Controvérsia Trump-Ucrânia de 2019

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O presidente norte-americano Donald Trump, em julho de 2017

A controvérsia Trump-Ucrânia de 2019 refere-se a pressão realizada pelo presidente norte-americano Donald Trump às autoridades ucranianas a fim de que investigassem Joe Biden, ex-vice-presidente dos Estados Unidos e candidato à nomeação democrata para a eleição presidencial de 2020. De acordo com o informado pela imprensa, Trump e seu advogado pessoal, Rudy Giuliani, buscavam obter informações comprometedoras sobre a atuação profissional do filho de Biden na Ucrânia. O caso tornou-se conhecido pelo público em virtude de uma denúncia realizada por um delator, supostamente um integrante da comunidade de inteligência norte-americana.

Contexto[editar | editar código-fonte]

O vice-presidente norte-americano Joe Biden em agosto de 2016

Em 2014, Hunter Biden ingressou no conselho de administração da Burisma Holdings, uma empresa de energia ucraniana.[1] Hunter recebeu uma quantia variável, de até US$ 50.000,00 mensalmente durante alguns meses, por seu trabalho.[2] Desde 2012, a procuradoria-geral ucraniana investigava o proprietário da Burisma, o oligarca Mykola Zlochevsky, por alegações de lavagem de dinheiro, sonegação de impostos e corrupção.[2] Em 2015, Viktor Shokin se tornou o procurador-geral, herdando a responsabilidade pela investigação. O governo Obama e outros governos e organizações não-governamentais logo ficaram preocupados com o fato de Shokin não combater adequadamente a corrupção na Ucrânia, proteger a elite política e ser considerado "um obstáculo aos esforços anticorrupção."[3] Entre outras questões, Shokin estava atuando lentamente na investigação de Zlochevsky e da Burisma.[2]

Em março de 2016, o vice-presidente Biden emitiu um ultimato ao parlamento ucraniano, afirmando que US$ 1 bilhão em garantias de empréstimos seriam retidos se Shokin permanecesse no cargo.[4] Em setembro de 2019, não havia evidências de que Biden tenha agido para proteger o envolvimento de seu filho com a Burisma, embora Trump e Giuliani tenham alimentado especulações neste sentido.[5][6] Shokin acabou sendo destituído do cargo, e o novo procurador-geral Yuriy Lutsenko inicialmente adotou uma linha dura contra a Burisma, mas após um ano anunciou que todos os procedimentos legais e alegações criminais pendentes contra Zlochevsky haviam sido "totalmente fechados."[2] Lutsenko declarou em maio de 2019 que não havia provas de irregularidades por parte da família Biden, mas estava planejando fornecer informações ao procurador-geral norte-americano Bill Barr sobre os valores repassados pela Burisma a fim de que as autoridades norte-americanas pudessem verificar se Hunter Biden pagou impostos no país.[7]

Desde pelo menos maio de 2019, o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, pressionava Volodymyr Zelensky, o recém-eleito presidente da Ucrânia, para investigar a Burisma, bem como verificar se houve alguma irregularidade na investigação ucraniana de Paul Manafort. Giuliani defendia que essas investigações seriam benéficas para seu cliente, Trump, e que seus esforços tinham o apoio total do presidente dos Estados Unidos.[8] Em 10 de maio, Giuliani cancelou uma viagem programada à Ucrânia, onde pretendia incitar o presidente eleito Zelensky a investigar Hunter Biden, bem como se os democratas conspiraram com ucranianos para divulgar informações sobre Manafort.[9][10] Giuliani alegou que soube que cinco ucranianos foram trazidos à Casa Branca em janeiro de 2016 para "desenterrar a sujeira em Trump e Manafort", embora não tenha produzido evidências para a alegação.[11] Giuliani afirmou que cancelou a viagem porque havia sido "enquadrado" por ucranianos que se opuseram a seus esforços e culpou os democratas por tentarem "espionar" a viagem. Contudo, Giuliani se reuniu com autoridades ucranianas para pressionar a abertura de uma investigação sobre o caso em junho e agosto de 2019.[12]

Queixa do delator[editar | editar código-fonte]

Em 12 de agosto de 2019, um oficial da inteligência não identificado apresentou uma uma denúncia junto a Michael Atkinson, Inspetor Geral da Comunidade de Inteligência (ICIG), sob o abrigo da Lei de Proteção de Denunciantes da Comunidade de Inteligência (ICWPA).[13][14] Tendo considerado a denúncia urgente e credível, Atkinson transmitiu-a em 26 de agosto a Joseph Maguire, diretor interino de Inteligência Nacional (DNI). De acordo com a ICWPA, o DNI "deve", no prazo de sete dias após o recebimento, encaminhar a reclamação aos Comitês de Inteligência do Senado e da Câmara dos Representantes. Maguire não o fez e o prazo terminou em 2 de setembro. Em 9 de setembro, Atkinson escreveu a vários congressistas informando sobre a existência da denúncia realizada pelo delator que Maguire não havia enviado ao Congresso.[15]

