Base Aérea de Sintra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Demonstração de helicópteros na Base Aérea N.º 1

A Base Aérea de Sintra MHTE, oficialmente denominada Base Aérea N.º 1 (BA1) – base primeira da Força Aérea Portuguesa – é considerada por todos o “berço da Aeronáutica Militar em Portugal”.

É um aeródromo da Força Aérea Portuguesa situado na localidade da Granja do Marquês no concelho de Sintra[1].

A 8 de Maio de 2005 foi feita Membro-Honorário da Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.[2]

Actualmente as unidades aéreas ali estacionadas estão sobretudo vocacionadas para a instrução de Pilotos Aviadores.

No interior das instalações do complexo está localizado:

Meios aéreos actuais[editar | editar código-fonte]

Esquadra 101 - "Roncos"

Opera as aeronaves Aérospatiale Epsilon-TB 30, que tem como missão principal ministrar instrução elementar e básica de pilotagem, e como missão secundária executar testes de selecção em vôo aos candidatos a cursos de pilotagem.

Esquadra 802 - "Águias"

Opera as seguintes aeronaves:

Schleicher ASK 21, planador bilugar de elevada performance e grande manobrabilidade que embora satisfazendo as necessidades ligadas à instrução básica está, pelas suas características, fundamentalmente vocacionado para actividades avançadas do vôo à vela, ao nível de competição. É pois um planador que deve ser essencialmente utilizado para a execução de manobras acrobáticas. O ASK-21 é operado pelo Departamento de Actividades Aéreas do Corpo de Alunos da Academia da Força Aérea.

De Havilland Canada DHC-1 Chipmunk (modificado)

Avião bilugar em tandem, metálico, com trem fixo e travões hidráulicos de disco, dotados de duplo comando. Foi utilizado pela FAP para instrução elementar de pilotagem podendo, pelas suas características de vôo fazer toda a acrobacia e, em boas condições meteorológicas, vôo nocturno e por instrumentos.

Das cerca de 30 unidades que a Força Aérea dispunha, foram seleccionadas 7 unidades que, com vista à execução de missões de reboque de planadores da AFA, foram submetidas a várias modificações, como remotorização mais potente (145 HP para 180 HP); novo bloco de travões; novo rádio; transponder; derivas anti-vrille e pintura original da instrução na Força Aérea, com inscrição e emblema da Academia da Força Aérea.

L-23 Super Blanik - Abatido 2014

Planador mono e bilugar, de instrução que, pela sua simplicidade e robustez, está especialmente vocacionado para a iniciação ao vôo planado que é dirigida primariamente para a realização de circuitos entre a largada do reboque e a aterragem. Possui equipamento e instrumentação completa em ambos os cockpits. O L-23 Super Blanik é operado pelo Departamento de Actividades Aéreas do Corpo de Alunos da Academia da Força Aérea.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • SEREJO, Carlos, Granja do Marquês, Berço da Aeronáutica Militar Portuguesa, editada pela Força Aérea Portuguesa, 2009 - ISBN 978-972-99933-4-3.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Base Aérea nº 1 - Sintra». Consultado em 15 de abril de 2011 
  2. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Base Aérea Nº 1". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 27 de novembro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]