Antípatro de Tiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Antípatro de Tiro (em grego: Ἀντίπατρος; século a.C.) foi um filósofo estoico, contemporâneo de Marco Pórcio Catão Uticense e Cícero.[1]Diz-se que Antípatro se tornou amigo de Catão quando este era jovem.[2] Parece ser o mesmo Antípatro de Tiro que é mencionado por Estrabão.[3]

Viveu depois, ou pelo menos era mais novo que Panécio de Rodes. Cícero,[4] falando dele, diz que morreu "recentemente em Atenas", o que significaria pouco tempo depois de 45 a.C.. A partir desta passagem pode ser inferido que Antípatro escreveu uma obra intitulada "Sobre os Deveres" (em latim: de Officiis), e Diógenes Laércio [5] refere-se a uma obra escrita por Antípatro denominada "Sobre o Cosmos" (em grego: περὶ κόσμου):

Todo o mundo é um ser vivo, possuidor de alma e razão, e tendo o éter com o seu princípio regulador: assim diz Antípatro de Tiro no livro oitavo do seu tratado "Sobre o Cosmos'.
Diógenes Laércio, vii. 139

Referências

  1. Leonhard Schmitz afirmou (William Smith, Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (1867) Page 204) que o Antípatro de Tiro que foi amigo de Catão, era um diferente e anterior ao que era mencionado por Cícero. Schmitz não explica porquê; pode ter pensado (incorrectamente) que um professor de Catão não poderia ter vivido até 45 a.C.
  2. Plutarco, Catão, o Jovem. 4.
  3. Strabo, 16. 2. 24
  4. Cicero, de Officiis, ii. 24
  5. Diógenes Laércio, The Lives and Opinions of Eminent Philosophers, vii. 139, 142, 148

Este artigo contém texto do Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (em domínio público), de William Smith (1870).