Banho de sangue de Estocolmo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ilustração do banho de sangue de Estocolmo, Novembro de 1520

O Banho de sangue de Estocolmo - em sueco Stockholms blodbad - foi um massacre que ocorreu em 1520 na praça Stortorget em Estocolmo, a seguir à invasão da Suécia pelas forças dinamarquesa de Cristiano II da Dinamarca, o monarca soberano da União de Kalmar, a que pertencia a Suécia.[1][2][3]

O massacre propriamente dito é a série de acontecimentos violentos que se produziram entre 7 e 9 de Novembro de 1520, com o ponto culminante na execução de uma centena de pessoas (principalmente dos membros da nobreza e do clero que apoiavam Sten Sture, o Jovem), apesar da promessa de Cristiano II de uma amnistia.[1][4]
Através desta chacina, Cristiano II consolidou o seu poder na Suécia. Desta forma, a União de Kalmar poderia, com a ajuda da Holanda, fazer frente à Liga Hanseática.[3]

Referências

  1. a b Ernby, Birgitta; Martin Gellerstam, Sven-Göran Malmgren, Per Axelsson, Thomas Fehrm (2001). «Stockholms blodbad». Norstedts första svenska ordbok (em sueco). Estocolmo: Norstedts ordbok. p. 626. 793 páginas. ISBN 91-7227-186-8 
  2. Thomas Magnusson e Peter A. Sjögren (2004). «Stockholms blodbad». Vad varje svensk bör veta (em sueco). Estocolmo: Albert Bonniers Förlag e Publisher Produktion AB. p. 78. 654 páginas. ISBN 91-0-010680-1 
  3. a b Larsson, Lars-Ove (1993). «Vasatiden». Vem är vem i svensk historia. Från år 1000 till 1900 (em sueco). Estocolmo: Prisma. p. 35. 208 páginas. ISBN 91-518-3427-8 
  4. Harrison, Dick (2002). «Stockholms blodbad». Sveriges historia medeltiden (em sueco). Estocolmo: Liber. p. 339-341. 384 páginas. ISBN 91-47-05115-9 

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Banho de sangue de Estocolmo