Andrew Hill

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Andrew Hill
Informação geral
Nascimento 30 de Junho de 1931
Origem Chicago, Illinois, EUA
País Estados Unidos
Data de morte 20 de abril de 2007 (75 anos) Jersey City, Nova Jersey, EUA
Gênero(s) Jazz
Avant-garde jazz
Bebop
Hard Bop
Instrumento(s) Piano
Período em atividade 19452007
Outras ocupações lider de banda, compositor, sideman
Gravadora(s) Blue Note
SteepleChase
Soul Note
Palmetto Records
Página oficial www.andrewhilljazz.com

Andrew Hill (30 de Junho de 1931[1] – 20 de Abril de 2007) foi um pianista e compositor de jazz americano, enquadrando-se no vanguarda deste estilo musical, e estilisticamente no jazz modal explorando também as possibilidades ritmicas e harmónicas do Bebop e do Hard Bop.

Andrew Hill, cuja actividade se estende desde a década de 50 até à sua morte em 2007, é reconhecido como um dos mais importantes e inovadores pianistas de jazz nos anos 60.[2] Os seus trabalhos mais marcantes foram gravados para a editora Blue Note Records, cobrindo perto de uma década e cerca de 12 álbuns.

Como compositor, foi autor de melodías labirinticas e de temas rítmica e harmónicamente complexos como "New Monastery", no seu album Point of Departure.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Andrew Hill nasceu em Chicago, Illinois (e não em Port-au-Prince, Haiti, como foi inicialmente referido por alguns livros de história do jazz) filho de William e Hattie Hille. Teve um irmão, Robert, que foi cantor e violinista.[3] Hill escolheu o piano com treze anos, e foi encorajado por Earl Hines. Jovem ainda, frequentou a University of Chicago Experimental School.[4] Foi apresentado por Bill Russo a Paul Hindemith, com quem estudou informalmente até 1952. Na juventude tocou em bandas de Rhythm and Blues, e com musicos jazz em digressão, incluindo Charlie Parker e Miles Davis. Hill recorda algumas das suas experiências como iniciante, durante uma entrevista de 1964 com Leonard Feather: "I started out in music as a boy soprano, singing and playing the accordion, and tap dancing. I had a little act and made quite a few of the talent shows around town from 1943 until 1947. I won turkeys at two Thanksgiving parties at the Regal Theatre," em festas patrocinadas pelo jornal Chicago Defender, os quais Hill acabou por vender na rua.[3]

Em 1950, aprendeu com o saxofonista Pat Patrick as primeiras cadências de blues no piano, e em 1953 teve a sua primeira actuação como músico profissional, com a banda de Paul Williams'. "At that time", recorda Hill, "I was playing baritone sax as well as piano." Durante os anos seguintes os trabalhos como pianista puseram-no em contacto com uma panóplia de musicos, alguns dos quais vieram a ter relevância e influência: Joe Segal e Barry Harris, entre outros. Em 1961, depois acompanhar a digressão de Dinah Washington, o jovem pianista fixou-se em Nova York onde trabalhou para Johnny Hartman e Al Hibbler, tendo-se mudado rápidamente para Los Angeles onde trabalhou com o quarteto de Roland Kirk, bem como no lendário clube de jazz Lighthouse Café em Hermosa Beach. Foi então que conheceu a sua futura esposa, Laverne Gillette [5] , nesse tempo organista no Red Carpet. Casaram em 1963 e mudaram-se para Nova York. Andrew Hill acabou por morrer depois de uma doença prolongada, na California para onde se tinham mudado.[3]

O primeiro álbum de Hill como sideman é de 1954, mas a sua reputação é criada pelas gravações como lider para a Blue Note entre 1963 to 1970, as quais apresentavam outros importantes post-bop músicos, incluindo Joe Chambers, Richard Davis, Eric Dolphy, Bobby Hutcherson, Joe Henderson, Freddie Hubbard, Elvin Jones, Woody Shaw, e Tony Williams, bem como John Gilmore. Hill tocou em albuns de Henderson, Hutcherson, and Hank Mobley. A sua composição original contribuiu com três das cinco peças no álbum clássico de Bobby Hutcherson's Dialogue.[6]

