Charles-Irénée Castel de Saint-Pierre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Charles-Irénée Castel de Saint-Pierre
Nascimento 13 de fevereiro de 1658
Saint-Pierre-Église
Morte 29 de abril de 1743 (85 anos)
Paris
Cidadania França
Ocupação escritor

Charles-Irénée Castel ou abade de Saint-Pierre (Saint-Pierre-Eglise, 18 de fevereiro de 1658Paris, 29 de abril de 1743)[1] foi um filósofo francês. Foi precursor das organizações internacionais, participou do Congresso de Utrecht em 1712 e membro da Academia Francesa de Letras. Sua obra foi: Projeto de paz perpétua (1713).[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Saint-Pierre nasceu no castelo de Saint-Pierre-Église perto de Cherbourg, onde seu pai, o Marquês de Saint-Pierre, era grão- bailli de Cotentin. Ele foi educado pelos Jesuítas. O caçula de cinco filhos e inadequado para a carreira militar devido a problemas de saúde, ele se tornou um padre.[1]

Ele foi introduzido por conexões familiares nos salões de Madame de la Fayette e da Marquesa de Lambert em Paris. Ele foi eleito para a Académie française em 1695, embora não tivesse produzido nenhum trabalho notável; sua eleição foi um episódio da Quarrel of the Ancients and the Moderns, sendo Saint-Pierre um claro representante deste último. No mesmo ano, ele ganhou uma posição na corte como capelão de Madame, a cunhada do rei. De 1703 até sua morte, ele foi abade de Tiron.[1]

Ao contrário da opinião amplamente aceita, não foi enquanto trabalhava como negociador do Tratado de Utrecht (1712-13) que ele desenvolveu seu projeto de paz universal. Saint-Pierre trabalhou na ideia em 1708 e publicou as primeiras versões em 1712.[2]

Em 1718, ele publicou Discours sur la polysynodie, onde propôs que os ministros nomeados fossem substituídos por conselhos eleitos. Como consequência de suas críticas à política de Luís XIV (falecido em 1715), ele foi expulso da Académie no mesmo ano.

Em 1724, com Pierre-Joseph Alary, ele fundou o Club de l'Entresol, um grupo de discussão independente sobre o modelo inglês; o clube foi fechado por Luís XV por motivos políticos em 1731.[2]

Ele morreu em Paris em 29 de abril de 1743 com 85 anos.[2]

Ideias[editar | editar código-fonte]

As obras de Saint-Pierre são centradas em uma crítica aguda e visionária da política, do direito e das instituições sociais. Ele teve uma grande influência sobre Rousseau, que deixou elaborados exames de alguns deles, e foi um precursor do ensaio de Kant de 1795 sobre a paz perpétua.[3] Ele pode ser visto como um dos primeiros defensores das idéias do Iluminismo.

Saint-Pierre foi um dos primeiros a mencionar a possibilidade de uma união europeia feita por Estados independentes e autônomos.[4] Seu trabalho em uma comunidade europeia inspirou diretamente a idéia de uma ordem internacional baseada no princípio da auto-defesa colectiva, e foi importante para a criação do Concerto da Europa, e mais tarde a Liga das Nações,[5] cuja sucessor é a Organização das Nações Unidas. Frederico, o Grande, da Prússia, escreveu Projet pour rendre la paix perpétuelle en Europe: "O Abade de Saint-Pierre me enviou um belo trabalho sobre como restabelecer a paz na Europa. A coisa é muito praticável. Tudo o que falta para ter sucesso é o consentimento de toda a Europa e alguns outros pequenos detalhes".[6]

As ideias contribuídas por Saint-Pierre incluem:

  • um sistema tributário equitativo, incluindo um imposto de renda graduado,
  • educação pública gratuita, tanto para mulheres quanto para homens,
  • melhorar o estado do transporte para o comércio,
  • uma corte internacional e liga de estados (Projet de paix perpétuelle 1713),
  • uma monarquia constitucional, auxiliada por um sistema de conselhos e uma academia de especialistas (Discours sur la polysynodie 1718).

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

Livros impressos[editar | editar código-fonte]

Correspondência[editar | editar código-fonte]

Saint-Pierre trocou cartas com vários luminares de sua época, incluindo Voltaire. Suas cartas muitas vezes terminavam com a fórmula "Paraíso para quem faz o bem".[8]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c «Charles-Irénée CASTEL de SAINT-PIERRE | Académie française». www.academie-francaise.fr. Consultado em 17 de fevereiro de 2021 
  2. a b c d Chisholm, Hugh, ed. (1911). " Saint-Pierre, Charles Irénée Castel ". Encyclopædia Britannica. 24 (11ª ed.). Cambridge University Press.
  3. Daniele Archibugi, Models of International Organization in Perpetual Peace Projects, Review of International Studies, vol. 18, no. 4, 1992, pp. 295-317.
  4. Hont, I. (2005) Jealousy of trade: international competition and the nation-state in historical perspective. Cambridge: Harvard University Press.
  5. Phillips, Walter A. (1920) The Confederation of Europe (2nd ed.) (p. 34)
  6. Dosenrode, Søren (1998). Danske EUropavisioner. Århus: Systime. 10 páginas. ISBN 87-7783-959-5 
  7. Contemporary review: "Projet pour perfectionner l'éducation". In Journal littéraire, vol. 14 (1729), p. 170.
  8. "Le paradis aux bienfaisants!"


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa religiosa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.