Classicismo Despojado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Embaixada Imperial Alemã (projetada entre 1911-12) na Praça de São Isaac, de São Petersburgo, é considerada o modelo do  Classicismo Despojado. Ele foi despojado ainda mais quando as grandes estátuas originalmente colocada sobre o pedestal no telhado foram removidos durante a I Guerra Mundial.

Classicismo Despojado (ou "Grego Moderno")[1] é um estilo arquitetônico que teve seu apogeu no século XX, despojado da maior parte ou de toda a ornamentação, frequentemente usada por governos na concepção de edifícios oficiais. Ele foi adaptado por Estados tanto totalitários quanto democráticos.[upper-alpha 1]

O estilo abrange um classicismo "simplificado, mas reconhecível" em termos de massa e de escala, eliminando o tradicional detalhamento decorativo.[3][4][5] As ordens da arquitetura são apenas insinuadas, ou indiretamente implicadas, na forma e estrutura. O estilo mais tarde encontrou adeptos nos regimes fascistas da Alemanha[6] e da Itália, bem como na União Soviética durante o regime de Stalin. O Zeppelinfeld, de Speer, e outras partes das áreas de desfile do partido nazista de Nuremberg são, talvez, os exemplos mais famosos na Alemanha, usando elementos clássicos, tais como colunas e altares, juntamente com a tecnologia moderna, tais como holofotes. A Casa del Fascio em Como também faz parte do movimento. Na URSS, algumas das propostas para o não-construído Palácio dos Soviéticos também tinham características do estilo.[2]

Entre arquitetos americanos, o trabalho de Paul Philippe Cret exemplifica o estilo. Seu Château-Thierry-Monumento Americano, construído em 1928, é identificado como um dos primeiros exemplos.[7] Entre outras de suas obras identificadas são o exterior, Biblioteca Folger Shakespeare, em Washington, D.C., de 1933,  a Torre Principal da Universidade do Texas em Austin de 1937, o Edifício da Reserva Federalo em Washington, D.C.. de 1937, e o Hospital Naval de Bethesda, e 1939.[8][9]

Às vezes é evidente em edifícios que foram construídos pela Administração de Projectos de Obras durante a Grande Depressão, embora com uma mistura de arquitetura Art Déco ou com seus elementos.[10][11]

O movimento foi generalizado, e transcende as fronteiras nacionais. Arquitetos que pelo menos nomeadamente experimentaram com o Classicismo Despojado incluem John James Burnett, Giorgio Grassi, Léon Krier, Aldo Rossi, Albert Speer, Robert A. M. Stern e Paulo Troost.[12]

Apesar de sua popularidade nos regimes totalitários, o estilo também foi adaptada por muitos governos democráticos, inclusive durante o New Deal nos Estados Unidos.[2]

Em qualquer caso, supostos fundamentos "fascistas" dificultaran a aceitação do estilo no pensamento arquitetônico.[2] Não há nenhuma evidência de que os arquitetos que favoreceram esse estilo tinham uma disposição política à direita . No entanto, tanto Adolf Hitler como Benito Mussolini eram fãs.[13][14] Por outro lado, o Classicismo Despojado foi favorecido por Joseph Stalin e diversos regimes comunistas.[15]

Após a queda do Terceiro Reich e o fim da II Guerra Mundial, o estilo saiu de moda. No entanto, foi um pouco revisitado em projetos na década de 1960. O Lincoln Center for the Performing Arts de Nova York, de Philip Johnson, evidenciou "um reavivamento no estilo Clássico Despojado". Da mesma forma, há a Biblioteca Nacional da Austrália (1968) em Camberra.

Exemplos notáveis[editar | editar código-fonte]

