Charles-Henri Sanson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde outubro de 2018). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
Charles-Henri Sanson
Carrasco de Luís XVI de França
Nascimento 15 de fevereiro de 1739
Paris, 15 de fevereiro de 1739
Morte 4 de julho de 1806 (67 anos)
Paris, 4 de julho de 1806 (67 anos)
Sepultamento Cemitério de Montmartre
Cidadania Francês
Ocupação carrasco

Charles-Henri Sanson (Paris, 15 de fevereiro de 1739 - Paris, 4 de julho de 1806), foi o carrasco real do Reino da França em Paris e Alto-Executor da Primeira República Francesa, sendo responsável diretamente por quase 3.000 execuções, incluindo a do rei Luís XVI[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Charles-Henri Sanson era filho de Charles-Jean-Baptiste Sanson e sua primeira esposa Madeleine Tronson. Foi educado, primeiramente, em um convento em Rouen até 1753, pois foi forçado a sair quando o pai de um outro aluno descobriu que ele era filho de um carrasco[carece de fontes?].

A família Sanson tem uma longa história de membros que eram carrascos oficiais na França. Charles-Henri Sanson era bisneto do carrasco nomeado por Luís XIV, Charles Sanson (1658-1695), que foi nomeado carrasco de Paris em 1684[2].

Morreu em 4 de julho de 1806, em Paris, sendo enterrado no Cemitério de Montmartre.

Legado[editar | editar código-fonte]

Entrou para história francesa como o carrasco de várias pessoas importantes na sociedade da França, entre elas o já citado Luís XVI, Danton, Desmoulins, Saint-Just, Robespierre.

Existe uma anedota na França sobre sua pessoa a qual diz que, após se aposentar do posto de carrasco, teria encontrado casualmente com Napoleão Bonaparte, o qual lhe perguntou sobre como conseguia dormir em paz, depois de tantas execuções. A resposta dele foi: ``Se os imperadores, os reis e os ditadores podem dormir bem, por que eu não conseguiria o mesmo?” [3].

Referências

  1. 1740-1806., Sanson, Charles-Henri, (2007). La Révolution française vue par son bourreau : journal de Charles-Henri Sanson. [S.l.]: Le Cherche Midi. ISBN 9782749109305. OCLC 470553545 
  2. Sargent, Lucius Manlius (1856). Dealings with the Dead (em inglês). [S.l.]: Dutton and Wentworth 
  3. «www.maisonduluxe.com.br/noticiadetalhe.php?id=91». www.maisonduluxe.com.br. Consultado em 23 de setembro de 2018