Assassino do Zodíaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Assassino do Zodíaco
Um retrato falado do assassino do Zodíaco baseado em descrição de testemunhas.
Nome Desconhecido
Pseudônimo Desconhecido
Data de nascimento Desconhecido
Nacionalidade(s) Desconhecido
Crime(s) Assassinatos em série
Situação Foragido (ou morto)
Assassinatos
Período em atividade Década de 1960Década de 1970
País  Estados Unidos
Localização Califórnia (possivelmente Nevada)
Vítimas fatais 5 mortes confirmadas, 2 feridos; possivelmente entre 20 e 28 mortes totais (o assassino reivindicou 37 vítimas)
Assinatura do homicida em suas cartas criptografadas

O Assassino do Zodíaco foi um assassino em série estadunidense que atuou no Norte da Califórnia durante 10 meses desde o final da década de 1960. Sua identidade permanece desconhecida. O Zodíaco colocou seu nome em uma série de cartas ameaçadoras que enviou à imprensa até 1974. Em suas cartas incluiu quatro criptogramas, dos quais três ainda não foram decifrados.

O Assassino do Zodíaco matou quatorze vítimas reconhecidas em Benicia, Vallejo, Lago Berryessa, e São Francisco entre dezembro de 1968 e outubro de 1969. Quatro homens e três mulheres entre 16 e 29 anos foram os alvos do assassino. Outras pessoas foram consideradas possíveis vítimas. Com a falta de precisão no número de vítimas, a incapacidade de decifrar suas cartas criptografadas e a falha na busca de suspeitos, o caso pode ser considerado como um crime perfeito.

Em abril de 2004, o Departamento de Polícia de São Francisco marcou o caso como inativo, mas o reabriu após março de 2007. O caso está aberto até hoje em outras jurisdições.

Em agosto de 2008, um homem da cidade de Sacramento disse que tinha evidências que apontavam seu padrasto como o Assassino do Zodíaco. Um capuz preto, uma faca com sangue, escritos, e rolos de filme fotográfico foram examinados pelo FBI.[1][2] Entretanto, a investigação está parada, devido à falta de provas.[3]

Cronologia dos Crimes[editar | editar código-fonte]

Assassinato em Lake Herman Road[editar | editar código-fonte]

Em 20 de dezembro de 1968, David Arthur Faraday de 17 anos de idade e Betty Lou Jensen de 16, um jovem casal de Vallejo, Califórnia, estavam realizando um passeio noturno em Lake Herman Road, uma estrada conhecida por servir de ponto de encontro para jovens casais, quando foram surpreendidos por um homem que estacionou o carro atrás do deles, o homem desceu do seu carro e o casal assustado tentou fugir do veículo em que se encontravam, David Faraday foi morto ainda dentro de seu carro, enquanto Betty Lou Jensen conseguiu descer e correr, até ser baleada pelo homem e cair à 23.70 metros do para-choque traseiro do veículo, ambos morreram devido aos ferimentos de bala do ocorrido.[4]

Assassinato em Blue Rock Springs[editar | editar código-fonte]

Em 4 de julho de 1969, mais uma vez um casal transitava a noite pelas estradas de Vallejo, os jovens Michael Renault Mageau de 19 anos e Darlene Elizabeth Ferrin de 22, passeavam no Corvair de Darlene, que havia saído de casa com o intuito de comprar fogos de artificio para a festa de 4 de julho, porém por algum motivo passou na casa de Micheal, partindo então com o jovem rapaz em direção ao Blue Rock Springs Park, segundo as investigações posteriores da polícia descobriu-se que os dois foram seguidos por um homem em um Falcon 1958, que parou atrás do carro do casal, sacou uma lanterna e andou em direção aos dois jovens, o homem então puxou uma pistola do casaco que vestia e se aproximando do banco do carona em que Mageau se encontrava, disparou inúmeras vezes em direção aos dois. O incidente terminou com a morte de Darlene, enquanto Mageau foi levado ao hospital de Vallejo com ferimentos graves, contudo conseguindo sobreviver.

Exatamente à 00:40, de um telefone público, um homem ligou para a delegacia de Vallejo, por meio de uma telefonista. Nancy Slover, operadora da central telefônica da polícia, atendeu.

- Quero informar um duplo assassinato — o homem falou. A voz dele não enfatizava as palavras, e pareceu a Nancy que o homem estava lendo o que dizia. Ou que tinha ensaiado aquilo.

- Se vocês andarem 1 quilômetro e meio para leste, na Columbus Parkway, em direção ao parque público, vão en​contrar jovens em um carro marrom.

A voz do desconhecido era firme e consistente, clara mas imperativa. Nancy tentou interrompê-lo, para obter maiores informações, mas o homem falava alto, encobrindo a voz dela. Para Nancy, a voz parecia ser a de um adulto. Ele não parou de falar até que terminasse de dar sua declaração.

- Eles foram mortos com uma Luger 9 mm. Eu também matei aqueles garotos no ano passado. — Adeus.

