Esquadra 501

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Esquadra 501 - "Bisontes"
Esquadra 501.png
País Portugal Portugal
Tipo de unidade Esquadra
Ramo Força Aérea Portuguesa
Criação 1977
Divisa Onde necessário, quando necessário.
História
Condecorações Ordem Militar de Avis
Comando
Comandante Major Frederico Alexandre Gomes de Sousa
Sede
Base Base Aérea N.º 6

A Esquadra 501 "Bisontes" é uma esquadra da Força Aérea Portuguesa, que se encontra sediada na Base Aérea nº6 no Montijo. A sua missão consiste na execução de operações de transporte aéreo e de busca e salvamento.[1]

Tendo realizado mais de 75 mil horas de voo, a Esquadra 501, através das excecionais capacidades da aeronave que opera (Hércules C-130), dá garantia ao Estado português para poder projetar a sua vontade em qualquer ponto do Mundo, sob quaisquer condições.

História[editar | editar código-fonte]

Esta esquadra, com a atual designação, iniciou a sua atividade em 1977, ano da chegada do primeiro C-130H, aeronave que, depois de apurados estudos, se revelou a que melhor se adaptava às necessidades da Força Aérea Portuguesa.

Paraquedistas embarcam um C-130 da Esquadra 501.Na cauda do avião, é visível uma pintura alusiva às 70.501 horas de voo da esquadra.

Pode dizer-se que o transporte aéreo militar teve o seu início com o exercício Himba, realizado em 1959, que previa uma ponte aérea para as províncias ultramarinas. Com a crescente instabilidade em África e com os resultados do exercício anterior, surgiu a necessidade de remodelação dos transportes aéreos. Fruto dessa situação, surgiram dois agrupamentos: um a voar Skymaster e Dakota no AB1, Portela, e outro a voar DC6 no Montijo. Foi, posteriormente, com a saída do serviço efetivo do DC6 e com a transferência da aeronave Boeing 707 que se evidenciou a necessidade de se adquirir outra aeronave. Em resultado, foi criada a esquadra 501, dando-se início à operação com o Hércules C-130H.

Fruto das suas valências, a esquadra está qualificada para executar missões nos mais diversificados, complexos e delicados cenários de empenhamento, independentemente da permissividade do teatro de operações. Casos disso temos: Angola, Moçambique, S. Tomé, Cabo Verde, Timor, Golfo Pérsico, Moscovo, Afeganistão, Ruanda e Balcãs, entre outros. Mais recentemente Haiti, Egito e Líbia com missões de apoio humanitário.

Com perto de 80 000 horas voadas, os militares que, direta ou indiretamente, contribuíram para o sucesso das missões efetuadas sentem o orgulho do dever cumprido, fruto do seu esforço e empenho.

As operações de transporte aéreo da esquadra estão em torno do transporte aéreo logístico intra teatro e inter teatro, operações aerotransportadas, especiais, de evacuação sanitária e de busca e salvamento.[1] A esquadra opera aviões C-130 Hercules.[2]

A 28 de junho de 2019, foi agraciada com o grau de Membro-Honorário da Ordem Militar de Avis.[3]

Referências

  1. a b WEBTEAM, DCSI -. «Esquadra 501 - "Bisontes" | Força Aérea Portuguesa». www.emfa.pt. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  2. WEBTEAM, DCSI -. «Lockheed C-130 H / H-30 Hercules». www.emfa.pt. Consultado em 20 de janeiro de 2017 
  3. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Esquadra 501". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 20 de setembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre aviação, integrado ao Projeto Aviação, é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.