Antônio Francisco Teixeira de Melo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Antônio Francisco Teixeira de Melo
Nascimento 21 de outubro de 1949 (71 anos)
Mossoró
Cidadania Brasil
Alma mater Universidade do Estado do Rio Grande do Norte
Ocupação escritor, poeta, xilogravador

Antônio Francisco Teixeira de Melo (Mossoró, 21 de outubro de 1949) é um cordelista, xilógrafo e compositor potiguar.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

É filho de Francisco Petronilo de Melo e Pêdra Teixeira de Melo.[1]

Graduado em História pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN).[1]

É membro da Academia Brasileira de Literatura de Cordel, na cadeira de número 15, cujo patrono é o poeta cearense Patativa do Assaré.[2]

Em dezembro de 2018 recebeu a Comenda de Incentivo à Cultura Luís da Câmara Cascudo reconhecimento do Senado Federal a personalidades e instituições que tenham uma contribuição relevante ao registro da cultura e do folclore no Brasil.[3]

Obra[editar | editar código-fonte]

“ Quem deu força à correnteza,
Botou o verde na mata,
Dê força à minha garganta
Como deu voz à cascata
Pra eu contar a história
Do guarda-chuva de prata.(…)”

O Guarda- Chuva de Prata[4]

Poemas de sua autoria, editados em forma de folhetos de cordel ou reunidos em livros.

  • Reunidos recentemente no livro Dez Cordéis num Cordel Só (2001)[5][4]:
    • Meu Sonho
    • Aquela dose de amor[6]
    • O Guarda- Chuva de Prata
    • As seis moedas de ouro
    • Do outro lado do véu
    • A oitava maravilha ou A lenda de Cafuné
    • Os sete constituintes ou Os animais têm razão[5]
    • O feiticeiro do sal
    • A cidade dos cegos ou História de pescador
    • A Arca de Noé
  • Confusão no cemitério
  • O ataque de Mossoró ao bando de Lampião
  • A lenda da Ilha Amarela
  • Um conto bem contado
  • A casa que a fome mora[5]
  • Um bairro chamado Lagoa do Mato
  • O duelo de bengala
  • Uma carrada de gente
  • No topo da vaidade
  • Uma carta para a alma de Pero Vaz de Caminha
  • Uma esmola de sombra
  • O rio de Mossoró e as lágrimas que derramei
  • O lado bom da preguiça
  • A resposta
  • De calça curta e chinela
  • Por motivos de Versos (2005) [5]

Referências

  1. a b c «Antonio Francisco». Editora IMEPH. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  2. «Academia Brasileira de Literatura de Cordel - Cadeiras». Academia Brasileira de Literatura de Cordel. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  3. «Cordelista Antônio Francisco é homenageado no Senado Federal». defato.com. 10 de dezembro de 2018. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  4. a b «Dez cordéis num cordel só, de Antônio Francisco Teixeira de Melo». Passei Web. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  5. a b c d Ramon Ribeiro (26 de maio de 2019). «Poeta e cordelista Antônio Francisco telembra a trajetória». Tribuna do Norte. Consultado em 19 de janeiro de 2020 
  6. «Aquela dose de amor». Recanto das Letras. Consultado em 19 de janeiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Antônio Francisco Teixeira de Melo