Cláudio Alvim Barbosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2017). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes está sujeito a remoção.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Cláudio Alvim Barbosa, o poeta Zininho, (Biguaçu, 8 de maio de 1929Florianópolis, 5 de setembro de 1998) foi um compositor brasileiro de música popular.

Nascido na localidade de Três Riachos, durante a infância viveu no Largo 13 de Maio (atual Praça Tancredo Neves), tendo o antigo casario da rua Menino Deus e o Hospital de Caridade como vizinhos. Sua adolescência foi no continente, no balneário do Estreito. Desde jovem, foi atraído por atividades radiofônicas. Trabalhou nas rádios Diário da Manhã e Guarujá, onde fez de tudo um pouco: cantor, rádio-ator, sonoplasta, técnico de som e produtor.

Foi nesta época de ouro do rádio, nas décadas de 1940 a 1960, que compôs mais de cem músicas, de marchinha a samba-canção. Destacam-se "A Rosa e o Jasmim", "Quem é que não chora", "Princesinha da Ilha" e o Rancho de Amor à Ilha, escolhido em 1965, através de um concurso, como hino oficial do município de Florianópolis.

Depois da manifestação de um enfisema, Zininho recolheu-se em seu apartamento, no bairro continental do Abraão. Sucumbiu à moléstia em 5 de setembro de 1998.

Composições[editar | editar código-fonte]

  • Eu sou assim
  • O que seria de mim
  • Num cantinho qualquer
  • Jardim dos meus amores
  • A Margarida e o Mal-me-quer
  • Viva a Natureza
  • É tão tarde
  • Pra que negar
  • Insônia
  • Falta de você
  • Saudade, meu bem, saudade
  • Se o amor é isso
  • Desespero
  • Largo 13 de Maio
  • Magia do Morro
  • Você há de pagar
  • Deixa a porta aberta
  • Miramar
  • Preconceito Racial
  • Homenagem à Princesa.
  • Hino Oficial do Município de Joinville.
  • Hino Oficial do Município de Florianópolis