Ataque aéreo a Bagdá em 12 de julho de 2007

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo está a ser traduzido de «July 12, 2007 Baghdad airstrike» na Wikipédia em inglês (desde abril de 2010). Ajude e colabore com a tradução.
Vídeo liberado pelo Wikileaks dia 5 de abril de 2010.

O ataque aéreo a Bagdá de 12 de julho de 2007 foi realizado por dois helicópteros AH-64 Apache, do exército americano, no distrito de Nova Bagdá durante a ocupação do Iraque. Durante a ofensiva, doze homens foram mortos, incluindo os funcionários da Reuters Saeed Chmagh e Namir Noor-Eldeen, e duas crianças foram seriamente feridas. Os ataques receberam uma ampla cobertura mundial após a divulgação de um vídeo dos ataques pelo site Wikileaks, no dia 5 de abril de 2010, contradizendo a versão do exército americano dada até então. O soldado Bradley Manning foi preso sob a acusação de ter vazado o vídeo.

No primeiro ataque "Crazyhorse 1/8" e "Crazyhorse 1/9" apontou o canhão M230 de 30mm e abriu fogo contra um grupo de nove a onze homens[1] dos quais um deles carregava uma AK-47 e outro um RPG-7;[2][3][4][5] a maioria estava desarmada;[6][7] dois eram correspondentes de guerra para a Reuters: Saeed Chmagh e Namir Noor-Eldeen, cujas câmeras foram confundidas por armamentos. Oito[8] homens, incluindo Noor-Eldeen, foram assassinados; Chmagh sofreu ferimentos.

O segundo ataque aéreo usando armamento de 30mm fogo foi dirigido a Chmagh e outros dois homens desarmados que tentavam ajudar Chmagh com a sua carrinha. Duas crianças dentro da carrinha ficaram feridas, mais três homens foram mortos, incluindo Chmagh e o pai das crianças.[1]

Num terceiro ataque aéreo da equipa, o helicóptero disparou três mísseis AGM-114 Hellfire para destruir um edifício depois de terem observado homens entrar, alguns dos quais pareciam estar armados.[9][10] [11]

A Reuters, sem sucesso, solicitou as imagens dos ataques aéreos sob o Freedom of Information Act em 2007. O filme foi adquirido a partir de uma fonte não revelada em 2009 pelo website WikiLeaks, que divulgou as imagens no dia 5 de abril de 2010, sob o nome Collateral Murder. Gravado a partir da mira do Target Acquisition and Designation System (Sistema de Aquisição e Designação de alvo) de um dos helicópteros de ataque, o vídeo mostra os três incidentes e as conversas de rádio entre as tripulações e unidades terrestres envolvidas. Um oficial militar dos EUA anónimo confirmou a autenticidade das imagens.[12]

Contexto[editar | editar código-fonte]

De acordo com Tom Cohen, um repórter da CNN "os soldados da Companhia de Infantaria Bravo 2-16 tinha estado sob fogo durante toda a manhã, proveniente de granadas propelidas por foguetes e armas pequenas no primeiro dia da Operação Ilaaj em Bagdá".[13] A Al Jazeera afirmou que o Exército recebeu "relatos de pequenas armas de fogo", mas foram incapazes de identificar positivamente os pistoleiros. Helicópteros Apache foram chamados por um soldado no Humvee (Hotel 2/6) sob o ataque da mesma posição usada por Namir Noor-Eldeen para fotografar o veículo.[14] De acordo com uma revisão militar, os soldados daquela companhia "tinham estado sob esporádico fogo de armas pequenas e foguetes de granada propelida uma vez que "a operação - descrita como "limpar seu setor e procurar esconderijos de armas" - começou.[15]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Military's Killing of 2 Journalists in Iraq Detailed in New Book». The Washington Post. 15 de setembro de 2009 
  2. Fishel, Justin (7 de abril de 2010). «Military Raises Questions About Credibility of Leaked Iraq Shooting Video». Fox News. Consultado em 7 de abril de 2010. at least one man was carrying an AK-47 assault rifle. He is seen swinging the weapon below his waist while standing next to the man holding the RPG. 
  3. Wired (redacted internal US Army report into aftermath) http://www.wired.com/images_blogs/dangerroom/2010/04/6-2nd-brigade-combat-team-15-6-investigation.pdf  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  4. Gould, Joe (06-12). «2 journalists died in attack captured on leaked video». Navy Times  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. Sheridan, Michael (21 de junho de 2010). «Army Soldier: I saw RPG, AK-47s at scene in leaked WikiLeaks video; attack was 'appropriate'». New York Daily News 
  6. Lefkow, Chris (5 de abril de 2010). «Video posted of Apache strike which killed Reuters employees». Agence France-Presse. Consultado em 18 de junho de 2012 
  7. Updated: (6 de abril de 2010). «US military slayed unarmed Iraqi reporters». The Australian. Consultado em 19 de maio de 2011 
  8. «Video Appears to Show U.S. Forces Firing on Unarmed Suspects in Baghdad». Fox News. 5 de abril de 2010 
  9. by Christopher Dickey (7 de abril de 2010). «WikiLeaks Video: What the Iraq War Looks Like». Newsweek. Consultado em 19 de maio de 2011 
  10. Khatchadourian, Raffi (7 de abril de 2010). «The Use of Force». The New Yorker. Consultado em 8 de abril de 2010 
  11. Alexander, David (5 de abril de 2010). «Leaked U.S. video shows deaths of Reuters' Iraqi staffers». Reuters. Consultado em 7 de abril de 2010 
  12. Cohen, Tom (7 de abril de 2010). «Leaked video reveals chaos of Baghdad attack». CNN. Consultado em 7 de abril de 2010. The two photojournalists were Saeed Chmagh and Namir Noor-Eldeen. ... Chmagh surviving the initial shooting, but apparently he died when the gunship opened fire on people attempting to get him to a van that arrived, apparently to collect the wounded. 
  13. «Collateral Murder?». Al Jazeera English. 15 de abril de 2010. Consultado em 22 de abril de 2010 
  14. «Gates said leaked military video of shooting in Iraq doesn't show the broader picture of Americans being fired upon». PolitiFact. Consultado em 19 de maio de 2011