Artêmio de Antioquia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras pessoas de mesmo nome, veja Artêmio.
Santo Artêmio de Antioquia
Afresco de São Mercúrio e Santo Artêmio no Monte Atos
Grande Mártir; Chalita
Morte 363 em Antioquia, Turquia
Veneração por Igreja Católica; Igreja Ortodoxa
Festa litúrgica 20 de outubro[1]
Padroeiro Hérnias
Gloriole.svg Portal dos Santos

Artêmio (português brasileiro) ou Artémio (português europeu) de Antioquia, conhecido como Chalita na tradição maronita, foi um general do Império Romano que por seu favor imperial foi agraciado em 360 com a posição de duque do Egito (dux Aegypti), um posto administrativo-militar da província.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Artêmio foi membro duma família nobre. Por ser um cristão ariano, tal como o imperador Constâncio II (r. 337–361), recebeu o favor imperial e foi confiado a missão de partir às terras além do Danúbio e trazer de volta para Constantinopla as relíquias de Santo André, São Lucas e São Timóteo; essa missão pode ter sido realizada em 357. Artêmio conseguiu realizar com sucesso sua tarefa e foi recompensado com o título de duque do Egito em 360. Nessa posição, ajudou o prefeito augustal Faustino a torturar a virgem Eudemônia para tentar descobrir a localização do foragido arcebispo alexandrino Atanásio I, tomou o Serapeu de Alexandria e utilizou tropas contra a população enfurecida da cidade.[2]

Um ano depois, Constâncio foi sucedido por seu sobrinho, Juliano, o Apóstata (r. 361–363), que era pagão. Os alexandrinos acusaram Artêmio de diversas atrocidades e Juliano removeu-o do ofício, julgou-o e o condenou à morte. Artêmio foi decapitado em 363 na cidade de Antioquia, para onde ele tinha sido convocado pelo imperador por má administração da província.[3] De acordo com Amiano Marcelino, sua morte encorajou o povo da cidade a matar Jorge de Laodiceia, já que fora ele o instigador dos eventos em Alexandria,[4] o que é provavelmente incorreto, pois ele já estava morto quando Artêmio foi julgado.[2]

Referências

  1. Lieu 1996, p. 212-215
  2. a b Martindale 1971, p. 112
  3. Gibbon 1999, p. 319
  4. Marcelino século IV, XXII 11.2-3,8.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Gibbon, Edward. A História do Declínio e Queda do Império Romano. [S.l.]: ElecBook, 1999. vol. 2.
  • Lieu, Samuel N.. Constantine to Julian: A Source History. [S.l.]: Routledge, 1996.
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones. The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395. [S.l.: s.n.], 1971.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Artêmio de Antioquia
  • "Artemius" (em inglês). Catholic Forum. Consult. 23/06/2012. 
  • "Artemius" (em inglês). Orthodox Church in America. Consult. 24/12/2015.