Cinegilso de Wessex

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Cynegils de Wessex)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Cinegilso da Saxônia Ocidental
Caixão mortuário na Catedral de Winchester que detém os ossos de Cinegilso
Rei da Saxônia Ocidental
Reinado 611642
Antecessor(a) Ceolvulfo
Sucessor(a) Cenualho
 
Descendência Cenualho
Quicelmo (?)
Cineburga (?)
Centuíno (?)
Casa da Saxônia Ocidental
Morte ca. 642
Enterro Catedral de Winchester
Pai Ceol ou Ceolvulfo

Cinegilso (em latim: Cinegilsus/Cynegilsus; em inglês antigo: Cynegils) ou Cingilo (em latim: Cyngilus ou Kyngilus) foi rei da Saxônia Ocidental de cerca de 611 até sua morte em cerca de 642. Cinegilso é tradicionalmente considerado como o rei da Saxônia Ocidental, mas os reinos da chamada Heptarquia ainda não se formaram a partir da colcha de retalhos de reinos menores durante sua vida.[1][2] [3][4] A Saxônia Ocidental se centraria nos condados de Hantônia, Dorcéstria, Somersécia e Viltônia, mas evidência da Crônica Anglo-Saxônica indica que o reino de Cinegilso estava localizado no rio Tâmisa superior, se estendendo ao norte de Viltônia e Somersécia, sul de Glocéstria e Oxônia, e oeste de Bercéria, com Dorcéstria no Tâmisa como um de seus sítios reais. A região, talvez conectada ao grupo tribal anterior conhecida como geuissas, um termo usado por Beda para os saxões ocidentais, estava na fronteira entre os Reinos da Saxônia Ocidental e Mércia.[5][6][7]

Vida[editar | editar código-fonte]

Britânia ca. 600

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Parece que tornou-se rei à morte de Ceolvulfo ca. 611. Sua relação com ele é incerta. Cinegilso é variadamente descrito nas fontes saxãs ocidentais como filho de Ceolvulfo, filho de Ceol (irmão de Ceolvulfo), filho de Ceola (filho de Cuta), filho de Cutuíno (filho de Ceaulino) e filho de Cutulfo (filho de Cutuíno). Várias fontes afirmam que Cinegilso era irmão de Ceolvaldo, que foi descrito como avô de Ine.[8][9] Embora a Crônica Anglo-Saxônica e as listas reais da Saxônia Ocidental retratam os saxões ocidentais como governados por um rei, é provável que a realeza foi compartilhara entre dois ou mais reis.[10]

O anal de 611 da Crônica afirma: "Esse ano Cinegilso sucedeu o governo na Saxônia Ocidental, e manteve-o por 31 invernos. Era filho de Ceol, Ceol de Cuta, Cuta de Cínrico."[11] Contradizendo o relato, o anal de 614 afirma que "esse ano Cinegilso e Quicelmo lutaram em Beandun, e mataram 2 046 galeses." Beda também escreve que a tentativa de assassinato do rei Eduíno da Nortúmbria em 626 foi por ordens de Quicelmo, rei dos saxões ocidentais.[12] É disputado se o Quicelmo de 614 é a mesma pessoa do rei do final dos anos 620, e se essa pessoa é o mesmo Quicelmo que foi batizado e morreu em cerca de 636. Alguns historiadores presumem que ele era filho de Cinegilso.[13] Também se diz que ele era pai de Centuíno, mas é provavelmente uma invenção posterior.[14]

Reinado e batismo[editar | editar código-fonte]

Em 628, Cinegilso e Quicelmo lutaram contra o rei Penda em Ciricéstria e talvez foram derrotados.[15] Cinegilso e Quicelmo parecem ter estado sujeitos a Eduíno da Nortúmbria por essa época, pagando enorme tributo de 100 000 hidas se o conceito de Nick Higham das origens do Hida Tribal está correto.[16][17] Na década de 630, o bispo Birino estabeleceu-se em Dorcéstria, e tanto Cinegilso como Quicelmo foram convertidos com o rei Osvaldo da Nortúmbria como seu padrinho. Outro rei saxão ocidental, chamado Cutredo, que morreu ca. 661, aparece nesse momento. Osvaldo casou com uma filha de Cinegilso nessa época. Seu nome não é registrado em fontes antigas, mas Reginaldo de Durham chama-a Cineburga.[18] Essa missão parece ter tido pouco impacto de longo prazo, pois outro filho de Cinegilso, Cenualho, não foi batizado até 646, segundo a Crônica, após ter sido removido do seu reino por Penda.[19]

