Cloreto de cianogênio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Cloreto de cianogênio
Alerta sobre risco à saúde
Cyanogen-chloride.png
Cyanogen-chloride-3D-vdW.png
Nome IUPAC Cyanic chloride
Outros nomes Chloroformonitrile, Chlorine cyanide, Carbononitridic chloride, CK
Identificadores
Número CAS 506-77-4
PubChem 10477
Número EINECS 208-052-8
Número RTECS GT2275000
SMILES
InChI
1/CClN/c2-1-3
Propriedades
Fórmula molecular CNCl
Massa molar 61.46 g/mol
Densidade 1.186 g/cm3 (liquid)
Ponto de fusão

−6 °C

Ponto de ebulição

12.7 °C [1]

Solubilidade em água Soluble
Pressão de vapor 1987 kPa (21.1 °C)
Riscos associados
MSDS ICSC 1053
Principais riscos
associados
Highly toxic[2]
NFPA 704
NFPA 704.svg
0
4
2
 
Compostos relacionados
Outros aniões/ânions Ácido tiociânico (N#C-S-H)
Haletos de cianogênio relacionados Fluoreto de cianogênio
Brometo de cianogênio
Iodeto de cianogênio
Compostos relacionados Cianogênio
Exceto onde denotado, os dados referem-se a
materiais sob condições normais de temperatura e pressão

Referências e avisos gerais sobre esta caixa.
Alerta sobre risco à saúde.

Cloreto de cianogênio, ou CK, Cloreto de cianogênio é um gás incolor em temperatura ambiente, possui um ponto de fusão de -6 graus Celsius e um ponto de ebulição de 12 para 14 graus Celsius, possui um odor pungente e irritante de compostos de cloro, não se sabe seu cheiro em concentração baixa, CK é solúvel em água, éter e compostos de carbono clorados, CK é um potente veneno de ação sanguínea, inalado gera uma forte irritação no nariz, garganta e trato respiratório, é um agente mais potente que o Cianeto de hidrogênio, tende a persistir por semanas e meses em ambiente fechado, sua persistência em ambientes abertos é pequena e não dura menos de uma semana, mas tende já a perder a periculosidade os locais abertos contaminados em uma média de 24 horas. É utilizado em mistura com gás cianídrico para produzir Cianogênio. 5 miligramas do agente não mata mas causa severa irritação e complicações, porém doses acima de 8 miligramas que começam a afetar com as funções dos órgãos. Geralmente por reação de combustão do composto junto com um combustível, sua toxicidade é neutralizada em parte na reação com Carbonatos e Hidróxidos. A exposição ao CK causa principalmente dor de cabeça, confusão, ansiedade, tonturas, fraqueza, mal-estar e perda de consciência. Efeitos cardiovasculares: palpitações. Efeitos respiratórios: irritação do tracto respiratório, dificuldade em respirar ou falta de ar (dispnéia) e aumento transitório na taxa e profundidade da respiração (hiperpneia), náuseas e vômitos (emese) pupilas dilatadas, inflamação da superfície do olho e cegueira temporária, os efeitos mais graves pela exposição são, coma, convulsões e pupilas dilatadas (midríase). Efeitos cardiovasculares: choque, ritmos cardíacos anormais ou desordenados (arritmias), pressão arterial extremamente baixa e parada cardíaca. Efeitos respiratórios: anormalmente rápido seguido de respirações anormalmente lentas; acumulação de líquido nos pulmões (edema pulmonar); e parada respiratória. O agente em contato com os sais prensentes na água dos tecidos tende a reagir rapidamente para formar sais tóxicos como Cianeto de sódio e Cianeto de ureia. 115 miligramas mata em média uma pessoa adulta, 1200 miligramas já é o bastante para matar uma pessoa em 10 minutos. 5 miligramas já causam efeitos irritativos localizados, 25 gramas já causam efeitos sistêmicos com possível morte. É disseminado por compartimentos presos a explosivos como TNT, Nitroglicerina por meio da explosão em forma atomizada, granadas pirotécnicas como Nitrato de potássio/Açúcar e propelentes diversos, aquecedores químicos e elétricos, pulverizadores por pressão e vácuo, umidificadores e são dissolvidos em Hidrocarbonetos halogenados como o Clorometano, Diclorometano, clorofórmio e Tetracloreto de carbono, em hidrocarbonetos como a mistura GLP, Pentanos, Hexanos e etc. É usado em mistura com Hidrocarbonetos halogenados, é usado em mistura de Cianogênios halogenados com Tetracloreto de carbono, constituído calculadamente por 30% de CK, 50% Tetracloreto de carbono, 10% ou resto em BC e 5% Fluoreto de cianogênio (FC é opcional) e 5% de Iodeto de cianogênio (IC) Cloronitrus, uma mistura de 30% Cianeto de cloro e 20% Cloropicrina e de 50% de N-(diclorometilideno)O-cloroetilamina (Nitrus), uma mistura de 50% de Tetracloreto de carbono com 20% de CK e resto em Fosgênio. Mas é geralmente utilizado em mistura com água para aumentar seu ponto de ebulição.

Produção[editar | editar código-fonte]

Cianeto de cloro é obtido geralmente pela reação de Fosgênio com Cianato de sódio a temperaturas acima de -5 graus Celsius e a baixo de 10 graus Celsius, a reação emite fumos de Dióxido de carbono, destila-se o CK a 15 graus Celsius, os cristais retidos são de Cloreto de sódio e Cianato de sódio não reagido.

Referências

  1. Pradyot Patnaik. Handbook of Inorganic Chemicals. McGraw-Hill, 2002, ISBN 0070494398
  2. [1]