Atentado de julho de 1889

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Atentado de Julho
Gravura no jornal francês Le Monde illustré sobre o atentado, de 21 de setembro de 1889, junto com um retrato de Adriano do Valle
Local Praça da Constituição, Rio de Janeiro
Data 15 de julho de 1889 (133 anos)
Alvo(s) Pedro II do Brasil
Arma(s) revólver
Mortes 0
Feridos 0
Responsável(is) Adriano Augusto do Valle

O Atentado de Julho foi uma tentativa de assassinato contra o imperador brasileiro, Dom Pedro II, em 15 de julho de 1889.

Ocorreu na atual Praça Tiradentes, após a saída do imperador do concerto da violinista Giulietta Dionesi no Teatro Sant'Anna (hoje Teatro Carlos Gomes), no Rio de Janeiro, capital do Império. Enquanto saía, D. Pedro foi surpreendido por um jovem bem vestido que atirou contra a carruagem do imperador com gritos enaltecendo a república, porém, não conseguiu atingir o monarca. O atirador conseguiu fugir, porém, foi mais tarde capturado pela polícia e reconhecido como Adriano Augusto do Valle. Durante o momento de sua prisão, estava embriagado em um bar, onde diante de outros fregueses, vangloriava-se de ter atirado contra o imperador. Também afirmava que o faria de novo, por ter errado o disparo.[1]

O imperador, apesar do ocorrido, decidiu não levar o processo adiante, pois o objetivo do imperador era impedir uma grande repercussão do ocorrido e com isto, o movimento republicano ganhar mais moral e destaque, além, de impedir futuros atentados.[2]

Atentando contra o imperador do Brasil, ocorrido noite de 15 para 16 de julho de 1889 (revista portuguesa O Ocidente de 11 de agosto de 1889).

Local[editar | editar código-fonte]

O tiro foi disparado após a carruagem imperial ter partido do Teatro Sant'Anna (hoje Teatro Carlos Gomes), enquanto passava em frente ao restaurante Maison Moderne na Praça da Constituição (atual Praça Tiradentes), entre a rua Espírito Santo (atual Rua Pedro I) e a Travessa da Barreira (atual Rua Silva Jardim). Em seguida a carruagem seguiu pela Rua da Carioca em direção ao Paço Imperial.[3]

O autor[editar | editar código-fonte]

Adriano Augusto do Valle, nascido em Portugal, era um caixeiro desempregado. Tinha 20 anos.[4] Apesar dos gritos que enalteciam a república, Adriano não possuía qualquer ligação com o movimento republicano.[5]

Adriano faleceu no dia 30 de Março de 1903, com 36 anos de idade, viúvo, agrimensor, residindo no município de Miracema, noroeste do estado do Rio de Janeiro, de tuberculose pulmonar, sendo sepultado no cemitério público de Miracema.[6]

Reações[editar | editar código-fonte]

O atentado foi condenado pelo líder do Partido Republicano, Quintino Bocaiuva, por meio do jornal O Paiz, assim como por outros órgãos de imprensa republicanos como a Gazeta da Tarde e a República Brazileira. O incidente causou polêmica em torno da imigração no Brasil, em crescimento durante a década de 1880. Devido à nacionalidade do acusado, o embaixador de Portugal no Brasil, Nogueira Soares, convocou uma reunião para discutir sobre o atentado. Associações portuguesas lançaram uma nota de repúdio ao ataque, e a diretoria do Liceu Literário Português anunciou seu total desacordo com o ato.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Fialho, Anfriso. História da fundação da República no Brasil. [S.l.: s.n.] p. 65 
  2. «Julho de 1889 - atentado contra D. Pedro II. Tribunal da Relação de Ouro Preto e seu apoio ao Imperador» (PDF). Tribunal de Justiça do Estado de Minas Gerais. Outubro–dezembro de 2007. Consultado em 19 de março de 2019 
  3. a b Brasiliana Fotográfica (15 de julho de 2020). «Após encantar-se com Molière e Giulietta Dionesi, o imperador Pedro II sofre um atentado». Consultado em 18 de fevereiro de 2021 
  4. https://www.encontro2018.rj.anpuh.org/resources/anais/8/1528452552_ARQUIVO_AtentadocontraDPedroII-GeorgeVidipo-Anpuh2018II.pdf
  5. Gomes, Laurentino (23 de julho de 2013). 1889: Como um imperador cansado, um marechal vaidoso e um professor injustiçado contribuíram para o fim da Monarquia e a Proclamação da República no Brasil. [S.l.]: Globo Livros. p. 256 
  6. www.familysearch.org - Livro 4 - Óbitos 1902, Jul-1905, Nov - Pagina 55v
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.