Diamantino Tojal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diamantino Tojal
Nome completo Diamantino Francisco/António Tojal
Nascimento 24 de janeiro de 1897
Morte 23 de fevereiro de 1958
Nacionalidade  Portugal
Ocupação Empresário
Causa da morte Suicídio

Diamantino Francisco/António Tojal OMAI (Lisboa, 24 de Janeiro de 1897/1898[1] - 23 de Fevereiro de 1958), foi um empresário, construtor civil e miniaturista português.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Irmão mais velho de Raul Tojal.

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Possuía o Curso do Instituto Industrial de Lisboa e especializou-se, depois, na Alemanha.[2]

Teve larga actividade como construtor civil, e foi responsável por diversas obras em todo o país, destacando-se e devendo-se-lhe, entre outras, as seguintes obras: a Piscina e o Cinema do clube desportivo Sport Algés e Dafundo, o Instituto Português de Oncologia, hoje com o nome de Instituto Português de Oncologia Francisco Gentil, o Estúdio da Tobis Portuguesa, a Creche do Dr. Manuel António Moreira Júnior, no Alto do Varejão, o Manicómio Júlio de Matos, o Seminário Patriarcal de Cristo-Rei, nos Olivais, conhecido simplesmente por Seminário dos Olivais, a Igreja de Nossa Senhora do Rosário de Fátima, a Igreja de São João de Deus e a Igreja de São João de Brito, a Igreja de Santo António, em Moscavide, a Casa de Repouso dos Inválidos do Comércio, o Hotel Ritz, e o aprofundamento dos Armazéns Grandela, na Rua do Carmo.[3][4] muitas moradias particulares, e outras construções.[2]

Também foi um artista, tendo transformado a sua habitação, na Vila Berta, num Museu.[3] Como miniaturista, distinguiu-se com a miniatura da Procissão do Corpo de Deus.[3], exposta em Lisboa, no Palácio Galveias, em Outubro de 1948, por iniciativa da Câmara Municipal. Sobre este assunto, publicou: A Procissão do Corpo de Deus na 1.ª metade do Século XVIII, Lisboa, 1948.[2]

Durante a Guerra Civil Espanhola, fez parte de um grupo que auxiliou combatentes portugueses feridos, num hospital de Ciudad Real.[5]

A 4 de Março de 1941 foi feito Oficial da Ordem Civil do Mérito Agrícola e Industrial Classe Industrial.[6]

Falecimento[editar | editar código-fonte]

Devido ao facto de sofrer de uma doença terminal, suicidou-se a 23 de Fevereiro de 1958.[3][4]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Em 2008, a autarquia de Sintra deliberou que o seu nome fosse atribuído a um arruamento na Freguesia de Colares.[1]

Referências

  1. a b «Deliberações de 16 de Janeiro a 17 de Dezembro de 2008». Câmara Municipal de Sintra. Consultado em 29 de Outubro de 2012 
  2. a b c d Vários. Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. [S.l.]: Editorial Enciclopédia, L.da. pp. Volume 31. 830 
  3. a b c d «Os nossos mortos» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1685). 126 páginas. 1 de Março de 1958. Consultado em 29 de Outubro de 2012 
  4. a b MAIO, Luís (28 de Abril de 2011). «Ritz - Four Seasons Hotel». Público. Consultado em 29 de Outubro de 2012 
  5. «Panorama» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 71 (1687). 180 páginas. 1 de Abril de 1958. Consultado em 29 de Outubro de 2012 
  6. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Resultado da busca de "Diamantino António Tojal". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 16 de dezembro de 2015