Culminação

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração do movimento aparente de uma estrela (linha vermelha) em relação ao meridiano local (linha amarela). O encontro das duas linhas na esfera celeste é o ponto de culminação.

Em astronomia, culminação ou passagem meridiana é o momento em que um astro cruza o meridiano local, atingindo sua altura angular máxima no céu.[1][2] Todo astro experimenta duas passagens meridianas, que são chamadas culminação inferior e culminação superior.[1][2] A culminação inferior é a passagem meridiana em que o astro cruza o meridiano local no semicírculo que une os polos celestes e nadir. A culminação superior é a passagem meridiana em que o astro cruza o meridiano local no semicírculo que une os polos celestes e zênite.[2]

O tempo entre duas passagens meridianas consecutivas de um mesmo astro é de 12 horas.

Ambas as culminações de estrelas circumpolares são observáveis de um mesmo sítio, pois ocorrem no hemisfério zenital, embora seja necessário um período de pelo menos 12 horas de noite para que se as possa efetivamente observar.

A Wikipédia possui o
Portal de Astronomia.


Condições para observação[editar | editar código-fonte]

As culminações superior e inferior de uma estrela circumpolar são ambas visíveis.

Astros cujo módulo da declinação seja superior ao complemento do módulo da latitude do observador ser-lhe-ão circumpolares.[3] Isto é:

Desse modo, suas duas culminações serão observáveis desde onde o observador estiver. Por exemplo, as duas culminações de Acrux, da constelação do Cruzeiro do Sul, só podem ser vistas por observadores localizados a latitude mais negativas que 30 graus.

Importância das passagens meridianas para a Astronomia de Posição[editar | editar código-fonte]

Durante as passagens meridianas, a altura do astro não varia: seu movimento é puramente paralelo ao horizonte. Esse fenômeno permite ao observador calcular com precisão as coordenadas de um astro por meio de uma luneta meridiana.

Também é possível determinar com precisão a latitude de um local mediante o cálculo da média da altura do astro em duas passagens meridianas consecutivas.

Passagem meridiana do Sol[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Meio-dia

O instante da passagem meridiana do Sol corresponde ao chamado meio-dia verdadeiro.[4] Nesse momento, o Sol atinge o ponto mais alto de sua órbita aparente na esfera celeste no dia em questão.[4]

Referências

  1. a b Saraiva, Maria de Fátima O. «Fenômenos do movimento diurno dos astros». IF - UFRGS 
  2. a b c Santiago, Basilio. «Movimento diurno dos astros». IF - UFRGS 
  3. Brito, Alan Alves. «Movimento diurno dos astros, Parte II» (PDF). IF - UFRGS 
  4. a b Kepler de Souza Oliveira Filho, Maria Fátima Oliveira Saraiva. «Medidas de Tempo». IF - UFRGS. Consultado em 27 de maio de 2018. 


Glossário de Astronomia

Abóbada celeste | Apoastro | Afélio | Albedo | Ascensão recta | Astro | Corpo celeste | Classificação estelar | Declinação | Diagrama de Hertzsprung-Russell | Eclíptica | Equador celeste | Equinócio | Esfera celeste | Estrela | Hemisfério celestial norte | Hemisfério celestial sul | Luminosidade | Intensidade de radiação | Magnitude aparente | Magnitude bolométrica | Nadir | Órbita | Periastro | Periélio | Planeta | Ponto vernal | Precessão dos equinócios | Sistema Solar | Solstício | Trópico | Zênite