Debora Silva Maria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Debora Silva Maria
Nascimento Brasil
Cidadania Brasil
Ocupação ativista
Prêmios Prêmio Direitos Humanos

Debora Silva Maria é uma ativista dos direitos humanos brasileira, fundadora do movimento Mães de Maio,[1] que denuncia e apura independentemente casos de violência policial no Brasil.[2] Ela defende a desmilitarização da polícia[3] e é contra a redução da maioridade penal.[4]

Debora Silva Maria decidiu liderar a fundação do movimento Mães de Maio, em 2006, após policiais assassinarem seu filho, o gari Edson Rogério Silva dos Santos, de 29 anos, em um posto de gasolina, em Santos.[1][5] O assassinato ocorreu em 15 de maio de 2006, no contexto de uma série de chacinas promovida pela polícia, conhecida como Crimes de Maio.[6][7] O Mães de Maio surgiu inicialmente contra a impunidade dos policiais envolvidos nas chacinas de maio de 2006, mas atualmente participam do movimento familiares de vítimas de outros episódios de violência policial no Brasil.[3][7][8]

Por conta de sua atuação em defesa dos direitos humanos, Debora Silva Maria foi agraciada com o prêmio "Dandara dos Palmares", em 2016, pelo Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra (CMPDCN) e pela Coordenadoria de Promoção da Igualdade Racial e Étnica (Copire) da Prefeitura de Santos,[9] e, em 2013, foi homenageada com o Prêmio Direitos Humanos, na categoria "Enfrentamento à violência".[10] Mães de Maio recebeu o Prêmio Santo Dias de Direitos Humanos 2011, da Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo.[11]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Prêmio Dandara dos Palmares, 2016.[9]
  • Prêmio Direitos Humanos 2013, categoria "Enfrentamento à violência".[12]

Referências

  1. a b «A saga da impunidade da violência policial no Brasil». HuffPost Brasil. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  2. «Mães de Maio: a reação contra a violência do Estado». Brasil de Fato. 13 de maio de 2016. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  3. a b «"O Brasil é um produtor de mães de maio"». Portal Fórum. 22 de abril de 2015. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  4. «Movimento Mães de Maio condena tentativa de votação da redução da maioridade penal na Câmara - Juventude». juventude.gov.br. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  5. Brasil, Lais Modelli De São Paulo para a BBC. «Os crimes que transformaram mães em ativistas contra a violência policial». BBC Brasil. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  6. «Série de reportagens traça um raio-X da impunidade e mostra casos de assassinatos nunca resolvidos - Notícias - R7 Cidades». noticias.r7.com. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  7. a b «Fundadora do Mães de Maio conta como transformou em luta a dor pelo assassinato». Agência Brasil 
  8. Graça, Alice. Da casa às ruas: o movimento de mães em São Paulo. [S.l.]: Mestrado UNIFESP 
  9. a b «Primeira edição do Prêmio Dandara reconhece mulheres 'guerreiras'». Prefeitura Municipal de Santos. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  10. «Em prêmio de direitos humanos, Movimento Mães de Maio defende desmilitarização da polícia». EBC. 12 de dezembro de 2013 
  11. «Prêmio Santo Dias tem cinco vencedores». Jusbrasil 
  12. «ABMP | Conheça os vencedores do Prêmio Direitos Humanos 2013». ABMP | Conheça os vencedores do Prêmio Direitos Humanos 2013. Consultado em 29 de janeiro de 2017