Canis lupus hallstromi

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, e ainda pode necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaCão-cantor-da-nova-guiné
Canis lupus hallstromi
Canis lupus hallstromi
Estado de conservação
Espécie vulnerável
Vulnerável
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Canidae
Género: Canis
Espécie: Canis lupus
Subespécie: C. l. hallstromi
Nome binomial
Canis lupus hallstromi
Troughton, 1958
Distribuição geográfica
Ilha da Nova Guiné
Ilha da Nova Guiné
Sinónimos
  • Canis familiaris dingo
  • Canis lupus dingo

O cão-cantor-da-nova-guiné (nome científico: Canis lupus hallstromi) é um cão selvagem encontrado originalmente na ilha da Nova Guiné. Também chamado de dingo-da-nova-guiné, cão-cantor, cão-das-terras-altas-da-nova-guiné, cão-selvagem-da-nova-guiné e cão-de-hallstrom, é conhecido por sua vocalização distinta e melódica. Pouco se sabe sobre seu comportamento, estrutura social ou sobre o número de indivíduos selvagens ainda existentes. Só há dois avistamentos fotografados confirmados destes animais na natureza. Todos os estudos foram feitos com base nos poucos indivíduos encontrados em cativeiro.

Possuindo parentesco com o dingo australiano, os cães-cantores-da-nova-guiné provavelmente foram levados à ilha pelos primeiros viajantes há milhares de anos. Livres para percorrer todo o território, e isolados do resto do mundo, desenvolveram-se sem influência de outros canídeos durante quase 6000 anos.[1] O longo isolamento genético produziu diversas características únicas nestes animais. Atualmente, os cães-cantores-da-nova-guiné atuam como cães de companhia, como parte de um esforço de preservação da espécie focado em sua inteligência excepcional e suas capacidades físicas. Muitos são exibidos em competições de exposições caninas, nos quais são exibidos em sua condição natural.[2]

Características físicas[editar | editar código-fonte]

Em comparação com outras espécies de seu género, o cão-cantor-cantor-da-Nova-Guiné possui pernas relativamente curtas pra seu tamanho, e cabeça larga. Estes cães têm uma altura média na cernelha de 31 à 46 centímetros e pesam entre 9 e 14 kg. Os filhotes nascem com pelagem marrom escuro com manchas douradas e tons avermelhados, que muda para castanho claro ao atingir seis semanas de idade. A coloração de adulto surge com cerca de quatro meses de idade. Nos exemplares adultos, as cores marrom, e preto e castanho foram relatadas, todos com marcas brancas.[3]

Cão de porte médio, lembrando fisicamente a raposa, cabeça em forma de cunha, com orelhas pequenas e eretas, cauda com pelagem abundante e enrolada sobre o dorso quando em atividade. Ele é extremamente ágil e gracioso. A maior característica da raça é a voz. Eles emitem um som único, um uivo cantado meio melancólico e sincronizado em vários tons, interligados com grande harmonia. Eles têm pernas curtas e cabeça proporcionalmente grande em comparação com outros canis. Eles são mais curtos na altura do cernelha que dingos. O crânio é ligeiramente maior do que um dingo.[4]

História e estudo[editar | editar código-fonte]

Na década de 1950, Sir Edward Hallstrom levou o primeiro par para fora do distrito das Southern Highlands, na Papua-Nova Guiné, levando-os para o Zoológico de Taronga, Sydney, na Austrália, e classificou-os pela primeira vez como uma espécie distinta, Canis hallstromi (Troughton, 1957). Atualmente o animal é classificado como uma subespécie dos cães Canis lupus, Canis lupus hallstromi.[5]

O cão cantor no zoológico de San Diego.

O New Guinea Singing Dog nunca foi estudado em estado selvagem e praticamente nada se sabe sobre o seu comportamento, organização social ou a história natural; em 2004 havia menos de 50 indivíduos (todos altamente puros), em documentada população de reprodução em cativeiro.[6] A maioria desses cães na América do Norte descende do par original do Taronga Zoo[7], em 1976, cinco foram levados de Irian Jaya para Instituto Keil de Animais Domésticos, na Alemanha. Outros foram capturados na natureza.[8] Um cão foi visto cantando em 1991 no planalto abaixo Monte Trikora por uma expedição britânica de escalada.

Cão-cantor-da-nova-guiné uivando.

Em geral, NGSD mostra todos os comportamentos descritos para outras espécies Canis, com excepção do arco "play", típico para a maioria dos canídeos, mas não visto no NGSD.[9] No entanto, houve episódios em que NGSDs atacaram outros cães domésticos, devido ao desrespeito as tentativas de brincar.[10] populações cativas (os únicos estudados) não formam blocos, e os cães selvagens andam sozinhos ou em duplas. Eles têm um uivo característico, e emitem um trinado, semelhante ao descrito como um som feito pelo Dhole (alpinus Cuon.)[11]

O povo Kalam das Terras Altas da Papua captura filhotes e os cria como animais de estimação e cães de caça, mas não a raça NGSDs. Wild dogs (cães não aldeia) às vezes são comidos.[12]

A taxonomia do NGSD continua a ser investigada. Sistemas de atribuição de nomes não são aleatórias, mas acordados internacionalmente. As novas informações se tornam disponíveis, os nomes podem mudar.

O United Kennel Club começou a registrá-los como uma raça de cão em janeiro de 1996, no Sighthounds & Grupo Pariah. The American Rare Breed Association também a registrá-los como uma raça de cão, em sua Spitz & grupo primitivo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. História do cão-cantor-da-nova-guiné; New Guinea Singing Dog Conservation Society - www.canineworld.com (em inglês)
  2. «United Kennel Club». Consultado em 21 de setembro de 2010. 
  3. Journal of ZoologyVolume 261, Parte 2, Outubro de 2003
  4. «Cão Cantor da Nova Guiné - Singing Dog». Saúde Animal - saúde, prevenção, manejo e criação. 11 de dezembro de 2015. Consultado em 25 de maio de 2017. 
  5. Don E. Wilson & Reeder DeeAnn M. (editores). 2005. Mammal Species of the World. Uma referência Taxonomic e geográfica (3a ed), Johns Hopkins University Press
  6. Resumo do artigo "A NOVA GUINÉ SINGING (selvagens) DOG" http://abstracts.co.allenpress.com/pweb/asm2004/document/38760
  7. «Taronga Zoo Sydney». Taronga (em inglês) 
  8. New Guinea Singing Dog Conservation Society (2008). «História do Cão Cantor de Nova Guiné» (em inglês). Consultado em 12 de maio de 2008. 
  9. J. Koler-Matznick, IL Brisbin Jr., M. Feinstein, S. Bulmer Uma descrição actualizada do cão cantor da Nova Guiné; J. Zool, Lond. (2003); pg 5 casos; doi = 10.1017/S0952836903004060 (em inglês)
  10. Rare Breed Network: New Guinea Singing Dog Standard - www.rarebreed.com; 12/2008 (em inglês)
  11. ((citar web | coautores= J. Koler-Matznick, IL Brisbin Jr., M. Feinstein, S. Bulmer | título = uma descrição actualizada da Nova Guiné Singing Dog | url = http://www.canineworld.com/ngsdcs/CanishallstromiNewGuineaSingingDog.pdf | obra = J. Zool, Lond. (2003) | páginas = pg 6 | doi = 10.1017/S0952836903004060))
  12. Ibid. pg. 7

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre New Guinea Singing Dog
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Canis lupus hallstromi


Ícone de esboço Este artigo sobre animais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.