Centro de Valorização da Vida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Logotipo e slogan.

Fundado em São Paulo em 1962[1], o Centro de Valorização da Vida é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973, mantenedora e responsável pelo Programa CVV de Valorização da Vida e Prevenção do Suicídio, desenvolvido pelos Postos do CVV em todo o Brasil.

Através dos Postos espalhados por todo o país, presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional, oferecido a todos.

Em 1977 começou a expandir-se para outras cidades do país, estando hoje em quase todas as capitais e diversas cidades do interior do Brasil. São aproximadamente 70 Postos e cerca de 2.000 Voluntários que se revezam para o atendimento 24 horas por dia, inclusive aos domingos e feriados. Esse atendimento é prestado por telefone (188 grátis para todo Brasil)[2], e-mail, pessoalmente nos postos e via chat, sendo a primeira entidade do gênero no mundo a prestar atendimento via chat. A história do CVV está registrada no livro "Como Vai Você - CVV, 50 anos ouvindo pessoas", da Editora Aliança.

No dia 10 de março de 2017, o Ministério da Saúde fez uma parceria com o CVV. Isso que permitiu que as ligações se tornassem gratuitas. Estados como o Rio Grande do Sul já permitiam ligações gratuitas desde 2015.[3] Bahia, Maranhão, Pará e Paraná foram os últimos estados a terem gratuidade.[2]

Como é mantida a instituição[editar | editar código-fonte]

A instituição é mantida com as contribuições dos próprios voluntários e também por doações feitas por pessoas e segmentos da sociedade. Tem personalidade jurídica e não está vinculada com qualquer religião, governo ou partido político.

Programa CVV[editar | editar código-fonte]

Organismos internacionais como a OMS e a AIPS - Associação Internacional para Prevenção do Suicídio reconhecem a importância de programas como o do CVV e, no Brasil, outras iniciativas foram criadas, inclusive pelo Ministério da Saúde.

Atualmente o CVV cria e apoia iniciativas de ajuda emocional e prevenção do suicídio por meio de novos programas e atividades comunitárias. CRC - Caminho de Renovação Contínua (grupos de encontro de ajuda emocional); Escola de Valorização da Vida (auto-conhecimento); GASS - Grupos de Apoio aos Sobreviventes do Suicídio (familiares e amigos enlutados, ajuda emocional mútua); Estação Amizade (palestras para jovens e adolescentes; e rodas de conversa sobre convívio e problemas emocionais).

Saúde Mental - O CVV Francisca Júlia é uma comunidade terapêutica instalada em São José dos Campos com a finalidade de amparar pessoas com crise suicidas e outros transtornos mentais. São leitos, ambulatórios e centros de convívio mantidos pelo CVV e conveniados com o SUS.

Observações[editar | editar código-fonte]

  • No Brasil, o CVV é reconhecido como serviço de utilidade pública pelo Ministério da Saúde, pertencendo às organizações do terceiro setor.
  • Nos primórdios, o Programa CVV recebeu influência dos Samaritanos Internacionais, grupo fundado pelo Reverendo Chad Varah, em 1953 na Inglaterra.
  • Os atendentes do Programa CVV, todos voluntários, possuem as mais diversas formações. Enquanto em atividade no CVV, deixam ao lado seu 'eu profissional' (psicólogo, dona de casa, estudante, médico, professor, etc.) e focam apenas o seu 'eu voluntário'.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]