Bartholinite

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bartholinite, cisto inchado rosa no lábio direito.

Bartholinite ou cisto de Bartholin é a inflamação das glândulas de Bartholin, que são casta acessórias dos lábios maiores da vulva. Afetam 2% das mulheres em algum momento de suas vidas. Podem formar abscessos.[1]

Não confundir "cisto genital inflamado" com cistite(bexiga inflamada), a infecção urinária mais frequente.

Causas[editar | editar código-fonte]

A bartholinite geralmente é causada por bactérias da flora bacteriana normal da pele como estafilococos e estreptococos (bactérias que são sexualmente transmissíveis) quando algo obstruí o ducto de saída da glândula.

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Normalmente a glândulas de Bartholin produzem muco para lubrificar a vagina e se localizam de cada lado da vulva. Quando se inflama se torna uma massa inchada, quente, vermelha e muito dolorosa que pode doer ao caminhar ou estar sentada e especialmente durante a relação sexual (dispareunia).[2]

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Normalmente feito por um ginecologista, mas pode ser feito por um dermatologista, cirurgião ou por um médico clínico observando o cisto inflamado na vulva. Algumas vezes se faz biópsia para diferenciá-lo de um lipoma, papiloma, cancro duro, cancro mole ou em mulheres idosas, de um câncer de vulva.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Os casos menos dolorosos podem ser tratado apenas com “banhos de assento” com água quente (35ºC) quatro vezes ao dia. Geralmente os banhos proporcionam algum alívio e podem ajudar a localizar a infecção e mesmo precipitar a drenagem espontânea. Normalmente melhora em 3 a 4 dias. A dor pode ser tratada com anti-inflamatórios como ibuprofeno. Contudo, nem sempre ocorre a resolução do problema, uma vez que o orifício da glândula é muito pequeno e se fecha rapidamente, fazendo a drenagem difícil. O pus pode ser drenado com um catéter.[3]

Se a cateterização não resolver, se indica a drenagem através de uma incisão cirúrgica, que pode ser realizada com anestesia local num consultório médico. Podem ser prescritos antibióticos, mas, geralmente, não são necessários se o abcesso for drenado corretamente.

Pode ser considerado o procedimento de abertura permanentemente a glândula (marsupialização) em mulheres com abscessos recorrentes. Uma pequena abertura para facilitar a drenagem é cirurgicamente criada.

Evolução e prognóstico[editar | editar código-fonte]

A probabilidade de uma recuperação completa é bastante alta. Pode haver o desenvolvimento de um cisto do ducto de Bartholin se o fluido purulento do abscesso for "encarcerado" nos tecidos adjacentes. Outras complicações são raras.

Referências

  1. Omole, Folashade; Simmons, Barbara J.; Hacker Yolanda (2003). "Management of Bartholin's duct cyst and gland abscess". American Family Physician. 68 (1): 135–40. PMID 12887119.
  2. Lee, M. Y; Dalpiaz, A; Schwamb, R; Miao, Y; Waltzer, W; Khan, A (2015). "Clinical Pathology of Bartholin's Glands: A Review of the Literature". Current Urology. 8 (1): 22–25. doi:10.1159/000365683. PMC 4483306.
  3. Bartholin's cyst from BestPractice, BMJ Publishing Group. Last updated: Apr 26, 2013