O assassinato de Darlene aconteceu em um lugar localizado a apenas 3 Km do local onde o casal David e Betty Lou foram assassinados.[5][6]

Primeiras Cartas Enviadas[editar | editar código-fonte]

Primeira carta do Zodíaco enviada aos jornais em 1969.

Em 1 de agosto de 1969, três cartas foram escritas pelo assassino e enviadas para três jornais diferentes, Vallejo Times-Herald, San Francisco Chronicle e para o San Francisco Examiner.

A carta escrita pelo assassino e enviada ao San Francisco Chronicle dizia:

Caro Editor, Aqui é o assassino dos 2 jovens no último Natal no Lago Herman e da moça no dia 4 de Julho perto do campo de golfe em Vallejo

Para provar que os matei,

Eu vou contar alguns fatos que só eu e a polícia conhecemos.

Natal

1. Marca da munição Super X

2. 10 tiros foram disparados

3. O jovem estava de costas com os pés apontados para o carro

4. A jovem estava deitada sobre o lado direito pés voltados para Oeste

4 de julho

1. A jovem estava usando calças estampadas

2. O jovem foi baleado também no joelho.

3. Marca da munição foi western

Aqui está a parte de um código as outras duas partes desse código estão sendo enviadas aos editores do Vallejo Times e do SF Examiner . Quero que o senhor publique esse código na primeira página do seu jornal.

Nesse código está minha identidade.

Se o senhor não publicar esse código até a tarde da sexta-feira, lº de agosto de 69, vou iniciar uma matança louca sexta-feira à noite. Vou perambular todo o fim de semana matando pessoas solitárias à noite e continuar matando de novo, até que eu tenha uma dúzia de pessoas no fim de semana.[7][8]

O São Francisco Examiner e o Vallejo Times-Herald também receberam a sinistra carta, com pequenas variações, e uma terça parte da mensagem completa em código. Os jornais publicaram uma parte do texto das cartas, mas, atendendo aos pedidos do departamento de polícia, não reproduziram a carta fielmente como foi enviada ao jornal. Isso foi feito para que fossem preservados fatos que só o assassino saberia. Trata-se de um procedimento padrão da polícia em muitos casos de assassinato, a fim de que haja provas indiscutíveis para a identificação e captura do procurado.

Em 4 de agosto de 1969 o casal Donald Gene Harden, 41 anos, professor de história e eco​nomia na Escola North Salinas e sua esposa Bettye June Harden, conseguiram decifrar o código enviado pelo assassino ao jornal. O código dizia o seguinte:

Parte do código enviado ao Chronicle em 1969.

GOSTO DE MATAR PESSOAS

PORQUE É MUITO DIVERTIDO

É MAIS DIVERTIDO DO QUE

MATAR ANIMAIS SELVAGENS NA

FLORESTA PORQUE

O HOMEM É O ANIMAL MAIS

PERIGOSO DE TODOS PARA MATAR

Parte do código enviado ao Examiner em 1969

ALGUMA COISA ME DÁ A

MAIS EMOCIONANTE EXPERIÊNCIA

É MELHOR ATÉ DO QUE

FAZER SEXO COM UMA GAROTA

A MELHOR PARTE DISSO É QUE

QUANDO EU MORRER RENASCEREI

NO PARAÍSO E OS QUE EU

Parte do código enviado ao Times-Herald em 1969

MATEI SE TORNARÃO MEUS ESCRAVOS

NÃO VOU DIZER MEU NOME

SENÃO VOCÊS VÃO TENTAR RETARDAR OU

PARAR MINHA COLEÇÃO DE

ESCRAVOS PARA DEPOIS DA MORTE EBEORIETEMETHHPITI.[9]

Em uma terça-feira, 7 de agosto de 1969, o assassino escreve sua segunda carta à polícia, dessa vez maior contendo três páginas, nessa carta pela primeira vez ele utiliza o nome Zodíaco para se referir a si mesmo, ele da mais detalhes dos assassinatos em Vallejo. O Zodíaco escrevera que quando a polícia decifrasse o código da sua última carta enviada eles o pegariam. O que o assassino não sabia é que os Harden já tinham concluído a decodificação, mas que a identidade do assassino continuava a ser um mistério.

Assassinato no Lago Berryessa[editar | editar código-fonte]

Em 27 de setembro de 1969, Bryan Hartnell e Cecelia Shepard, um casal de estudantes do Pacific Union College, estavam fazendo um passeio pelo Lago Berryessa, haviam chegado ao local no Karmann Ghia branco de Bryan às 16:00, o casal encontrou uma clareira na sombra para um pique​nique, a exatos 466 metros da estrada, em uma península da margem Leste do lago. Eles estenderam um cobertor e ficaram sentados, abraçados, durante uma hora.