Nome Imagem Localização Arquiteto(s) Ano Notas
Embaixada da Alemanha, São Petesburgo St. Petersburg, German Embassy.jpg São Petesburgo, Rússia Peter Behrens 1913
Parlamento Provisório Old Parliament House Canberra Australia 01.jpg Camberra, Austrália John Smith Murdoch 1927
Casa do Parlamento Parliament building Finland.jpg Helsinque, Finlândia J. S. Sirén 1931
Edifício Federal William R. Cotter William Cotter Federal Building, Hartford, CT.jpg Hartford, Estados Unidos Malmfeldt, Adams & Prentice 1931
Frist Center for the Visual Arts Frist Center for the Visual Arts.jpg Nashville, Estados Unidos Marr & Holman 1932
Biblioteca Folger Shakespeare Library Folger Shakespeare Library DC.JPG Washington, D.C., Estados Unidos. Paul Philippe Cret 1933 John Gregory, escultura arquitetônica; Brenda Putnam, estátua de Puck
Edifícios Eccles[16] US Federal Reserve Eccles Building 1937.jpg Washington, D.C., Estados Unidos. Paul Philippe Cret 1937 Sidney Waugh, escultura arquitetônica; Samuel Yellin, ferro forjado; Ezra Winter, murais
San Francisco Mint San Francisco Mint 2007.jpg São Francisco, Estados Unidos Gilbert Stanley Underwood 1937
Edifício da Suprema Corte do Tennessee Tennessee Supreme Court building Nashville TN 2013-07-20 003.jpg Nashville, Estados Unidos Marr & Holman 1937
Palácio da Vitória Bucharest Victoria Palace-2.jpg Bucareste, Roménia Duiliu Marcu 1937
Edifício do Departamento de Rodovias da Virginia VirginiaDepartmentofHighwaysBuilding.JPG Richmond, Estados Unidos Carneal, Johnston & Wright 1937
Pavilhão Meštrović ZagrebMestrovicevPaviljon.jpg Zagrebe, Croácia Ivan Meštrović 1938
Capitólio do Estado do Oregon Oregon State Capitol building.jpg Salém, Estados Unidos Francis Keally and Trowbridge & Livingston 1938 Leo Friedlander e Ulric Ellerhusen, escultura arquitetônica; Frank Henry Schwarz e Barry Faulkner, murais
Edifício Patrick Henry Patrick Henry Building Richmond.JPG Richmond, Estados Unidos Carneal, Johnston and Wright 1938
Prefeitura de Houston[17] Houston City Hall 2007.jpg Houston, Estados Unidos Joseph Finger 1939
Edifício Harry S Truman[18] United States Department of State headquarters.jpg Washington, D.C., Estados Unidos Underwood & Foster 1939
Edifício da Justiça NC Supreme Court.JPG Raleigh, Estados Unidos Northrup & O'Brien 1940
Prefeitura de Waltham Forest Walthamstow Town Hall 20 Apr 2006.jpg London Borough of Waltham Forest, England Philip Hepworth 1941
Corte do Condado de Dauphin Dauphin County Courthouse.jpg Harrisburg, Estados Unidos Lawrie and Green 1942
Auditório de Lisner Lisner Auditorium - northwest corner.JPG Washington, D.C., Estados Unidos Faulkner and Kingsbury 1943
Anıtkabir Anıtkabir, Ankara.jpg Ankara, Turkey Emin Halid Onat and Ahmet Orhan Arda 1953 Mausoléu de Mustafa Kemal Atatürk.
Biblioteca e Arquivos do Estado "Lorenzo de Zavala" Lorenzo de Zavala State Archives and Library Building.JPG Austin, Texas, Estados Unidos Adams and Adams 1959
Memorial dos Márties de Çanakkale Canakkalesehitleriabidesi.jpg Gallipoli, Turkey Feridun Kip, Doğan Erginbaş and İsmail Utkular 1960 Memorial de guerra para a batalha de Gallipoli
Museu Nacional de História Americana National Museum of American History 1.jpg Washington, D.C., Estados Unidos James Kellum Smith 1964
Biblioteca Nacional da Austrália National Library of Australia (2192098809).jpg Camberra,

Austrália

Walter Bunning, in association with T.E. O’Mahoney 1968 "... derivação moderna no espírito da arquitetura greco-romana antiga. É inequivocamente um edifício do século XX, no estilo arquitetônico que é chamado Classicismo Despojado"[19]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

Citações[editar | editar código-fonte]