Morte[editar | editar código-fonte]

A data da morte de Cinegilso não é certamente conhecida. Beda afirma apenas que foi sucedido por seu filho Cenualho.[20] Versões diferentes da crônica dão 641 (manuscritos B, C e E) ou 643 (manuscritos A e G) para o ano da ascensão de Cenualho. Muitos textos seguem Dumville (1985), assumindo que essas variações representam derivações escribais de 642, que conforma com a alegada duração de 31 anos de seu reinado.[11][21][22][23]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Ceolvulfo
Rei da Saxônia Ocidental
611642
Sucedido por
Cenualho

Referências

  1. Kelly 1999.
  2. Kirby 2000, p. 30ff.
  3. Williams 1999, p. 5ff.
  4. Yorke 1990, p. 25ff.
  5. Kirby 2000, p. 48ff..
  6. Yorke 1990, p. 135–137.
  7. Yorke 1999.
  8. Kirby 2000, p. apêndice, figura 4.
  9. Yorke 1990, p. 133–134.
  10. Kirby 2000, p. 48–49.
  11. a b PASE 2018.
  12. Beda 1988, II.9.
  13. Kirby 2000, p. 51.
  14. Kirby 2000, p. 53.
  15. Zaluckyj 2001, p. 28 e 102.
  16. Higham 1995, p. 74ff..
  17. Blair 1999.
  18. Kirby 2000, p. 51 e 53.
  19. Yorke 1990, p. 136.
  20. Beda 1988, III.7.
  21. Dumville 1985, p. 40.
  22. Yorke 2004.
  23. Pryde 1996, p. 22.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beda (1988). A History of the English Church and People. Traduzido por Leo Sherley-Price. Nova Iorque: Penguin Classics. ISBN 0-14-044042-9 
  • Blair, John (1999). «Tribal Hide». In: Lapidge, Michael. The Blackwell Encyclopedia of Anglo-Saxon England. Oxford: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-22492-0 
  • Dumville, D. N. (1985). «The West Saxon Genealogical Regnal List and the Chronology of Early Wessex». Peritia. 4: 21–66. doi:10.1484/J.Peri.3.96 
  • Higham, N. J. (1995). An English Empire: Bede and the Early Anglo-Saxon Kings. Manchester: Manchester University Press. ISBN 0-7190-4423-5 
  • Kelly, S. E. (1999). «Kent, Kingdom of». In: Lapidge, Michael. The Blackwell Encyclopedia of Anglo-Saxon England. Oxford: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-22492-0 
  • Kirby, D. P. (2000). The Earliest English Kings. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-24211-8 
  • Pryde, E. B.; Greenway, D. E. (1996). Handbook of British Chronology. Cambridge: Cambridge University Press 
  • Williams, Ann (1999). Kingship and Government in Pre-Conquest England, c.500–1066. Basingstoke: Palgrave Macmillan 
  • Yorke, Barbara (1990). Kings and Kingdoms of Early Anglo-Saxon England. Londres: Seaby. ISBN 1-85264-027-8 
  • Yorke, Barbara (1999). «Gewisse; Wessex». In: Lapidge, Michael. The Blackwell Encyclopedia of Anglo-Saxon England. Oxford: Blackwell Publishing. ISBN 0-631-22492-0 
  • Yorke, Barbara (2004). «Cynegils; Cenwalh». Oxford Dictionary of National Biography (em inglês). Oxford: Oxford University Press 
  • Zaluckyj, Sarah (2001). Mercia: The Anglo-Saxon Kingdom of Central England. Logaston: Logaston Press