Jorge Moacir da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bedeu)
Ir para: navegação, pesquisa

Jorge Moacir da Silva (Porto Alegre, 4 de dezembro de 19465 de agosto de 1999[1]), mais conhecido como Bedeu foi um consagrado cantor e compositor da MPB e do samba-rock brasileiro.[2][3]

Influências musicais[editar | editar código-fonte]

Nascido no bairro Cidade Baixa, onde antigamente era a Ilhota, um bairro pobre e reduto de diversos traços da africanidade na cidade de Porto Alegre, trouxe de lá boa parte das influências musicais na infância e na juventude.

Começo de carreira[editar | editar código-fonte]

Apesar de ser gaúcho, curiosamente iniciou sua carreira em São Paulo, onde teve diversas músicas gravadas por artistas do eixo Sudeste do Brasil. Jair Rodrigues, Wilson Simonal, Dhema, Neguinho da Beija-flor e Originais do Samba gravaram suas canções, compostas com seus companheiros musicais mais freqüentes, Leleco Telles (também já falecido) e Alexandre. Tem também o seu trabalho reconhecido com percussionista.

Em 1975, retorna a Porto Alegre e forma junto com Leleco Telles, Alexandre, Cy, Leco e Nêgo Luis o grupo de swing Pau-Brasil.

Grupo Pau-Brasil[editar | editar código-fonte]

Reunindo uma seleção de grandes músicos, o Pau-Brasil lançou diversos sucessos, até hoje exaustivamente regravados, como Grama verde, Minha preta e Nêga Olívia.[4]

Dois discos foram lançados por esta turma da pesada, que utilizou em suas músicas a mistura de dois gêneros musicais de origem negra, o samba e o rock: O samba e suas origens (1978) e Pau-Brasil (1979). O sucesso do grupo foi considerável e serviu de exemplo a muitos outros artistas que aderiram ao gênergo posteriormente ou apenas passearam temporariamente por ele, batizado de samba-rock (no Rio Grande do Sul, recebe o nome de suínue).

Contemporâneos de Bebeto e Jorge Ben, o Pau-Brasil fincou raízes e, mesmo depois da sua extinção, tem um grande grupo de admiradores do seu trabalho e seus discos são bastante solicitados em sebos e briques que vendem LPs antigos em Porto Alegre e São Paulo.

Carreira solo[editar | editar código-fonte]

No início dos anos 1980, Bedeu parte para a carreira-solo, lançando África no fundo do quintal, em 1983, onde reúne suas composições mais famosas e novas músicas, como Zimbábwe. Nas gafieiras, sua música Kid Brilhantina (em parceria com Alexandre) é bastante executada até os dias atuais. Esta, inclusive, foi uma das músicas de sua autoria selecionada para a coletânea Samba-rock em dois tempos, de 1988, juntamente com Guerreiro, composta em parceria com Bebeto e Leleco Telles.

Em 1993, lança Iluminado, onde consagra mais uma de suas músicas, Saudades de Jackson do Pandeiro (com Luís Vagner), onde exalta além do saudoso pandeirista, outros instrumentistas famosos no Brasil e no mundo como Luiz Gonzaga, Bola Sete e Caçulinha (o mesmo que participa dos programas de Faustão, desde os idos da TV Bandeirantes).

Compõe também, junto com Alexandre e Leleco, alguns sambas de enredo para as escolas de samba porto-alegrenses Garotos da Orgia, Acadêmicos da Orgia (da qual é um dos fundadores) e Areal da Baronesa.

Nesta época, após gravar algumas coletâneas, é acometido por diabetes e suas complicações. Este problema de saúde o afasta momentaneamente do cenário musical e da mídia, preocupando os seus admiradores e aqueles que se divertiam dançando os seus sucessos nas pistas dos salões de gafieira.

Em 1998, grava o seu último cd, financiado pela Prefeitura da capital gaúcha, Swing Popular Brasileiro.[4] Nele, retomou alguns de seus sucessos e lançou algumas músicas ainda inéditas.[5]

Isto ocorreu pelo fato de não ter uma situação financeira confortável e por voltar a ter problemas em decorrência do diabetes. Para o seu auxílio no tratamento (apesar de estar em fase terminal), foi promovido um show chamado "Tributo a Bedeu", em fins de julho de 1999. Porém, o dinheiro arrecadado não foi suficiente para salvá-lo da morte, após um longo tempo de internação e do agravamento de sua enfermidade. Uma de suas últimas obras gravadas foi o samba-enredo Domingo, do Areal da Baronesa para o carnaval de 1998.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Painel». Correio do Povo. 6 de agosto de 2000. Consultado em 23 de março de 2012 
  2. «Cadeiras criativas». Correio do Povo. 29 de setembro de 2001. Consultado em 23 de março de 2012 
  3. «O samba-rock de Bedeu». Portoweb - Tambor. Consultado em 23 de março de 2012 
  4. a b «Amigos homenageiam Bedeu». Correio do Povo. 5 de agosto de 2000. Consultado em 23 de março de 2012 
  5. «O swing perde talento popular brasileiro». Correio do Povo. 7 de agosto de 1999. Consultado em 23 de março de 2012 
  6. «Vencedores do Prêmio Açorianos de Música - 1998». Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Consultado em 23 de março de 2012 
  7. «Açorianos de Música premia destaques de 98». Correio do Povo. 26 de março de 1999. Consultado em 23 de março de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]