Charles A. Ferguson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Charles A. Ferguson
Nascimento 6 de julho de 1921
Filadélfia
Morte 2 de setembro de 1998 (77 anos)
Palo Alto
Cidadania Estados Unidos
Alma mater Universidade da Pensilvânia
Ocupação linguista, professor universitário
Prêmios Bolsa Guggenheim
Empregador Universidade Harvard, Universidade Stanford

Charles Albert Ferguson (6 de Julho de 1921 – 2 de Setembro de 1998) foi um linguista estadunidense que lecionou na Universidade Stanford, sendo um dos fundadores da sociolinguística e conhecido especialmente por seu trabalho sobre diglossia. Ele conduziu a criação do teste TOEFL, no Centro de Linguística Aplicada em Washington, D.C. Ferguson foi o líder de um time de linguistas na pesquisa sobre Uso e Ensino de Línguas, da Fundação Ford, na Etiópia. Uma das muitas publicações que resultou dessa pesquisa foi o artigo de Ferguson, publicado em 1976, propondo a Área da Língua Etíope. Esse artigo se tornou amplamente citado e um marco importante no estudo do contato linguístico.[1]

Ferguson também é amplamente conhecido por seu importante artigo sobre diglossia, publicado em 1959, e frequentemente citado.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Charles Albert Ferguson nasceu na Filadélfia, Pensilvânia, em 1921. Desde cedo ele teve curiosidade por linguagem, sistema e ordem, que o levou a investigar línguas estrangeiras por meio de estudos orientados na Universidade da Pensilvânia.

Conferência da UCLA[editar | editar código-fonte]

Em 1964, de 11 a 13 de maio, Ferguson esteve presente na conferência sobre sociolinguística organizada pela Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), com outros importantes pesquisadores da área, como William Bright, John Gumperz, William Labov, Paul Friedrich. Ele apresentou uma comunicação sobre a equação de situações sociolinguísticas nos Estados. Pode-se dizer que esse encontro, em 1964, marcou efetivamente o nascimento da sociolinguística, afirmando-se em oposição a outras correntes linguísticas que eram, até então, hegemônicas, ao gerativismo de Noam Chomsky e ao estruturalismo de Ferdinand de Saussure.[2]

Referências

  1. https://en.wikipedia.org/wiki/Charles_A._Ferguson
  2. CALVET, Louis-Jean. Sociolinguística: uma introdução crítica. São Paulo: Parábola, 2002.