Em 10 de setembro, o presidente do Comitê de Inteligência da Câmara (HPSCI), Adam Schiff, escreveu a Maguire, perguntando por que ele não havia encaminhado a denúncia. Schiff alegou que Maguire afirmou que lhe foi pedido que a retivesse sob orientação de uma "autoridade superior" pois envolvia "comunicações privilegiadas." Sendo um órgão a nível ministerial, o diretor da DNI é nomeado pelo presidente dos EUA. Schiff também afirmou que lhe foi informado que "a queixa diz respeito à conduta de alguém fora da Comunidade de Inteligência." Assim, a Casa Branca e o Departamento de Justiça informaram a Maguire que a denúncia não estava dentro do alcance da ICWPA e, portanto, deveria ser retida.[16][17][18] Em 13 de setembro, Schiff convocou Maguire para comparecer perante o HPSCI.[19]

Em 18 de setembro, o jornal The Washington Post noticiou a história envolvendo a denúncia e seu delator, informando que a queixa dizia respeito a uma "promessa" que Trump havia feito durante uma comunicação com um líder estrangeiro não identificado. Os registros da Casa Branca mostraram que Trump teve comunicações ou interações com cinco líderes estrangeiros durante as cinco semanas anteriores à denúncia.[20] Durante uma audiência a portas fechadas previamente agendada perante o HPSCI em 19 de setembro, Atkinson disse aos representantes que a denúncia se referia a uma série de eventos, e que ele discordava da posição de que a denúncia estava fora do escopo da ICWPA, mas se recusou a fornecer detalhes.[21][22] Em 19 de setembro, o Washington Post informou que a denúncia era relacionada com a Ucrânia.[22]

Comunicações com oficiais ucranianos[editar | editar código-fonte]

O advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, em agosto de 2016

Em 20 de setembro, o The Washington Post informou que Trump, em 25 de julho, pressionou o presidente Zelensky a investigar questões relacionadas a Hunter Biden.[23] O The New York Times informou que Trump disse a Zelensky para falar com Giuliani,[24][25] e, de acordo com o The Wall Street Journal, Trump pediu a Zelensky "cerca de oito vezes" para trabalhar com Giuliani e investigar o filho de Biden.[12][26] Em 22 de setembro, Trump reconheceu que havia falado sobre Joe Biden durante uma ligação com Zelensky, na qual havia dito: "não queremos nosso povo, como o vice-presidente Biden e seu filho, criando a corrupção que já existe na Ucrânia."[27][28]

Dias antes da ligação de Trump com Zelensky, em 25 de julho, Giuliani falou por telefone com Andriy Yermak, assessor de Zelensky, sobre uma investigação a Biden, bem como uma possível reunião na Casa Branca entre Zelensky e Trump, que era almejada por autoridades ucranianas.[29] Dias após a ligação de Trump, Giuliani se encontrou com Yermak em Madri. Giuliani declarou em 23 de setembro que o Departamento de Estado havia lhe pedido que "participasse de uma missão para eles" e falasse com Yermak.[30]

Em 22 de agosto, o Departamento de Estado declarou que seu enviado ucraniano Kurt Volker havia servido como ligação entre Giuliani e Yermak, mas que Giuliani estava atuando como advogado de Trump,[31] embora tenha informado o Departamento de Estado após sua viagem.[10] Giuliani afirmou que disse a Yermak: "Seu país deve aos EUA, e a ele mesmo, descobrir o que realmente aconteceu."[32] Yermak declarou que não estava claro se Giuliani estava representando Trump, mas Giuliani afirmou que não estava, e a Casa Branca encaminhou perguntas sobre o papel de Giuliani ao Departamento de Estado, que não as respondeu. Em 19 de setembro, Giuliani negou pela primeira vez ter solicitado às autoridades ucranianas que investigassem Joe Biden, mas momentos depois afirmou: "é claro que eu pedi."[33][34][35]


Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Brett LoGiurato (13 de maio de 2014). «Joe Biden's Son Is Now On The Board Of One Of Ukraine's Biggest Gas Conglomerates». Business Insider. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  2. a b c d Kenneth P. Vogel (22 de setembro de 2019). «Trump, Biden and Ukraine: Sorting Out the Accusations». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  3. Alan Cullison (22 de setembro de 2019). «Joe Biden's Son Is Now On Bidens in Ukraine: An Explainer». The Wall Street Journal. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  4. Kenneth P. Vogel e Iuliia Mendel (1 de maio de 2019). «Biden Faces Conflict of Interest Questions That Are Being Promoted by Trump and Allies». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  5. Louis Jacobson (7 de maio de 2019). «Fact-checking Joe Biden, Hunter Biden, and Ukraine». PolitiFact. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  6. «Trump admite ter falado sobre Biden com presidente ucraniano». DW. 23 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  7. Daryna Krasnolutska, Kateryna Choursina e Stephanie Baker (16 de maio de 2019). «Ukraine Prosecutor Says No Evidence of Wrongdoing by Bidens». Bloomberg. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  8. Kenneth P. Vogel (9 de maio de 2019). «Rudy Giuliani Plans Ukraine Trip to Push for Inquiries That Could Help Trump». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  9. Kenneth P. Vogel (11 de maio de 2019). «Rudy Giuliani Cancels His Trip to Ukraine, Blaming Democrats' 'Spin'». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  10. a b «How Trump and Giuliani pressured Ukraine to investigate the president's rivals». The Washington Post. 20 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  11. Dan Mangan (20 de setembro de 2019). «Trump urged Ukraine president eight times during call to investigate Joe Biden's son, report says». CNBC. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  12. a b «Trump Repeatedly Pressed Ukraine President to Investigate Biden's Son». The Wall Street Journal. 20 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  13. David Smith e Tom McCarthy (20 de setembro de 2019). «Trump whistleblower complaint: focus shifts to Ukraine amid Giuliani claims». The Guardian. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  14. Charlie Savage (23 de setembro de 2019). «Entenda como funciona a lei sobre denunciantes que complica a situação de Trump». The New York Times. O Globo. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  15. John Bowden (21 de setembro de 2019). «Timeline: The Trump whistleblower complaint». The Hill. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  16. Robert S. Litt (17 de setembro de 2019). «Unpacking the Intelligence Community Whistleblower Complaint». Lawfare. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  17. Margaret Taylor (17 de setembro de 2019). «The Mysterious Whistleblower Complaint: What Is Adam Schiff Talking About?». Lawfare. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  18. Pamela Brown, Evan Perez, Kevin Liptak e Manu Raju (19 de setembro de 2019). «White House also involved in advising DNI not to share whistleblower complaint». CNN. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  19. Olivia Gazis (13 de setembro de 2019). «Adam Schiff subpoenas acting intel chief over whistleblower complaint». CBC News. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  20. Greg Miller, Ellen Nakashima e Shane Harris (18 de setembro de 2019). «Trump's communications with foreign leader are part of whistleblower complaint that spurred standoff between spy chief and Congress, former officials say». The Washington Post. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  21. Alan Cullison, Rebecca Ballhaus e Dustin Volz (21 de setembro de 2019). «Timeline: The Trump whistleblower complaint». The Wall Street Journal. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  22. a b «Whistleblower complaint about President Trump involves Ukraine, according to two people familiar with the matter». The Washington Post. 19 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  23. Matt Zapotsky, Greg Miller, Ellen Nakashima e Carol D. Leonnig (20 de setembro de 2019). «Trump whistleblower: President pressed Ukrainian leader to investigate Biden's son, according to people familiar with the matter». The Washington Post. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  24. Matthew Rosenberg, Nicolas Fandos, Eileen Sullivan e Julian E. Barnes (19 de setembro de 2019). «Whistle-Blower's Complaint Is Said to Involve Multiple Acts by Trump». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  25. Adam Goldman, Julian E. Barnes, Kenneth P. Vogel e Michael S. Schmidt (20 de setembro de 2019). «Trump Pressed Ukraine's Leader as Giuliani Pushed for Biden Inquiry». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  26. «Trump confirma que falou sobre Biden com presidente ucraniano». AFP. GaúchaZH. 22 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  27. Peter Baker (22 de setembro de 2019). «Trump Acknowledges Discussing Biden in Call With Ukrainian Leader». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  28. «Trump diz ter falado sobre Biden em telefonema com presidente ucraniano; democratas podem pedir impeachment». Reuters. G1. 23 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  29. Kenneth P. Vogel (20 de setembro de 2019). «Behind the Whistle-Blower Case, a Long-Held Trump Grudge Toward Ukraine». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  30. Barbara Morrill (24 de setembro de 2019). «Rudy Giuliani says state department asked him 'to go on a mission' to Ukraine». Daily Kos. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  31. Allan Smith (22 de agosto de 2019). «Giuliani says State Dept. aided his effort to press Ukraine on Trump opponents». ABC News. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  32. «Filho de Joe Biden muda rumos de eleição americana». O Estado de S. Paulo. 22 de setembro de 2019. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  33. Annie Karni e Maggie Haberman (20 de setembro de 2019). «Giuliani Revels in Another Cable Dust-up Defending Trump». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  34. Andrew E. Kramer e Kenneth P. Vogel (21 de agosto de 2019). «Giuliani Renews Push for Ukraine to Investigate Trump's Political Opponents». The New York Times. Consultado em 24 de setembro de 2019 
  35. Ed Pilkington (21 de agosto de 2019). «Ukraine furore confirms Giuliani as Trump's most off-kilter advocate». The Guardian. Consultado em 24 de setembro de 2019