Enquanto apreciava a paisagem o casal foi surpreendido por um homem corpulento de mais ou menos 1,80 de altura usando uma macabra roupa preta com capuz cobrindo a cabeça, na parte da frente da roupa podia-se ver o simbolo do Zodíaco, um círculo cortado por uma cruz ao centro, como se fosse a mira de uma arma. O homem abordou os jovens e após amarra-los deitados ao chão, desferiu vários golpes de faca em cada um deles, novamente como havia acontecido no último ataque do assassino, o rapaz sobreviveu enquanto a garota acabou falecendo, não resistindo aos 24 ferimentos de faca em seu corpo.[10][11]

O assassino antes de ir embora deixou escrito na porta do carro do rapaz a seguinte descrição:

Vallejo

20-12-68

4-7-69

27 set, 69-6h30

A faca

Assassinato de Paul Stine[editar | editar código-fonte]

Algumas semanas após o assassinato de Cecilia, em 11 de outubro de 1969 um taxista chamado Paul Stine transportava um passageiro que havia pegado em Forte Heights, e que tinha como destino a esquina da rua Washington com a Maple, o passageiro ao ver que havia alguém transitando na rua naquele momento, pediu para o taxista andar mais uma quadra, chegando na esquina da Washington com a Cherry, ali o homem corpulento sacou uma pistola do seu casaco preto e disparou a queima roupa contra o crânio de Stine, a morte foi quase instantânea.[12]

Os detetives Dave Toschi e Bill Armstrong, ficariam responsáveis pelas investigações do caso, que passaria de um simples assalto para um homicídio realizado por um assassino em série, isso porque alguns dias depois o Zodíaco escreveria uma carta e enviaria ao San Francisco Chronicle, contando detalhes da execução do crime e junto com a carta enviaria um pedaço da camisa de Stine que o assassino havia arrancado no momento do crime, já com a intenção de enviar ao jornal.

Em 8 de dezembro de 1969, o assassino mandaria aos jornais ainda mais cartas, uma toda criptografada, contando com 340 caracteres, e outra se gabando de ter cometido vários outros assassinatos na região.[13]

Ataque à Kathleen Johns[editar | editar código-fonte]

Na noite de 22 de março de 1970, Kathleen Johns fazia uma viagem entre San Bernardino e Petaluma para visitar sua mãe, quando foi abordada por um homem que deu sinal para que ela parasse o carro. O homem disse para a jovem que a roda traseira de seu carro estava solta, e que ele poderia consertar se fosse da vontade dela, Kathleen aceitou a ajuda do estranho, porém ao invés de apertar a roda ele afrouxou a mesma. Quando a jovem deu partida no carro novamente e andou alguns metros a roda se soltou, o homem então aproveitou a situação e ofereceu carona à mulher, que acompanhada de seu filho de colo, aceitou prontamente.

O homem então partiu pela rodovia e pouco tempo depois começou a ameaçar a mulher e seu filho, dizendo que mataria a jovem depois que atirasse o bebê pela janela do automóvel, desesperada a mulher se atirou para fora do carro e se escondeu em meio a vegetação, o assassino ainda tentou encontrar a mulher, rondou a localização por algum tempo, porém não conseguindo encontrar a jovem acabou desistindo e indo embora. Dias depois, após depoimento à polícia, Kathleen reconheceu o homem que a havia sequestrado naquele dia em um cartaz de procurado na delegacia, o cartaz em questão pertencia ao Zodíaco. [14]

Carta à Paul Avery[editar | editar código-fonte]

Em 27 de outubro de 1970, o jornalista investigativo do jornal San Francisco Chronicle, Paul Avery, recebeu uma carta do Zodíaco endereçada especialmente a ele, na verdade se tratava mais de um cartão barato comprado na época do Halloween para enviar a outras pessoas. O jornalista havia feito muitas matérias a repeito do assassino, em algumas o insultando e o chamando de homossexual enrustido, pelo fato de quase sempre apenas as mulheres morrerem durante seus ataques, deixando a impressão de que o assassino se esforçava mais para matar as mulheres do que os homens. Na qualidade de calejado correspondente de Guerra do Vietnã e de detetive licenciado, Avery era capaz de cuidar de si muito bem. O departamento de polícia o autorizou a portar um revólver calibre 38, além de permitir que treinasse tiro ao alvo no estande de tiro da polícia.

O cartão dizia o seguinte:

Sinto nos meus ossos,

Você pena para saber meu nome,

Então vou dar uma pista...

Mas então por que estragar nosso jogo!

BU Feliz Halloween[15]

Ataque em Riverside[editar | editar código-fonte]

Na época de divulgação da carta em ameaça à Paul Avery, veio a tona um incidente ocorrido em Riverside, o caso foi informado ao próprio jornalista que pessoalmente foi atrás das informações, se tratava de um assassinato a uma jovem estudante chamada Cheri Jo Bates, que estudava no Riverside City College, a jovem de apenas 18 anos foi morta de maneira brutal, esfaqueada por um homem, que após cometer o crime escreveu o que ocorrera em uma tábua de madeira encontrada dentro da universidade, além de mandar cartas à família da vitima, o modus operandi parecido com o do Zodíaco chamou a atenção das autoridades, que passou a supor que esse crime que também não teve solução, poderia ter sido cometido pelo assassino em série. Porém apesar de os investigadores terem encontrado fortes indícios da participação do Zodíaco no crime, nunca se encontraram provas suficientes para liga-lo ao assassinato.[16]

