Anna Jarvis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Anna Jarvis
Nascimento 1 de maio de 1864
Grafton
Morte 24 de novembro de 1948 (84 anos)
West Chester
Sepultamento Pensilvânia
Cidadania Estados Unidos
Ocupação ativista, fundidor
Causa da morte câncer

Anna Maria Jarvis (Webster, Virgínia, 1864 - West Chester Pensilvânia, 24 de novembro de 1948) é reconhecida como idealizadora do Dia das Mães nos Estados Unidos.

A ideia surgiu a partir de um episódio ocorrido na vida pessoal de Jarvis, a morte da mãe em 1905. As amigas, muito preocupadas com seu estado depressivo depois do fato, fizeram uma festa para eternizar o dia. Anna quis que a celebração fosse estendida a todas as mães. Depois de lutar três anos para oficializar a data, finalmente, em 26 de abril de 1910, o governador da Virgínia Ocidental, William E. Glasscock, acrescentou o Dia das Mães ao calendário de datas comemorativas daquele estado[carece de fontes?]. Em pouco tempo outros estados dos Estados Unidos aderiram à comemoração e com isso, em 1914, o presidente dos Estados Unidos, Woodrow Wilson [1] formalizou a data em todo o território nacional.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Anna Jarvis nasceu na pequena cidade de Webster no Condado de Taylor, na Virgínia do Oeste. Ela foi filha de Ann Maria Reeves Jarvis. A família mudou-se para perto de Grafton, também na Virgínia do Oeste, durante sua infância.

Em 12 de maio de 1907, dois anos após a morte de sua mãe, ela criou um memorial à sua mãe e iniciou um campanha para que o "Dia das Mães" fosse um feriado reconhecido. Ela obteve sucesso ao torná-lo nacionalmente reconhecido em 1914. A Capela do Dia Internacional das Mães foi estabelecida em Grafton para comemorar sua vitória.

Na década de 1920, Anna Jarvis ficou incomodada com a comercialização do feriado. Ela criou a Associação Internacional para o Dia das Mães, alegou direitos autorais sobre o segundo domingo de maio, e foi presa uma vez por perturbar a paz. Ela e sua irmã Ellsinore gastaram a herança da família fazendo campanha contra o feriado. As duas morreram na pobreza. Jarvis, segundo o obituário no New York Times, ficou magoada porque muitas pessoas mandavam para suas mães um cartão impresso. Dizia ela que:

"Um cartão impresso não significa nada mais que você é muito preguiçoso para escrever para a mulher que fez mais por você que qualquer outra pessoa no mundo. E tortas! Você leva uma caixa para a Mãe - e então come tudo você mesmo. Um belo sentimento!"

Anna Marie Jarvis nunca casou e não teve filhos. Ela morreu em West Chester, Pensilvânia, e está enterrada no Cemitério Laurel Hill, em Bala Cynwyd, Pensilvânia.

Referências