Algirdas Julius Greimas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Algirdas Julius Greimas
Nome nativo Algirdas Julien Greimas
Nascimento 9 de março de 1917
Tula
Morte 27 de fevereiro de 1992 (74 anos)
Paris
Cidadania França
Etnia Lituanos
Alma mater Universidade Vytautas Magnus
Ocupação linguista, filósofo, professor universitário
Empregador École des hautes études en sciences sociales, Sorbonne Nouvelle

Algirdas Julius Greimas, ou Algirdas Julien Greimas (Tula, Rússia, 9 de março de 1917Paris, 27 de fevereiro de 1992), foi um linguista lituano de origem russa que contribuiu para a teoria da semiótica e da narratologia, além de ter prosseguido diversas pesquisas sobre mitologia lituana.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Greimas estudou direito na Lituânia e linguística em Grenoble (1936-1939). Em 1939 voltou à Lituânia onde tinha de cumprir serviço militar. Em 1944 voltou para a França, formando-se em 1949 pela Sorbonne. Lecionou em Alexandria, Ancara, Istambul e Poitiers, e foi professor na Escola de Ciências Sociais para Estudos de Pós-Graduação, em Paris. De 1965 em frente, encabeçou a pesquisa semiótico-linguística em Paris, estabelecendo as fundações da Escola de Semiótica de Paris.

Greimas começou, mais tarde, a pesquisar e a reconstruir a mitologia lituana, baseando o seu trabalho nos métodos de Georges Dumézil, Claude Lévi-Strauss e Marcel Detienne. Os resultados foram publicados na obra Apie Dievus ir žmones - Dos deuses e dos homens (1979) e em Tautos atminties beieškant - Em busca da memória nacional (1990).

Teoria narrativa[editar | editar código-fonte]

O lituano A.. J. Greimas introduziu o conceito de quadrado semiótico, ao observar, por exemplo, o esquema bi-direcional das histórias. Nele, se situam o Herói, seu Ajudante, seu Adversário e a Sociedade em torrno do objetivo a ser alcançado, e por ele elaborou um “quadro” ou ”retângulo semiótico”. Há uma grande semelhança com a estrutura geral do Paradigma Disney:

“É possível olhar novamente para a mesma cena de um ponto de vista ligeiramente diferente, interpretando-a como sendo um romance, para o qual o quadro semiótico proposto por Greimas poderia ser aplicado. Como bem se sabe, Greimas propôs a seguinte interpretação macroestrutural da trama narrativa: alguém (o personagem principal) deseja alcançar algo (um objeto de valor), e no caminho de sua jornada é ajudado por algo/alguém (ajudante), e é atrapalhado por algo/alguém (oponente); dois outros elementos estão em cena: o 'destinateur': quem ou o quê empurrou o herói em direção ao seu objetivo, e o receptor: quem ou o quê recebe o objeto de valor uma vez que este é conquistado pelo herói.”[1]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. TARDINI, Stephano – extraído do resumo do Projeto SwissCast, da Faculdade de Ciência da Comunicação da Universidade da Suíça Italiana, http://www.swisscast.net/theory_inst/greimas.htm