Desaparecimento no Lago Tahoe[editar | editar código-fonte]

Em 22 de março de 1971, um cartão endereçado a "Paul Averly" (Paul Avery, o assassino escrevera o nome do jornalista de forma errada, acrescentando um L, como havia acontecido também na carta de ameaça), chegou a correspondência do San Francisco Chronicle, nesse cartão o assassino assume a autoria do desaparecimento de Donna Lass em 6 de setembro de 1970. As frases “12 a vítima é procurada”, “vasculhar os pinheiros", “além das áreas do Lago Tahoe”, “Sierra Club” e “no meio da neve” tinham sido recortadas de um jornal e coladas no cartão. A jovem de 25 anos desapareceu após sair de seu emprego no hotel Sahara Tahoe rumo a sua casa, seu carro foi encontrado em frente ao seu apartamento, não havia sinais de luta corporal e nem indícios suspeitos, seu corpo nunca foi encontrado. Não se tem certeza se o cartão foi mesmo enviado pelo Zodíaco, não havia nada manuscrito nele para que se fizesse um teste de caligrafia, porém o estilo do autor era extremamente semelhante aos outros comprovadamente enviados pelo assassino.[17]

Últimas Cartas do Zodíaco[editar | editar código-fonte]

Em 30 de janeiro de 1974, o assassino em série envia uma curiosa carta ao Chronicle, nela ele relata que tinha ido assistir ao filme O Exorcista, ao qual diz ser o melhor filme de comédia satírica que ele já havia visto, na mesma carta ele escreve a seguinte nota, Eu = 37, SFPD = 0, dando a entender que já havia feito 37 vítimas enquanto a polícia de San Francisco não conseguia fazer nada para detê-lo.[18]

Em 24 de abril de 1978, foi enviada a suposta última carta do Zodíaco ao San Francisco Chronicle, ela inicialmente foi considerada ser realmente do assassino, porém o jornalista do Chronicle na época, Armistead Maupin, acusou o investigador Dave Toschi de ter escrito a carta, isso porque anos antes Maupin escrevera uma série que contava com um detetive inspirado em Toschi, o inspetor gostando do personagem enviou algumas cartas anônimas pedindo que ele continuasse a escrever a série que contava com o personagem. Maupin então acusou Toschi de escrever aquela carta, pois a mesma citava o nome do detetive da polícia de San Francisco, e tinha um tom parecido com aquelas que ele escreveu para o jornalista anos antes. Foram feitos testes de caligrafia em Toschi, que comprovaram que ele não tinha escrito a carta, porém o investigador foi afastado do caso que ele trabalhava desde 1969, não se tem a confirmação se essa carta enviada em 1978, foi mesmo escrita pelo Zodíaco. Sherwood Morrill que era o chefe do departamento de testes de caligrafia da polícia na época em que o Zodíaco enviou as suas primeiras correspondências, e que havia se aposentado alguns anos antes, afirmou que o envelope em questão tinha partido das mãos do assassino, segundo ele a caligrafia era a mesma das antigas.[19]

Vítimas[editar | editar código-fonte]

Confirmadas[editar | editar código-fonte]

Embora o Zodíaco tenha reivindicado 37 homicídios em cartas aos jornais, os investigadores confirmaram apenas sete vítimas, das quais duas sobreviveram. Eles são:

  • Betty Lou Jensen, 16 anos & David Arthur Faraday, 17 anos: baleados e mortos em 20 de dezembro de 1968, no Lake Herman Road, dentro dos limites da cidade de Benicia.
  • Darlene Elizabeth Ferrin, 22 anos & Michael Renault Mageau, 19 anos: tiro em 4 de julho de 1969, no estacionamento de Blue Rock Springs Park em Vallejo. Enquanto Mageau sobreviveu ao ataque, Ferrin foi declarada morta na chegada ao Hospital da Fundação Kaiser.
  • Bryan Calvin Hartnell, 20 anos & Cecilia Ann Shepard, 22 anos:no lago Berryessa no condado de Napa. Hartnell sobreviveu a oito facadas nas costas, mas Shepard morreu como resultado de seus ferimentos em 29 de setembro de 1969.
  • Paul Lee Stine, 29 anos: taxista baleado e morto em 11 de outubro de 1969, no bairro Presidio Heights, em San Francisco.

