Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo
(APOGLBT)
Fundação 1 de fevereiro de 1999
Estado legal São Paulo
Sítio oficial www.paradasp.org.br

A Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo (abreviada em APOGLBT), é uma entidade civil de direito privada, sem finalidades lucrativas, destituída de natureza partidária ou religiosa, em defesa da diversidade sexual e género, pela promoção da cidadania e auto-estima de indivíduos(as) LGBT, com a missão de lutar por uma sociedade brasileira mais justa e inclusiva, que reconheça direitos iguais para todos os(as) cidadãos(ãs). É a organização não-governamental responsável pela realização do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo, conjunto anual de atividades promovido na capital paulista no qual está incluída a Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, maior manifestação do gênero no mundo[1].

Histórico[editar | editar código-fonte]

Sua trajetória cruza com a da Parada do Orgulho LGBT em São Paulo. Foi fundada em 1999 por militantes oriundos de diversos grupos ativistas, a fim de organizar a manifestação que já era realizada desde 1997, devido ao rápido crescimento do número de participantes em suas três primeiras edições, de 2 mil para 35 mil. A partir de 2001, com a mesma proposta de celebração pública do orgulho, realiza outras atividades, culminando na criação do calendário oficial do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo: o Gay Day, a Feira Cultural LGBT, o Prêmio Cidadania em Respeito à Diversidade e o Ciclo de Debates. Em 2002, passa a organizar em sua sede reuniões temáticas que têm por objetivos a identificação das demandas de cada segmento da comunidade LGBT, a capacitação continuada e a criação de redes de apoio entre os participantes dos grupos e a redução da vulnerabilidade individual. Nos anos seguintes começa a atuar na capacitação de novas lideranças para o movimento, voltando-se para a formação de jovens e adolescentes e a investir na produção de conhecimento, sobretudo com relação à discriminação e violência, a partir de pesquisas realizadas durante as Paradas. Desde 2004, passa a providenciar registros de declaração de convivências homoafetivas em cartório, e atualmente conta com cerca de 200 registros realizados. Em 2006 cria projetos de contenção à homofobia e de prevenção às DST/Aids, passando a prestar acolhimento jurídico e psicológico gratuitamente. Todo esse trabalho rendeu à APOGLBT reconhecimento internacional e, recentemente, em 2008, foi honrada pela Presidência da República com o Prêmio da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH/PR), na categoria “Dorothy Stang - Defensores de Direitos Humanos”.

Atividades Realizadas[editar | editar código-fonte]

Feira cultural no XIII Mês do Orgulho LGBT de São Paulo, em 2009
  • Organização, realização e promoção do Mês do Orgulho LGBT de São Paulo;
  • Mobilização social por direitos, legislação e políticas públicas;
  • Reuniões temáticas abertas;
  • Registro de declaração de convivência homoafetiva;
  • Registro de ocorrências de discriminação e violência;
  • Acolhimento e encaminhamento de casos de discriminação e violência;
  • Capacitação de novos ativistas;
  • Intervenções educativas em locais de freqüência LGBT;
  • Prevenção primária e secundária às DST/Aids e hepatites;
  • Promoção da saúde integral;
  • Intervenções educativas em universidades, escolas e empresas;
  • Suporte a pesquisadores e estudantes;
  • Estágio supervisionado para universitários;
  • Atividades culturais e incentivo à cultura LGBT.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Guinness World Records – Livro dos Recordes Guinness