Castelo de Barbacena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Searchtool.svg
Esta página foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde fevereiro de 2016). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Castelo de Barbacena
Mapa de Portugal - Distritos plain.png
Construção ()
Estilo
Conservação
Homologação
(IGESPAR)
N/D
Aberto ao público
Site IGESPAR73452

O Castelo de Barbacena, localiza-se no Alentejo, junto à fronteira com Espanha, na freguesia de Barbacena (Elvas), concelho de Elvas, distrito de Portalegre.

Devido à sua proximidade com Espanha, o castelo e a localidade sempre foram alvos de ataques inimigos, nomeadamente durante a Guerra da Restauração, altura em que, no ano de 1658, a guarnição se viu mesmo obrigada a render-se ao comandante espanhol, o Duque de Ossuna.[1]

Em 2014, o Castelo de Barbacena foi integrado num novo projeto do Ministério da Defesa Nacional, criado com o apoio do Turismo de Portugal, chamado Turismo Militar, que apresenta roteiros históricos baseados em heróis portugueses.[2]

História[editar | editar código-fonte]

No contexto da Reconquista cristã da Península Ibérica, o rei D. Sancho II (1223-48) conquistou esta povoação aos mouros.

A primitiva edificação do castelo remonta ao reinado de D. Afonso III (1248-79). Posteriormente, D. Manuel (1495-1521) elevou a povoação a Concelho, fazendo reconstruir o seu castelo.

No contexto da Guerra da Restauração da independência portuguesa, as suas defesas foram modernizadas, introduzindo-se-lhe linhas abaluartadas. À época, resistiu às investidas das tropas da Espanha.

Embora restem atualmente poucos vestígios de seu primitivo traçado medieval, os remanescentes da fortificação foram classificados como Imóvel de Interesse Público por Decreto publicado em 24 de Janeiro de 1967.

De acordo com a imprensa portuguesa, o fadista Mico da Câmara Pereira adquiriu, em Setembro de 2005, as ruínas do castelo a José Luís Sommer de Andrade, antigo cavaleiro tauromáquico, pelo montante de 225 mil euros.

As negociações para a aquisição demoraram cerca de um ano e meio, período em que nem o Instituto Português do Património Arquitectónico (IPPAR) e nem a Câmara Municipal de Elvas optaram por exercer o seu direito de preferência ao imóvel.

O fadista declarou tencionar requalificar o imóvel como um espaço de lazer para a promoção de espetáculos e eventos, como casamentos e festas temáticas, com recursos a serem obtidos da mesma forma (Jornal de Notícias, 11 de Setembro de 2005).

Em 2012 e com muitas dívidas, o fadista considerou que a compra do castelo foi um erro.

Em 2015 o castelo está à venda com o valor base de 129 mil euros.[3]

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]