Suspeitas[editar | editar código-fonte]

Fatais e desaparecidas[editar | editar código-fonte]

As seguintes vítimas de assassinato são suspeitas de serem vítimadas pelo Zodíaco, embora nenhuma tenha sido confirmada:

  • Robert Domingos, 18 anos, e Linda Edwards, 17 anos: baleados e mortos em 4 de junho de 1963, em uma praia perto de Gaviota. Edwards e Domingos foram identificados como possíveis vítimas do Zodíaco devido a semelhanças específicas entre o ataque deles e o ataque do Zodíaco ao lago Berryessa, seis anos depois.
  • Cheri Jo Bates, 18 anos: esfaqueada até a morte e quase decapitada em 30 de outubro de 1966, no Riverside City College, em Riverside. A possível conexão de Bates com o Zodíaco só apareceu quatro anos depois de seu assassinato, quando o repórter Paul Avery, do San Francisco Chronicle, recebeu uma dica sobre as semelhanças entre os assassinatos do Zodíaco e as circunstâncias que cercaram a morte de Bates.
  • Donna Lass, 25 anos: vista pela última vez em 6 de setembro de 1970, em Stateline, Nevada. Um cartão postal com um anúncio dos condomínios de Forest Pines (perto de Incline Village em Lake Tahoe) colado nas costas foi recebido no Chronicle em 22 de março de 1971, e foi interpretado como o Zodíaco alegando o desaparecimento de Lass como uma vítima. Nenhuma evidência foi descoberta para conectar o desaparecimento de Lass com o Zodíaco definitivamente.

Sobrevivente de suposto sequestro do Zodíaco[editar | editar código-fonte]

Uma vitíma, Kathleen Johns de 22 anos, supostamente sequestrada em 22 de março de 1970, na rodovia 132 perto da I-580, em uma área a oeste de Modesto. Johns escapou do carro de um homem que levou ela e sua filha pequena ao redor da área entre Stockton e Patterson por aproximadamente uma hora e meia.

Suspeitos[editar | editar código-fonte]

Arthur Leigh Allen[editar | editar código-fonte]

O livro de Robert Graysmith, Zodiac, apresentou Arthur Leigh Allen como suspeito potencial baseado em evidências circunstanciais. Allen havia sido entrevistado pela polícia desde os primeiros dias das investigações sobre o Zodíaco e foi objeto de vários mandados de busca durante um período de 20 anos. Em 2007, Graysmith observou que vários detetives da polícia descreveram Allen como o mais provável suspeito.[20] No entanto, em 2010, Toschi afirmou que todas as evidências contra Allen, em última instância, "se revelaram negativas".[21]

Em 6 de outubro de 1969, Allen foi entrevistado pelo detetive John Lynch, do Departamento de Polícia de Vallejo. Allen foi visto nas proximidades do ataque do Lago Berryessa contra Hartnell e Shepard em 27 de setembro de 1969; ele alegou que mergulhava em Salt Point no dia dos ataques.[22] Allen voltou a chamar a atenção em 1971 quando seu amigo Donald Cheney relatou à polícia em Manhattan Beach, Califórnia, que Allen havia falado de seu desejo de matar pessoas, usar o nome Zodiac e proteger uma lanterna em busca de visibilidade à noite. De acordo com Cheney, esta conversa ocorreu na tarde em 1 de janeiro de 1969.[23]

Jack Mulanax, do Departamento de Polícia de Vallejo, escreveu posteriormente que Allen havia recebido uma demissão honrosa da Marinha da Califórnia em 1958 e havia sido demitido de seu emprego como professor de ensino fundamental em março de 1968, após alegações de má conduta sexual com estudantes. Ele era geralmente bem visto por aqueles que o conheciam, mas também era descrito como obcecado por crianças pequenas e zangado com as mulheres. Ele aparentemente nunca teve uma namorada ou esposa.[24]

Em setembro de 1972, a polícia de São Francisco obteve um mandado de busca para a residência de Allen.[25] Em 1974, foi preso por cometer atos sexuais indecentes contra um menino de 12 anos de idade;[26] ele se declarou culpado e cumpriu dois anos de prisão.

A polícia de Vallejo serviu outro mandado de busca na residência de Allen em fevereiro de 1991.[27] Dois dias após a sua morte em 1992, a polícia de Vallejo serviu outro mandado e confiscou a propriedade da residência do suspeito.[28]

Outra evidência existia contra Allen foi uma carta enviada ao Departamento de Polícia de Riverside do assassino de Bates foi datilografada com uma máquina de escrever real de um fabricante denominado Elite, a mesma marca encontrada durante a busca em fevereiro de 1991 de sua residência. Ele possuía e usava um relógio de pulso da marca Zodiac. Ele morava em Vallejo e trabalhava a poucos minutos de onde uma das primeiras vítimas (Ferrin) morava e de onde um dos assassinatos ocorreu.[29]

Em 2002, a Departamento de polícia de São Francisco desenvolveu um perfil parcial de DNA da saliva em selos e envelopes das cartas do zodíaco comparando este DNA parcial ao DNA de Arthur Leigh Allen.[30][31] Uma comparação de DNA também foi feita com o DNA de Don Cheney, que era ex-amigo íntimo de Allen e a primeira pessoa a sugerir que Allen pode ser o assassino do zodíaco. Como nenhum dos resultados do teste indicou uma correspondência, Allen e Cheney foram excluídos como contribuintes do DNA, embora não possa ser declarado definitivamente que é o DNA do zodíaco nos envelopes.[32] No entanto, em março de 2018, foi anunciado que a amostra de DNA de 2002 foi coletada fora do selo e não atrás dele, ou do selo do envelope, o que significa que Allen ainda poderia ser um suspeito.[33]

Lloyd Cunningham, policial aposentado especialista em caligrafia, que trabalhou no caso do Zodiac por décadas, acrescentou: "Eles me deram caixas de banana cheias dos escritos de Allen, e nenhum de seus escritos chegou perto do Zodíaco. Nem o DNA extraído dos envelopes". cartas aproximaram-se de Arthur Leigh Allen."[34] Embora a polícia use frequentemente examinadores de documentos durante as investigações, as decisões judiciais sobre a validade científica da análise de caligrafia foram misturadas a negativas.