  1. Willingham, William F. (primavera de 2013). «Architecture of the Oregon State Capitol». Oregon Historical Society. Oregon Historical Quarterly. 114 (1): 94–107. doi:10.5403/oregonhistq.114.1.0094. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  2. a b c d Bryant 2011.
  3. Sennott, Stephen, Editor (2004). Encyclopedia of Twentieth Century Architecture. New York: Fitzroy Dearborn. p. 269. ISBN 1579582435 
  4. «Stripped Classical 1900-1945». Essential Architecture. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  5. «Post War Stripped Classical». Archipaedia-archive. Archipaedia world architecture. 23 de novembro de 2009. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  6. «Fascist Stripped Classical (German)». Essential Architecture. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  7. Rybczynski, Witold. «The Late, Great Paul Cret». The New York Times Style Magazine Blogs. Consultado em 5 de dezembro de 2014 
  8. Moeller Jr., G. Martin (2 de maio de 2012). AIA Guide to the Architecture of Washington Fifth ed. Baltimore, MD: Johns Hopkins University Press. ISBN 978-1421402703 
  9. Applewhite, E. J. (1993). Washington Itself: An Informal Guide to the Capital of the United States. Lanham, Md: Madison Books. p. 165. ISBN 1568330081 
  10. Prosser, Daniel (1992). The New Deal Builds: Government Architecture during the New Deal. Timeline. 9. [S.l.: s.n.] pp. 40–54 
  11. Greif, Martin (1975). Depression Modern: The Thirties Style in America. New York: Universe Books 
  12. }}

    Descrição e história[editar | editar código-fonte]

    Zeppelinfeld de Albert Speer, perto de Nuremberg, em 1934

    Embora o termo seja geralmente reservado para o estilo que faz parte da arquitetura racionalista do século XX, características do Classicismo Despojado foram incorporadas em algumas obras dos arquitetos neoclássicos mais progressistas do fim do século XVIII e começo do XIX, como Étienne-Louis Boullée, Claude Nicolas Ledoux, Friedrich Gilly, Pedro Speeth, Sir John Soane e Karl Friedrich Schinkel.

    Entre as duas Guerras Mundiais, o classicismo despojado tornou-se padrão para muitos edifícios governamentais e monumentais, em todo o mundo.
     Os governos usaram este estilo arquitetônico para unir modernidade e classicismo, de um ideal político em resposta a um mundo em rápida transformação. Em parte, esse movimento tem origens na necessidade de poupar dinheiro nas obras governamentais, renunciando aos custos que acompanhavam a mão-de-obra necessária para os detalhes clássicos.

    Na Europa, exemplos desse estilo surgiram com a Embaixada da Alemanha na Rússia, projetado por Peter Behrens e concluída em 1912, "estabelecendo modelos para o clássico de pureza desejado pela elite modernista, como Mies van der Rohe, mas também para os enormes edifícios de Hitler, Stalin e Ulbricht, e também edifícios oficiais americanos, ingleses e franceses na década de 1930.<ref>Ladd, Brian (27 de junho de 2004). The Companion Guide to Berlin. Woodbridge Rochester, NY: Companion Guides. p. 205. ISBN 1900639289. Consultado em 5 de dezembro de 2014 

  13. «Stripped Classical». Archipaedia-archive. Archipaedia world architecture. 23 de novembro de 2009. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  14. «Fascist Stripped Classical (German)». Archipaedia-archiv. Archipaedia world architecture. 24 de novembro de 2009. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  15. tjaaf (24 de novembro de 2009). «Stalinist Architecture- Regional varieties». Archipaedia-archive. Archipaedia world architecture. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  16. Goley, Mary Anne – Director, Fine Arts Program of the Federal Reserve Board. «Architecture of the Eccles Building». Federal Reserve Board. Consultado em 6 de dezembro de 2014. Arquivado do original em 12 de junho de 2002 
  17. «Front Matter». Oxford University Press on behalf of the Public Management Research Association. Journal of Public Administration Research and Theory: J-PART. 11 (2): i-264. Abril de 2001. JSTOR 3525687. doi:10.2307/3525687 
  18. «Find a Building: Search». www.gsa.gov. Consultado em 18 de abril de 2018 
  19. Irving, Robert; Powell, Ron; Irving, Noel (2014). Sydney's hard rock story: the cultural heritage of trachyte. Leura, N.S.W.: Heritage Publishing. p. 137. ISBN 9781875891160 
Erro de citação: Elemento <ref> com nome "FOOTNOTEBryant20115" definido em <references> não é utilizado no texto da página.


Erro de citação: Existem elementos <ref> para um grupo chamado "upper-alpha", mas não foi encontrado nenhum <references group="upper-alpha"/> correspondente (ou falta um elemento de fecho </ref>)