Depois da década de 60, Hill raramente trabalhou como sideman, preferindo interpretar as suas próprias composições. Talvez isto tenha de algum modo limitado a sua visibilidade pública. Obteve o doutoramento em música da Colgate University de Hamilton e ficou como o compositor residente da universidade entre 1970 to 1972. Posteriormente ensinou, na California, e de passagem foi professor associado na Portland State University onde criou um curso de Jazz. Durante esse tempo, estabeleceu um Programa Intensivo de Jazz de Verão, e adicionalmente actuou, conduziu atelies e frequentou formações noutras universidades como a Universidade Wesleyan, universidade do Michigan, Universidade de Toronto, Universidade de Harvard e Bennington College.[7] Casou-se com a bailarina e professora Joanne Robinson em Portland in 1992. Em 1995 mudaram-se para Nova York. A sua última actuação pública foi em 29 de Março de 2007 na Trinity Church em Nova York. Andrew Hill sofreu de cancro de pulmão durante os último anos da sua vida. Morreu em casa, em Nova Jersey.[8]

Em Maio de 2007, Hill foi a primeira pessoa a receber um doutoramento Honoris Causa do Berklee College of Music.

Estilo[editar | editar código-fonte]

A principal influência de Hill foram os pianistas Thelonious Monk, Bud Powell and Art Tatum. "Para mim Monk é como Ravel e Debussy, já que põe muita personalidade na sua música [...]afinal, é a personalidade da música que a faz." ("Monk's like Ravel and Debussy to me, in that he put a lot of personality into his playing[...]it's the personality of music which makes it, finally") disse o pianista em 1963 numa entrevista com A. B. Spellman. Powell foi uma influência ainda maior, mas Hill pensava que a sua música era já um beco sem qualquer saída: "Se se fica muito tempo com Bud, passar-se-à a soar como ele, mesmo se está a fazer algo que ele nunca tenha feito." ("If you stay with Bud too much, you'll always sound like him, even if you're doing something he never did.") Ultimamente, Hill referia-se a Tatum como a sinteze de todo o moderno piano de jazz.[4]

Apesar de geralmente caracterizado como "avant-garde", a música de Hill pouca semelhança tem com a atonalidade livre e as improvisações extensas de Cecil Taylor ou outros. Tal como os seus contemporâneos Joe Henderson, Wayne Shorter e Eric Dolphy, Hill foi considerado como uma figura cúspide: demasiado "out" para ser "in," mas demasiado "in" para ser "out". O seu trabalho inicial, particularmente o àlbum Point of Departure, apresentando também o companheiro e inovador Eric Dolphy, exibe o desejo de Hill de avançar, ainda que permanecendo solidamente fundado na tradição dos seus predecessores.

Hill criou um idioma único, que utilizava improvisação cromática, modal e ocasionalmente "free". Como pianista, o estilo de Hill é marcado por um cromatismo extremo, acordes densos e complexos, fluindo, o fraseado legato e o rubato frequente. Muitas vezes tocava contra o pulsar ritmico, ou optava por se mover em diferentes métricas temporais. Entretanto a sua habilidade como compositor e lider pode ser apreciada quando a banda se aventura em terrenos desconhecidos, mantendo-se contudo precisa e controlada. As composições de Hill aquirem por vezes uma feição contemplativa, mas Hill ficou conhecido pela complexidade ritmica e harmónica das suas interpretações e composições.

O seu album Dusk foi selecionado como o melhor album de 2001 pela Down Beat e pela JazzTimes; em 2003, Hill recebeu o Jazzpar Prize.[2] O trabalho inicial de Hill's também recebeu uma atenção renovada como resultado da edição de sessões de 1960 para a Blue Note, anteriormente não editadas, especialmente a sessão com uma banda alargada Passing Ships.

Como consequencia desta proeminência renovada, um novo album intitulado Time Lines foi lançado em Fevereiro de 2006 pela Blue Note.

Discografia[editar | editar código-fonte]


Lista do site Allmusic [9] e All.About.Jazz [10]

Como Lider[editar | editar código-fonte]

Título Ano Editora
So In Love 1959 Warwick
Black Fire 1963 Blue Note Records
Smokestack 1963 Blue Note Records
Judgment! 1964 Blue Note Records
Point of Departure 1964 Blue Note Records
Andrew!!! 1964 Blue Note Records
Compulsion 1965 Blue Note Records
Cosmos 1965 (publicado em 1970) Blue Note Records
Pax [nota 1] 1965 (lançado em 2006) Blue Note Records
Change [nota 2] 1966 (lançado em 2007) Blue Note Records
Grass Roots 1968 Blue Note Records
Dance with Death 1968 (lançado em 1980) Blue Note Records
Lift Every Voice 1969 Blue Note Records
Passing Ships 1969 (lançado em 2003) Blue Note Records
One for One 1965-70 (lançado em 1975) Blue Note Records
Invitation 1974 SteepleChase Records
Hommage 1975 East Wind Records
Spiral 1975 Freedom Records
Blue Black 1975 East Wind Records
Divine Revelation 1975 SteepleChase Records
Live at Montreux 1975 Freedom Records
Nefertiti 1976 East Wind Records
From California with Love 1978 Artists House
Strange Serenade [nota 3] 1980 Soul Note
Faces of Hope 1981 Soul Note
Shades 1986 Soul Note
Verona Rag 1986 Soul Note
Eternal Spirit 1989 Blue Note Records
But Not Farewell 1990 Blue Note Records
Dreams Come True com Chico Hamilton 1993 (publicado em 2008) Joyous Shout!
Les Trinitaires 1998 Jazzfriends
Dusk 1999 Palmetto Records
A Beautiful Day 2002 Palmetto Records
The Day the World Stood Still - Jazzpar Octet + 1 2003 (reeditado em 2005) Stunt/Sundance
Blueback (reedição de gravação de 1976) 2005 Test of Time Records
The Capitol Vaults Jazz Series [nota 4] 2005 Blue Note Records
Time Lines 2006 Blue Note Records