Suspeitas e especulações públicas[editar | editar código-fonte]

Jack Tarrance[editar | editar código-fonte]

Em 2007, um homem chamado Dennis Kaufman afirmou que seu padrasto Jack Tarrance era o Zodíaco.[35] Kaufman entregou vários itens para o FBI, incluindo um capuz semelhante ao usado pelo zodíaco. Segundo fontes de notícias, a análise de DNA conduzida pelo FBI nos itens foi considerada inconclusiva em 2010.[36]

Outros[editar | editar código-fonte]

Em 2009, um ex-advogado chamado Robert Tarbox (que, em agosto de 1975, foi expulso pela Suprema Corte da Califórnia por não pagar alguns clientes)[37][38] disse que no início dos anos 1970 um comerciante entrou em seu escritório e confessou a ele que ele era o Assassino do Zodíaco. O marinheiro aparentemente lúcido (cujo nome Tarbox não revelaria devido à confidencialidade) descreveu seus crimes de forma breve, porém persuasiva, para convencer Tarbox. O homem disse que estava tentando se impedir de sua onda de assassinatos "oportunistas", mas nunca mais voltou a ver Tarbox. O ex-advogado publicou um anúncio de página inteira no Vallejo Times-Herald, que afirmava que limparia o nome de Arthur Leigh Allen como um assassino, sua única razão para revelar a história trinta anos depois do fato. Robert Graysmith, autor de vários livros sobre o zodíaco, disse que a história de Tarbox era "inteiramente plausível".

Em 2009, um episódio da série de televisão MysteryQuest, do History Channel, examinou o editor de jornais Richard Gaikowski (1936-2004). Durante o período dos assassinatos, Gaikowski trabalhou para o Good Times, um jornal de contracultura de São Francisco. Sua aparência lembra o esboço composto, e Nancy Slover, a despachante policial de Vallejo que foi contatada pelo zodíaco logo após o ataque de Blue Rock Springs, identificou uma gravação da voz de Gaikowski como sendo a mesma do zodíaco.[39]

O detetive aposentado da polícia, Steve Hodel, argumenta em seu livro The Black Dahlia Avenger que seu pai, George Hodel (1907-1999), foi o assassino da Dália Negra, cujas vítimas incluem Elizabeth Short.[40] O livro levou à divulgação de arquivos previamente suprimidos e gravações feitas pelo escritório do promotor público de Los Angeles, que mostrou que ele era o principal suspeito do assassinato de Short. O promotor público Steve Kaye escreveu posteriormente uma carta publicada na edição revisada, declarando que, se George Hodel ainda estivesse vivo, ele seria processado pelos crimes.[41] Em um livro de acompanhamento, Hodel argumentou um caso circunstancial de que seu pai também era o Assassino do Zodíaco baseado em um esboço da polícia, a semelhança do estilo das letras do Zodíaco com as cartas da Dália Negra e questionou o exame do documento.[42]

Em 19 de fevereiro de 2011,o programa America's Most Wanted apresentou uma história sobre o Assassino do Zodíaco. Em 2010, surgiu uma imagem da conhecida vítima do Zodíaco, Darlene Ferrin, e um homem que se assemelha ao esboço composto, formado com base nas descrições de testemunhas oculares, do Assassino do Zodíaco. A polícia acredita que a foto foi tirada em São Francisco em meados de 1966 ou 1967.[43]

O ex-oficial da Polícia Rodoviária da Califórnia, Lyndon Lafferty, disse que o assassino do zodíaco era um homem de 91 anos do condado de Solano, Califórnia, a quem ele chamou pelo pseudônimo de "George Russell Tucker".[44] Usando um grupo de policiais aposentados chamados Mandamus Seven, Lafferty descobriu "Tucker" e um encobrimento por que ele não foi perseguido.[45] "Tucker" morreu em fevereiro de 2012 e não foi nomeado porque não era considerado suspeito pela polícia.[46]

Em fevereiro de 2014, foi relatado que um homem chamado Louis Joseph Myers havia confessado a um amigo em 2001 que ele era o Assassino do Zodíaco, depois de saber que ele estava morrendo de cirrose no fígado. Ele pediu que seu amigo, Randy Kenney, fosse à polícia após sua morte. Myers morreu em 2002, mas Kenney alegadamente teve dificuldades em conseguir que os oficiais cooperassem e levassem as reivindicações a sério. Existem várias conexões potenciais entre Myers e o caso do Zodíaco. Myers frequentou as mesmas escolas secundárias que as vítimas David Farraday e Betty Lou Jensen. Myers supostamente trabalhou no mesmo restaurante que a vítima Darlene Ferrin. Myers também teve acesso ao mesmo tipo de bota militar cuja impressão foi encontrada na cena do crime em Lake Berryessa. Além disso, durante o período de 1971 a 1973, quando nenhuma carta do Zodíaco foi recebida, Myers foi colocado no exterior com os militares. Kenney diz que Myers confessou que ele alvejou casais porque ele teve um mau rompimento com uma namorada. Embora os oficiais associados ao caso sejam céticos, eles acreditam que a história é credível o suficiente para investigar.[47]

