Alfred Binet

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alfred Binet
Nome nativo Alfred Binet
Nascimento 8 de julho de 1857
Nice
Morte 18 de outubro de 1911 (54 anos)
Paris
Cidadania França
Alma mater Faculdade de Medicina de Paris
Ocupação psicólogo, pedagogo
Influências
Empregador Universidade de Paris

Alfred Binet (Nice, 8 de julho de 1857Paris, 28 de outubro de 1911[1].) foi um pedagogo e psicólogo francês que ficou conhecido por sua contribuição no campo da psicometria, sendo considerado o inventor do primeiro teste de inteligência, a base dos atuais testes de QI.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de um médico e uma pintora, Alfred Binet nasceu em 8 de julho de 1857 em Nice. Seu pai e seu avô eram, ambos, médicos. Seus pais separaram-se quando ele ainda era criança, tendo sido criado pela mãe, madame Moina Binet. Em 1872, entrou para o Licée Louis-le-Grand, onde se formou em 1875. Inicialmente, estudou direito e recebeu a licenciatura em jurisprudência em 1878. Entretanto, não permaneceu na área jurídica, pois foi influenciado pelos estudos de Jean-Martin Charcot (1825-1893)e se dedicou integralmente aos estudos médico-científicos no hospital da Salpêtrière, em Paris.

Por volta de 1880, passou a se interessar pela psicologia. Foi em 1894 que se licenciou em ciências naturais, não chegando a ser médico. Seu primeiro interesse foi a experimentação com métodos de associação de idéias, o associativismo, objeto de seu livro La Psychologie du raisonnement (1886).

Passou a trabalhar no laboratório de pesquisa de psicofisiologia da Sorbonne (1891) e foi nomeado seu diretor (1895), cargo que ocupou pelo resto da vida. Fundou o jornal L'Anne'e Psychologique (1895) para divulgar sua pesquisa e de seus associados. A partir de então procurou desenvolver testes de avaliação da inteligência e habilidades do indivíduo.

Criou com grande engenhosidade procedimentos simples que podiam ser aplicados a estudantes nas escolas primárias, desenvolveu testes que utilizavam não mais que papel e lápis, figuras e objetos portáteis. Com Théodore Simon (1873-1961), desenvolveu as escalas de Binet-Simon, para medir a inteligência de crianças, nas quais introduziu o conceito de idade mental.

Fundou a revista L'Année Psychologique (1895) e publicou "L'Étude expérimentale de l'intelligence" (1903), com base na observação das características mentais de suas duas filhas, e faleceu em 28 de outubro (1911)[2]. em Paris.

O uso que fez de pinturas, manchas de tinta, e outros recursos visuais levaram seus seguidores ao desenvolvimento dos testes projetivos, nos quais as conclusões são tiradas da interpretação que a pessoa faz do material visual apresentado.[3]

Cronologia biográfica[editar | editar código-fonte]

  • 1857: Nascimento de Alfred Binet em Nice, França.
  • 1872: Entrada para o Licée le-Grand.
  • 1875: Formou-se no Licée-le-Grand.
  • 1878: Licenciou-se em Direito (jurisprudência).
  • 1880: Publicação dos dois primeiros artigos sobre psicologia das sensações e das imagens, na Révue philosophique. Essa década testemunhou um poder de trabalho surpreendente, visando vários objetivos ao mesmo tempo
  • 1884: Casamento de Binet. Início dos estudos em ciências naturais e iniciação na experimentação, na Sorbonne.
  • 1885 e 1887: Nascimento das filhas de Binet (Madeleine(1885) e Alice (1887)). Desperta o interessa acerca da psicologia da criança e, em particular, a análise das diferenças individuais com relação ao patrimônio genético e à educação.
  • 1890: Conhece Henri Beaunis, então dirigente do Laboratório de Psicofisiologia da Sorbonne. Binet propõe a H. Beaunis colaborar no laboratório o que foi aceite.
  • 1892: estabelece seu primeiro contato com Théodore Simon que solicita os conselhos de Binet sobre a educação de crianças anormais das quais se encarrega. Forma-se assim, a dupla indissociável Binet-Simon.
  • 1894: marcado por diversidade de interesses, atividades e realizações:
    • Doutoramento em ciências com a tese sobre Sistema nervoso subintestinal dos insetos;
    • Fundação do periódico L'année psichologique;
    • Publicação de Psicologia dos grandes calculadores e jogadores de xadrez;
    • Em colaboração com Beaunis e outros pesquisadores do laboratório, publica Introdução à Psicologia Experimental e diversos outros artigos sobre questões relacionadas à psicopedagogia.
  • 1898: Início da participação na Sociedade Livre para o Estudo da Psicologia da Criança, criada por Ferdinand Buisson. Binet se tornou um dos principais entusiastas dessa sociedade.
  • 1904: com seu colaborador T. Simon, Binet sugere a criação de uma comissão ministerial com o objetivo de examinar dois problemas: o diagnóstico dos estados de retardo mental e a educação de crianças anormais.
  • 1905: Binet faz com que o centro de pesquisas situado em uma escola do bairro popular de Belleville, em Paris, seja reconhecido oficialmente como laboratório de pedagogia experimental.
  • 1906 e seguintes: foram dedicados principalmente à finalização de suas escalas métricas de avaliação da inteligência.
  • 1909 a 1910: Para atender a uma demanda do Ministério da Guerra, examina dezenas de soldados e aproveita para acrescentar ao seu teste o nível de adultos.
  • 1911: No dia seguinte a uma reunião da Sociedade Livre para o Estudo da Psicologia da Criança sofreu uma congestão cerebral e morreu algumas semanas depois, no dia 28 de outubro de 1911, em Paris, aos 54 anos.
  • 1971: Sessenta anos mais tarde, no dia 5 de junho de 1971, uma placa foi afixada no número 36 da Rue de la Grangeaux Belles, em Belleville. No fundo da sala onde ocorria a cerimônia de homenagem a Binet, estavam cerca de vinte idosos os quais tinham sido alunos que Binet examinou no começo do século.[4].

Peças de teatro[editar | editar código-fonte]

Alfred Binet escreveu algumas peças de de teatro em colaboração com André de Lorde.

  • L'Obsession (A obsessão)
  • Une leçon à la Salpêtrière (Uma lição na Salpêtrière)
  • L'Horrible Expérience (A horrível experiência)

Notas

  1. [ZAZZO, René. Alfred Binet. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. 142p; página 15].
  2. [ZAZZO, René. Alfred Binet. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. 142p; página 15].
  3. Universidade Federal de Campina Grande : Biografia de Alfred Binet.
  4. [ZAZZO, René. Alfred Binet. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010. 142p].

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Binet, A. (1916). "New methods for the diagnosis of the intellectual level of subnormals". In E. S. Kite (Trans.), The development of intelligence in children. Vineland, NJ: Publications of the Training School at Vineland. (Originally published 1905 in L'Année Psychologique, 12, 191-244.).
  • Binet. A., & Simon, T. (1916). The development of intelligence in children. Baltimore, Williams & Wilkins. (Reprinted 1973, New York: Arno Press; 1983, Salem, NH: Ayer Company).
  • Fancher, R. (1996). Pioneers of psychology. (3rd ed.). New York: Norton.
  • Kamin, L.J. (1995). "The pioneers of IQ testing". In Russell Jacoby & Naomi Glauberman (Eds.), The Bell Curve debate: History, documents, opinions. New York: Times Books.
  • Siegler, R. S. (1992). "The other Alfred Binet". Developmental Psychology, 28, 179-190.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alfred Binet