Batalha de Paris (1814)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Paris
Guerra da Sexta Coalizão
Horace Vernet - La Barrière de Clichy.jpg
Tropas francesas se preparando para a batalha.
Data 3031 de março de 1814
Local Paris, França
Desfecho Vitória da Coalizão
Beligerantes
França Império Francês Rússia Império Russo
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Império Austríaco
Flag of the Kingdom of Prussia (1803-1892).svg Reino da Prússia
Comandantes
França José Bonaparte
França Auguste de Marmont White flag icon.svg
França Jeannot de Moncey
França Édouard Mortier
Rússia Alexandre I
Rússia Mikhail Bogdanovich
Rússia Louis Alexandre Langeron
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Karl von Schwarzenberg
Flag of the Habsburg Monarchy.svg Ignácz Gyulay
Flag of the Kingdom of Prussia (1803-1892).svg Frederico Guilherme III
Flag of the Kingdom of Prussia (1803-1892).svg Gebhard von Blucher
Forças
20 000 soldados
6 000 membros da guarda nacional
155 000 soldados
  • 100 000 russos
  • 40 000 prussianos
  • 15 000 austríacos e aliados alemães
Baixas
5 000 18 000
Tropas russas marchando em Paris, 1814.

A Batalha de Paris foi um combate travado entre 30 e 31 de março de 1814 durante a Guerra da Sexta Coalizão.[1]

Ao fim de março de 1814, após um ano de luta além de suas fronteiras, o imperador Napoleão Bonaparte viu-se forçado a recuar para o interior da França. Enquanto ele tomava refúgio no interior e se preparava para continuar a resistir, a capital francesa, Paris, foi ameaçada por tropas russas, austríacas e prussianas. A defesa da cidade estava a cargo do irmão de Napoleão, José Bonaparte.

No dia 30, as forças da Coalizão convergiram sobre Paris. Os russos foram bem sucedidos em tomar Romainville, no meio das linhas francesas. Horas depois, o marechal prussiano Blücher atacou pelo norte e tomou Aubervilliers, mas não prosseguiu além disso. Enquanto isso, tropas de Estados alemães menores, como Württemberg, avançaram o tomaram posição no sul, em Saint-Maur. Aproveitando o bom momento, os russos lançaram-se num ataque frontal, mas foram repelidos pela Guarda Imperial francesa. Estes soldados continuaram a segurar a linha até que os prussianos chegaram e atacaram por trás. O exército russo então firmou-se nas colinas de Montmartre, um grande posto defensivo onde José Bonaparte havia montado seu quartel-general. Frente aos progressos do inimigo, José fugiu da cidade. O marechal francês Auguste de Marmont então assinou um acordo com o comando das forças aliadas e firmou a rendição das tropas imperiais em Paris. No fim do dia 31 de março, soldados da Coalizão marchavam pela capital francesa.

Ao saber da rendição de Paris, Napoleão ficou furioso. Ele estava em Fontainebleau quando recebeu a notícia e se pôs de prontidão para avançar sobre a capital e reconquistar a cidade, mas seus marechais se recusaram. A 4 de abril, o imperador abdicava em favor do filho, mas as potências europeias se recusaram a reconhecer a sucessão e impuseram a Napoleão o chamado Tratado de Fontainebleau, no dia 11 do mesmo mês, que exigia a desistência completa do seu direito ao trono e o mandava para o exílio na ilha de Elba. Um Bonaparte relutante ratificou o tratado dois dias depois, encerrando a guerra da Sexta Coalizão.

Referências

  1. "Battle of Paris (1814)". Página acessada em 20 de julho de 2014.