Robert Ivan Nichols, também conhecido como Joseph Newton Chandler III, foi um ladrão de identidades que havia se suicidado em Eastlake, Ohio, em julho de 2002. Após sua morte, os investigadores não conseguiram localizar sua família e descobriram que ele havia roubado a identidade de um funcionário de oito anos. Um garoto que foi morto em um acidente de carro no Texas em 1945. Os comprimentos em que Nichols foi para esconder sua identidade levaram à especulação de que ele era um fugitivo. No final de 2016, A U.S. Marshals Service-Cleveland, de Ohio anunciou que o genealogista forense Dr. Colleen Fitzpatrick da Identifinders International comparou o perfil de Y-STR do homem então não identificado com os bancos de dados da genealogia genética Y-STR para determinar se seu possível sobrenome era "Nicholas". Em 2017, Fitzpatrick, juntamente com a Dra. Margaret Press, formou o DNA Doe Project, sem fins lucrativos, que revisitou o caso analisando o DNA autossômico do homem usando a mesma metodologia usada para identificar Marcia King e Lyle Stevik. Em março de 2018, o Projeto DNA Doe identificou o homem como Robert Ivan Nichols. A US Marshals Service anunciou a identificação em uma conferência de imprensa em Cleveland em 21 de junho de 2018. As autoridades acreditavam que ele era algum tipo de fugitivo. Havia muitas teorias sobre o que ele pode estar fugindo, nenhum dos quais foram confirmados. Alguns detetives da internet sugeriram que ele poderia ter sido o assassino do Zodíaco, pois ele se parecia com desenhos policiais do zodíaco e vivia na Califórnia, onde o Zodíaco atuava. Outra teoria era que ele era Steven Campbell, um engenheiro de Cheyenne, Wyoming, procurado por tentativa de homicídio. As autoridades também consideraram que ele poderia ter sido um soldado alemão ou oficial nazista da Segunda Guerra Mundial que escapou para a Estados Unidos.[48][49][50]

Theodore Kaczynski, o Unabomber, já foi pensado para ser o Assassino do Zodíaco.[51]

O Zodíaco também é suspeito de ser o Monstro de Florença.[52][53]