Como sideman[editar | editar código-fonte]

Título Ano Editora
To My Queen (com Walt Dickerson) 1962 Prestige
Domino (album de Rahsaan Roland Kirk) 1962 Mercury
Conflict (com Jimmy Woods) 1963 Contemporary
No Room for Squares (com Hank Mobley) 1963 Blue Note
Our Thing (com Joe Henderson) 1963 Blue Note
Dialogue (album de Bobby Hutcherson) 1965 Blue Note
Earth Prayer (com Russel Baba) 1992 Ruba Music
Summit Conference (com Reggie Workman) 1994 Postcards
The Invisible Hand (com Greg Osby) 2000 Blue Note Records

Na Televisão[editar | editar código-fonte]

Prémios[editar | editar código-fonte]

  • 2008 - National Endowment for the Arts (NEA) Jazz Master
  • 2007 - Downbeat Hall of Fame
  • 2007 - Jazz Journalist Association, Pianista do ano, Compositor do ano
  • 2007 - Jazz Journalist Association, Prémio de Carreira
  • 2007 - Doutoramento Honoris Causa pelo Music-Berklee College of Music
  • 2000, 2001, 2003 e 2006 - Prémio do Compositor do Ano dos Jornalistas de Jazz
  • 2006 - "Time Lines" - Álbum do ano da revista Down Beat
  • 2006 - Artista Jazz do ano da revista Playboy
  • 2001 - "Dusk" - Álbum do ano da revista Down Beat
  • 2000 e 2001 - Winner Critics Poll Jazz da revista Down Beat
  • Primeiro Prémio da Fundação Doris Duke para compositores de Jazz

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Este album foi lançado em 2006 incluindo 5 faixas publicadas pela primeira vez no album "One for One". As restantes duas, são faixas gravadas na mesma sessão de 1965 e entretanto arquivadas sem publicação
  2. O album Change é a reedição das faixas de Andrew Hill préviamente lançadas no album ´´Involution´´ (Blue Note, 1976) de Sam Rivers
  3. O album 'Strange Serenade' não é referido na lista da Allmusic, apesar de existir uma "review" do album no mesmo site. Visitado em 15 de Dezembro de 2011
  4. The Capitol Vaults Jazz Series é uma colectânea de material "Blue Note" incluindo originais não publicados e alguns outros remasterizados.

Referências

  1. Howard Mandel "Andrew Hill: 1931–2007", All About Jazz, consultada em 20 Dezembro 2011. "Hill, born June 30, 1931 in Chicago, Illinois (contrary to some previously published places and dates dates)..."
  2. a b Fordham, John (2007-04-23). Andrew Hill: A great jazz original, he was a pianist, teacher and composer. The Guardian. Página visitada em 2011-01-01.
  3. a b c Original liner notes to Judgment! by Leonard Feather
  4. a b Original liner notes to Black Fire by A. B. Spellman
  5. Original liner notes to Smoke Stack
  6. Litweiler, John. The Freedom Principle: Jazz After 1958. [S.l.]: Da Capo, 1984. 116–118 p. ISBN 0-306-80377-1
  7. Andrew Hill Biography. Boosey & Hawkes, Inc.. Página visitada em 2008-08-14.
  8. Ben Ratliff (21 de abril de 2007). "Andrew Hill, 75, Jazz Artist Known for His Daring Style, Dies". Página visitada em 2 de janeiro de 2008. "Andrew Hill, a pianist and composer of highly original and sometimes opaquely inner-dwelling jazz whose work only recently found a wide audience, died yesterday at his home in Jersey City. He was 75."
  9. Título não preenchido, favor adicionar.
  10. Título não preenchido, favor adicionar.
  11. SolosJazz

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui multimídias sobre Andrew Hill