É uma leitura leve, mas inclui muita coisa divertida ou pitoresca e uma peça muito boa, "Hands Across the Sea", sobre justiça durante a guerra. O livro também contém "The Mystery of the Hansom Cab", o relato de Woollcott sobre o infame caso Nan Patterson. Em 2008, a Library of America selecionou a peça para inclusão em sua retrospectiva de dois séculos de American True Crime.
  • The Woollcott Reader (1935) – Uma antologia de obras de outros escritores que Woollcott achava que mereciam a atenção do público. As peças percorrem várias gamas, da biografia melosa ao modernismo ácido.
  • Woollcott's Second Reader (1937) – Mais do mesmo.
  • Long, Long Ago (1943) – Lançado logo após sua morte, segue os passos de While Rome Burns, mas não é tão bom. O declínio em sua prosa, à medida que outros interesses atraíam seu tempo, é evidente. Ainda assim, há algumas peças divertidas, e se tornou outro best-seller.
  • As You Were (1943) - Uma antologia de obras de outras pessoas, compilado por Woollcott para emissão para militares na Segunda Guerra Mundial. É dedicado a Frode Jensen, um jovem dinamarquês de quem Woollcott fez amizade e que foi o mais próximo de um filho que Woollcott já teve.
  • The Letters of Alexander Woollcott (1944) – Uma coleção de sua volumosa correspondência compilada por dois de seus amigos mais queridos, Beatrice Kaufman e Joe Hennessey.
  • The Portable Woollcott (1946) – Uma antologia dos melhores escritos de Woollcott.

Referências

  1. McAleer, John, Rex Stout: A Biography. Boston: Little, Brown and Company, 1977, ISBN 0-316-55340-9 page 247. "'In September 1935 Woollcott phoned Rex and invited him to dinner at the Lambs' Club. Until then the two men had never met. Woollcott wanted to meet Rex because he had just read The League of Frightened Men and was convinced the character of Wolfe was modeled on himself.' Woollcott refused to accept Stout's denials, and as their friendship grew he settled into the legend."
  2. Oscar Levant, The Unimportance of Being Oscar, Pocket Books 1969 (reprint of G.P. Putnam 1968), p. 81. ISBN 0-671-77104-3.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre literatura é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.