Referências

  1. The Sun (1 de outubro de 2008). «Zodiac Serial Killer Found?» (em inglês) 
  2. CBS 13 (1 de outubro de 2008). «Zodiac Killer's Identity And Weapon Uncovered?» (em inglês) 
  3. Seguin Gazette-Enterprise. «DNA results could tie man to Zodiac case» (em inglês) 
  4. https://www.sfweekly.com/news/yesterdays-crimes-news/yesterdays-crimes-the-zodiac-killers-first-known-victim-died-50-years-ago/
  5. http://www.zodiackiller.com/FerrinMageau.html
  6. https://everipedia.org/wiki/lang_en/darlene-ferrin-and-mike-mageau
  7. https://archive.org/details/zodiac00gray_0/page/4/mode/2up
  8. Graysmith, pág. 54–55.
  9. https://archive.org/details/zodiac00gray/mode/2up
  10. https://archive.org/details/zodiac00gray/mode/2up
  11. http://www.angelfire.com/fl5/zodiac_law/Cecelia&Bryan.html
  12. http://www.zodiackiller.com/Stine.html
  13. https://www.noticiasaominuto.com/mundo/901160/passados-50-anos-assassino-do-zodiaco-pode-ser-finalmente-descoberto
  14. "Police report". Zodiackiller.com. Archived from the original on February 16, 2012. Retrieved May 30, 2010.
  15. https://archive.org/details/zodiac00gray/mode/2up
  16. https://www.pe.com/2016/11/06/after-50-years-zodiac-hunters-police-still-seeking-cheri-jo-bates-killer/
  17. https://www.zodiacciphers.com/zodiac-news/category/donna-lass
  18. http://www.zodiackiller.com/ExorcistLetter.html
  19. https://www.zodiacciphers.com/zodiac-news/category/1978-letter#:~:text=The%20April%2024th%201978%20letter,in%20control%20of%20all%20things%22.
  20. "I am satisfied that Dave Toschi, Bawart, Capt. Conway and Lt. Jim Husted of Vallejo PD were right and that the Zodiac was Arthur Leigh Allen." Robert Graysmith, "The 'Zodiac' Writer Arquivado em 3 de agosto de 2017 no Wayback Machine.", The Washington Post, 9 de março de 2007
  21. Lance Williams (2010) A thank-you note from a Zodiac suspect, CaliforniaWatch.org 30 de novembro de 2010
  22. «Allen's Debut As A Zodiac Suspect». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2017 
  23. «"He said he would call himself the Zodiac", Page 1». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 24 de agosto de 2017 
  24. Jack Mulanax report 8-12-1971 (page 1 of 14) Arquivado em 23 de junho de 2017 no Wayback Machine.
  25. «1972 Search Warrant, Page 1». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de agosto de 2017 
  26. «1974 Sonoma County Sheriff's Department Report, Page 1». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 23 de agosto de 2017 
  27. «1991 Search Results, Page 1». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 14 de julho de 2017 
  28. «1992 Search Warrant Property Report». www.ZodiacKiller.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 16 de agosto de 2017 
  29. «Zodiac Killer: Meet The Prime Suspects». America's Most Wanted. Consultado em 4 de agosto de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2011 
  30. Gafni, Matthias (22 de fevereiro de 2007). «Zodiac revisited: Vallejo police send three letters for DNA testing». Vallejo Times Herald. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 25 de fevereiro de 2007 
  31. «CNN Interview With Kelly Carroll». CNN. 27 de outubro de 2002. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 28 de março de 2007 
  32. Weiss, Mike; DNA seems to clear only Zodiac suspect Arquivado em 27 de dezembro de 2007 no Wayback Machine.; San Francisco Chronicle; 12 de outubro de 2002
  33. «The Zodiac Killer DNA Profile That Never Was». SFWeekly. 21 de março de 2018 
  34. Williams, Lance (19 de julho de 2009), «Another possible Zodiac suspect put forth», San Francisco Chronicle, cópia arquivada em 27 de julho de 2010 
  35. «Zodiac Killer: Meet The Prime Suspects». Amw.com. Consultado em 4 de agosto de 2019. Arquivado do original em 1 de setembro de 2011 
  36. Pickel, Kris (10 de fevereiro de 2010), FBI: Test Results Back For Zodiac Killer Suspect, CBS Sacramento, consultado em 4 de agosto de 2019, cópia arquivada em 13 de fevereiro de 2010 
  37. «Robert Earl Tarbox – #25339». Attorney Search. State Bar of California. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 19 de abril de 2014 
  38. Harrell, Ashley (21 de julho de 2009). «How Many Disbarred Lawyers Does It Take To Solve the Zodiac Murders?». SF Weekly. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 7 de setembro de 2014 
  39. «This is the Zodiac speaking: Will the Zodiac murder cases ever be solved?», Martinez, California, Martinez News-Gazette, 6 de maio de 2010, consultado em 4 de agosto de 2019, arquivado do original em 3 de setembro de 2012 
  40. Hodel, Steve (2006). Black Dahlia Avenger: The True Story. [S.l.]: Harper Paperbacks. ISBN 978-0-06-113961-1 
  41. Lopez, Steve (11 de abril de 2003). "A Startling Take on Black Dahlia Case" Arquivado em 25 de março de 2016 no Wayback Machine.. Los Angeles Times.
  42. Hodel, Steve (2009). Most Evil: Avenger, Zodiac, and the Further Serial Murders of Dr. George Hill Hodel. [S.l.]: Dutton Adult. ISBN 978-0-525-95132-2 
  43. America's Most Wanted, "Fugitive Cases: Zodiac Killer". Television airing 19 de fevereiro de 2011. Link to hi-res photograph Arquivado em 9 de junho de 2012 no Wayback Machine.
  44. Lafferty, Lyndon E. (2005). The Zodiac Killer cover-up : AKA the silenced badge. Vallejo, Calif.: Mandamus Pub. ISBN 9780982936306. OCLC 794978951 
  45. Fagan, Kevin. «Ex-gumshoe's Zodiac book fingers Solano County man». The San Francisco Chronicle. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 17 de julho de 2012 
  46. Fagan, Kevin; Bulwa, Demian (18 de maio de 2012). «Retired CHP gumshoe's Zodiac suspect is dead». San Francisco Chronicle. San Francisco, California. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 20 de maio de 2012 
  47. Noyes, Dan (24 de fevereiro de 2014). «I-Team: Friend confesses to being Zodiac Killer». ABC 7 (KJO-TV) News. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 10 de agosto de 2014 
  48. JJinPhila. «Who Was Joseph Newton Chandler?». centredaily 
  49. http://legacy.wkyc.com/story/news/local/lake-county/2015/09/22/eastlake-man-steals-boy-identity/72599974/
  50. http://www.doenetwork.org/cases/454umoh.html
  51. Fagan, Kevin; Wallace, Bill (14 de maio de 1996). «Kaczynski, Zodiac Killer – the Same Guy?». San Francisco Chronicle. Consultado em 4 de agosto de 2019. Cópia arquivada em 29 de abril de 2011 
  52. «Il Mostro di Firenze è Zodiac. L'"impronta digitale" del serial killer Usa nei delitti in Toscana degli anni 80». 23 de maio de 2018 
  53. Amicone, Francesco (13 de junho de 2018). «Il Mostro di Firenze è Zodiac. Ecco la decifrazione dei codici» 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre criminosos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.