Ataque aéreo a Bagdá em 12 de julho de 2007

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo está a ser traduzido de «July 12, 2007 Baghdad airstrike» na Wikipédia em inglês (desde abril de 2010). Ajude e colabore com a tradução.
Vídeo liberado pelo Wikileaks dia 5 de abril de 2010.

O ataque aéreo a Bagdá de 12 de julho de 2007 foi realizado por dois helicópteros AH-64 Apache, do exército americano, no distrito de Nova Bagdá durante a ocupação do Iraque. Durante a ofensiva, doze homens foram mortos, incluindo os funcionários da Reuters Saeed Chmagh e Namir Noor-Eldeen, e duas crianças foram seriamente feridas. Os ataques receberam uma ampla cobertura mundial após a divulgação de um vídeo dos ataques pelo site Wikileaks, no dia 5 de abril de 2010, contradizendo a versão do exército americano dada até então. O soldado Bradley Manning foi preso sob a acusação de ter vazado o vídeo.

No primeiro ataque "Crazyhorse 1/8" e "Crazyhorse 1/9" apontou o canhão M230 de 30mm e abriu fogo contra um grupo de nove a onze homens[1] dos quais um deles carregava uma AK-47 e outro um RPG-7;[2][3][4][5] a maioria estava desarmada;[6][7] dois eram correspondentes de guera para a Reuters: Saeed Chmagh e Namir Noor-Eldeen, cujas câmeras foram confundidas por armamentos. Oito[8] homens, incluindo Noor-Eldeen, foram assassinados; Chmagh sofreu ferimentos.

O segundo ataque aéreo usando armamento de 30mm fogo foi dirigido a Chmagh e outros dois homens desarmados que tentavam ajudar Chmagh com a sua carrinha. Duas crianças dentro da carrinha ficaram feridas, mais três homens foram mortos, incluindo Chmagh e o pai das crianças.[1]

Num terceiro ataque aéreo da equipa, o helicóptero disparou três mísseis AGM-114 Hellfire para destruir um edifício depois de terem observado homens entrar, alguns dos quais pareciam estar armados.[9][10] [11]

A Reuters, sem sucesso, solicitou as imagens dos ataques aéreos sob o Freedom of Information Act em 2007. O filme foi adquirido a partir de uma fonte não revelada em 2009 pelo website WikiLeaks, que divulgou as imagens no dia 5 de abril de 2010, sob o nome Collateral Murder. Gravado a partir da mira do Target Acquisition and Designation System (Sistema de Aquisição e Designação de alvo) de um dos helicópteros de ataque, o vídeo mostra os três incidentes e as conversas de rádio entre as tripulações e unidades terrestres envolvidas. Um oficial militar dos EUA anónimo confirmou a autenticidade das imagens.[12]

Contexto[editar | editar código-fonte]

De acordo com Tom Cohen, um repórter da CNN "os soldados da Companhia de Infantaria Bravo 2-16 tinha estado sob fogo durante toda a manhã, proveniente de granadas propelidas por foguetes e armas pequenas no primeiro dia da Operação Ilaaj em Bagdá".[13] A Al Jazeera afirmou que o Exército recebeu "relatos de pequenas armas de fogo", mas foram incapazes de identificar positivamente os pistoleiros. Helicópteros Apache foram chamados por um soldado no Humvee (Hotel 2/6) sob o ataque da mesma posição usada por Namir Noor-Eldeen para fotografar o veículo.[14] De acordo com uma revisão militar, os soldados daquela companhia "tinham estado sob esporádico fogo de armas pequenas e foguetes de granada propelida uma vez que "a operação - descrita como "limpar seu setor e procurar esconderijos de armas" - começou.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Military's Killing of 2 Journalists in Iraq Detailed in New Book». The Washington Post [S.l.: s.n.] 2009-09-15. 
  2. Fishel, Justin (2010-04-07). «Military Raises Questions About Credibility of Leaked Iraq Shooting Video». Fox News [S.l.: s.n.] Consultado em 2010-04-07. «at least one man was carrying an AK-47 assault rifle. He is seen swinging the weapon below his waist while standing next to the man holding the RPG.» 
  3. Wired (redacted internal US Army report into aftermath) [S.l.: s.n.] http://www.wired.com/images_blogs/dangerroom/2010/04/6-2nd-brigade-combat-team-15-6-investigation.pdf.  Falta o |titulo= (Ajuda)
  4. Gould, Joe (06-12). «2 journalists died in attack captured on leaked video». Navy Times [S.l.: s.n.] 
  5. Sheridan, Michael (2010-06-21). «Army Soldier: I saw RPG, AK-47s at scene in leaked WikiLeaks video; attack was 'appropriate'». New York Daily News [S.l.: s.n.] 
  6. Lefkow, Chris (2010-04-05). «Video posted of Apache strike which killed Reuters employees». Agence France-Presse [S.l.: s.n.] Consultado em 2012-06-18. 
  7. Updated: (2010-04-06). «US military slayed unarmed Iraqi reporters» The Australian [S.l.] Consultado em 2011-05-19. 
  8. «Video Appears to Show U.S. Forces Firing on Unarmed Suspects in Baghdad». Fox News [S.l.: s.n.] 2010-04-05. 
  9. by Christopher Dickey (April 7, 2010). «WikiLeaks Video: What the Iraq War Looks Like». Newsweek. Consultado em 2011-05-19. 
  10. Khatchadourian, Raffi (2010-04-07). «The Use of Force». The New Yorker. Consultado em 2010-04-08. 
  11. Alexander, David (2010-04-05). «Leaked U.S. video shows deaths of Reuters' Iraqi staffers» Reuters [S.l.] Consultado em 2010-04-07. 
  12. Cohen, Tom (2010-04-07). «Leaked video reveals chaos of Baghdad attack» CNN [S.l.] Consultado em 2010-04-07. «The two photojournalists were Saeed Chmagh and Namir Noor-Eldeen. ... Chmagh surviving the initial shooting, but apparently he died when the gunship opened fire on people attempting to get him to a van that arrived, apparently to collect the wounded.» 
  13. «Collateral Murder?». Al Jazeera English. 2010-04-15. Consultado em 2010-04-22. 
  14. «Gates said leaked military video of shooting in Iraq doesn't show the broader picture of Americans being fired upon». PolitiFact. Consultado em 2011-05-19.