Atenodoro de Tarso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde Novembro de 2013).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Atenodoro de Tarso
Nascimento Século I a.C.
Tarso
Morte Século I a.C.
Cidadania Roma Antiga
Progenitores Pai:Sandon
Ocupação historiador, filósofo
Movimento estético Estoicismo

Atenodoro de Tarso ou Atenodoro Cananita (em grego: , ca. 74 a.C.7) foi um filósofo estoico. Nasceu em Canana, perto de Tarso (no que é hoje a Turquia).[carece de fontes?] O seu pai foi Sandon.[1] Foi aluno de Posidónio de Rodes, e professor de Otaviano (futuro Augusto) em Apolónia.

Em 44 a.C., seguiu Otaviano até Roma e continuou a ser seu mentor. Mais tarde regressou a Tarso, onde foi importante na expulsão do governo de Beto e a escrever uma nova constituição para a cidade, resultando numa oligarquia pró-romana.

Plínio,  o Jovem no diz que alugou uma casa assombrada em Atenas. Atenodoro terá estranhado o preço oferecido, muito barato para o tamanho. Quando se encontrava a escrever um livro, de noite, diz-se que lhe terá aparecido um fantasma. O fantasma, com correntes, pediu a Atenodoro que o seguisse e levou-o até um pátio, onde desapareceu. O filósofo marcou o lugar e no dia seguinte, com a permissão dos magistrados da cidade, cavou a terra nesse local e encontrou um esqueleto de um velho acorrentado. Uma vez propriamente enterrado, diz-se que o fantasma não voltou a aparecer..[2]

Estrabão, Cícero, e Eusébio de Cesareia apreciavam-no muito. As obras atribuídas a Atenodoro são:

  • Uma obra contra as Categorias de Aristóteles (por vezes creditado a Atenodoro Cordílio).
  • Uma história de Tarso.
  • Uma obra dedicada a Octávia.[3]
  • Uma obra intitulada Sobre o zelo e a juventude (περί σπουδη̃ς και παιδείας).
  • Uma obra intitulada Discursos (περίπατοι).

Referências

  1. Estrabão, Geografia, Livro XIV, Capítulo 3, 14 [fr] [en] [en] [en]
  2. Plínio, o Jovem (1909–14). «LXXXIII. To Sura». In: Charles W. Eliot. Letters, by Pliny the Younger; translated by William Melmoth; revised by F. C. T. Bosanquet. Col: The Harvard Classics. 9. New York: P.F. Collier & Son 
  3. Plutarco: Vida de Publícola 17.