Baltazar de Moraes de Antas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Assinatura de Baltazar de Moraes de Antas
Brasão de armas da família Antas

Baltazar de Moraes de Antas, natural de Mogadouro em Portugal, nascido por volta de 1535, falecido em data anterior a 1600, moço de Câmara da Casa Real[1], foi um dos antigos moradores da cidade de São Paulo, pertencia as ilustres casas medievais dos Antas e dos Moraes, era ainda descendente dos senhores feudais de Vimioso, da honra de Távora, do Paço de Antas, e de Bragança, e por estes descendente direto de reis como Carlos Magno, e Fernando I de Leão. Passou ao Brasil e se estabeleceu em São Paulo onde em 1578 foi eleito Juiz Ordinário, sua eleição foi contestada, mas tomou posse em 30 de janeiro de 1579, por ter o ouvidor Tristão de Oliveira decidido a seu favor, é provável que suspeitas foram levantadas quanto a origem de Baltazar, alegando ser ele um cristão-novo. Baltazar então larga seu posto e retorna a Portugal em sua cidade natal para reunir provas que comprovem ser ele cristão-velho de conhecida e nobre linhagem. Em Portugal vai até sua terra natal, para tirar um instrumento de pureza de sangue, e de comprovação de filiação, e pede o mesmo instrumento que pertenceu ao seu irmão Belchior de Moraes de Antas. Baltazar em seu caminho de volta ao Brasil os faz reconhecer em diversas vilas de Portugal e do Brasil, em 14 de novembro de 1579 reconhece os documentos em Mogadouro, em 23 de novembro, em Torre de Moncorvo, em 5 de dezembro, em Monxagate, em 10 de dezembro, em Mirandela, em 11 de dezembro em Vila Pouca, em 15 de dezembro no Porto, em 17 de junho de 1580, em Funchal, na Ilha da Madeira, e por fim, em 23 de novembro de 1580, na Bahia[2], sendo esta a última notícia que se tem de Baltazar. Ele nunca registrou os documentos em São Vicente, os papéis só foram registrados pela primeira vez pelo seu filho Pedro de Moraes de Antas, em 1600, onde é declarado que Baltazar já era falecido[3]. É o patriarca da tradicional família Moraes de São Paulo, e dentre seus incontáveis descendentes se destacam vários membros da nobreza do Brasil Império, e também ex-presidentes da república. [4]

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho de Pedro de Moraes (c. 1500), escrivão da Câmara e das sisas de Mogadouro, no reinado de D. João III e de Inês Navarro de Antas (c. 1512), neto paterno de Francisco Rodrigues de Moraes, e neto materno de Nuno Navarro e de Isabel Mendes de Antas (c. 1492)[5]. Segundo Manuel José da Costa Felgueiras Gayo em sua obra Nobiliário das Famílias de Portugal foi Baltazar casado com Maria da Fonseca,[6] no entanto, esta era a esposa de seu irmão Belchior de Moraes de Antas[7]. Casou-se com Beatriz Rodrigues Anes, filha de Joane Anes Sobrinho e Maria Gonçalves, tiveram 6 filhos cuja descendência é descrita por Luiz Gonzaga da Silva Leme em sua obra Genealogia Paulistana no Vol. VII, Tít. Moraes:[8]

  • Pedro de Moraes de Antas, casado com Leonor Pedroso, filha de Estêvão Ribeiro (Baião Parente) e de sua mulher Madalena Fernandes [9] ;
  • Baltazar de Moraes de Antas, o moço, casado com Inês Rodrigues, filha de Domingos Gonçalves da Maia e de sua 2ª mulher Mécia Rodrigues[10];
  • Ana de Moraes de Antas, casada 1ª vez com Pantaleão Pedroso, irmão de Leonor Pedroso supra, e 2ª vez com Francisco Velho[11];
  • Isabel de Moraes, casada com Luís Fernandes, o velho[12];
  • Antônia de Moraes, casada com Manuel de Soveral[13];
  • Maria de Moraes, que em 1590 teve como procurador, o marido de sua irmã Manuel de Soveral, sem mais notícias[14].

Referências

  1. Manuel Abranches de Soveral. «Baltazar de Moraes de Antas». Base de Dados Genealógica Roglo. Consultado em 31 de maio de 2015 
  2. Regina Moraes Junqueira. «O Instrumento de Baltazar de Moraes». Projeto Compartilhar. Consultado em 31 de maio de 2015 
  3. Regina Moraes Junqueira. «Registro Geral da Câmara Municipal de São Paulo 1661-1709» (PDF). Projeto Compartilhar. Consultado em 31 de maio de 2015 
  4. Francisco Doria. «Antas de Morais» (PDF). Consultado em 3 de novembro de 2015 
  5. Manuel Abranches de Soveral. «Pedro de Moraes». Base de Dados Genealógica Roglo. Consultado em 31 de maio de 2015 
  6. Manuel José da Costa Felgueiras Gayo, Nobiliário das Famílias de Portugal
  7. «Brasão de armas e outros documentos relativos a Manuel de Moraes Faria Antas da Silva». Arquivo Nacional Torre do Tombo. Consultado em 31 de maio de 2015 
  8. Pedro Taques/Luíz Gonzaga da Silva Leme, Genealogia Paulistana, Tít. Moraes, Vol. VII, pág. 3
  9. Pedro Taques/Luíz Gonzaga da Silva Leme, Genealogia Paulistana, Tít. Moraes, Vol. VII, pág. 4
  10. Pedro Taques/Luíz Gonzaga da Silva Leme, Genealogia Paulistana, Tít. Garcias Velhos, Vol. VII, pág. 451
  11. Pedro Taques/Luíz Gonzaga da Silva Leme, Genealogia Paulistana, Tít. Moraes, Vol. VII, pág. 134
  12. Pedro Taques/Luíz Gonzaga da Silva Leme, Genealogia Paulistana, Tít. Moraes, Vol. VII, pág. 165
  13. Manuel Abranches de Soveral. «Antónia de Moraes». Base de Dados Genealógica Roglo. Consultado em 08 de novembro de 2017
  14. Manuel Abranches de Soveral. «Maria de Moraes». Base de Dados Genealógica Roglo. Consultado em 08 de novembro de 2017

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.