Dicynodontia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaDicynodontia
Ocorrência: Pérmico - Triássico Superior
Lystrosaurus

Lystrosaurus
Estado de conservação
Extinta (fóssil)
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Subfilo: Vertebrata
Superclasse: Tetrapoda
Classe: Synapsida
Ordem: Therapsida
Infraordem: Dicynodontia
Taxonomia
Ver Texto

Dicynodontia é um taxon de terapsídeos ou répteis semelhantes a mamíferos. Dicinodontes eram pequenos ou grandes animais herbívoros, com duas presas, daram o seu nome, que significa "dois dentes de cão". Eles também são os mais bem sucedidos e diversificados do terapsídeos não-mamíferos, com mais de 70 gêneros conhecidos.

Características[editar | editar código-fonte]

Fósseis de filhotes de Dicinodontes.
Modelo de Diictodon.

O crânio dicinodonte é altamente especializado, leve, mas forte, com as aberturas chamadas sinapses temporal na parte traseira do crânio e que são extremamente ampliado, para acomodar grandes músculos da mandíbula. A parte frontal do crânio e da mandíbula geralmente são estreitas e, em todos as formas primitivas e desdentatados. Em vez disso, a frente é equipado com um bico córneo, como as tartarugas e os dinossauros Ceratopsia. O alimento é processado pela retração da mandíbula quando a boca fechada, produzindo uma ação de corte poderoso (Crompton e Hotton 1967), o que teria permitido aos dicinodontes a lidar com materiais vegetais resistentes. Muitos dos gêneros também têm um par de presas, acredita-se ser um exemplo de dimorfismo sexual e os machos tinham presas mais desenvolvidas. (Colbert 1969 p. 137)

O corpo é curto, forte e em forma de barril, com membros fortes. Em gêneros de grande porte (como Dinodontosaurus) com membros posteriores eretos e anteriores semi-eretos. Tanto a cintura escapular e o ílio são grandes e fortes. A cauda é curta.

História evolutiva[editar | editar código-fonte]

Dicinodontes aparecem pela primeira vez durante o Permiano Médio, e passaram por uma rápida disseminação evolutiva, tornando-se a um sucesso e o mais abundante vertebrado do Permiano. Durante esse tempo, eles incluíram uma grande variedade de [ecótipo]s, incluindo grandes, médios e pequenos herbívoros

Apenas duas famílias sobreviveram ao fim da extinção do Permiano, um dos quais, os Lystrosaurus, foram os herbívoros mais comuns e difundido dos Induano (primeiro Triássico). Estes animais de médio porte evoluíram e foram substituídos pelos Kannemeyeridae, animais atarracados, herbívoros e mais abundantes em todo o mundo a partir do Olenekiano. No Carniano foram suplantados pelos cinodontes Traversodontes e pelos Rincossauros. Durante o Noriano (meio do Triássico Inferior), eles diminuíram de número drasticamente, e o papel de grandes herbívoros foi assumida por dinossauros sauropodomorfos.

Dicinodonte gigante do Triássico Superior da Polônia.

Com o declínio e extinção dos Kannemeyeridaes, reduzia o domínio dos grandes herbívoros sinapsídeos até a época do Paleoceno médio, quando os mamíferos, os descendentes dos cinodontes, começaram a se diversificar após a extinção dos dinossauros.

Pensou-se que os dicinodontes desapareceram completamente antes do final do Triássico. Recentemente, foram encontradas evidências que mostram que os dicinodontes sobreviveram até o Cretáceo no sul do Gondwana (Thulborn e Turner, 2003).

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

Eodicynodon, primitivo dicinodonte do Permiano Médio da Africa do Sul.
Kingoria, pequeno dicinodonte daAfrica Upper Permian

Filogenia[editar | editar código-fonte]

O cladograma aqui apresentado segue uma síntese a partir do Mikko's Phylogeny Archive.

Dicynodontia 

Eodicynodon




Colobodectes




Endothiodontidae




Kingoriidae


 Diictodontia 

Robertoidea



Theriodontia



Emydopoidea



 Pristerodontia 

Pristerodontidae




Oudenodontidae




Propelanomodon




Geikiidae




Odontocyclops




Lystrosauridae




Dicynodontidae




Dinanomodon


 Kannemeyeriiformes 

Shansiodontidae



Stahleckeriidae



Kannemeyeriidae
















Referências[editar | editar código-fonte]

  • Carroll, R. L. (1988), Vertebrate Paleontology and Evolution, WH Freeman & Co.
  • Colbert, E. H., (1969), Evolution of the Vertebrates, John Wiley & Sons Inc (2nd ed.)
  • Cox, B., Savage, R.J.G., Gardiner, B., Harrison, C. and Palmer, D. (1988) The Marshall illustrated encyclopedia of dinosaurs & prehistoric animals, 2nd Edition, Marshall Publishing
  • Crompton, A. W, and Hotton, N. 1967. Functional morphology of the masticatory apparatus of two dicynodonts (Reptilia, Therapsida). Postilla, 109:1–51.
  • King, Gillian M., "Anomodontia" Part 17 C, Encyclopedia of Paleoherpetology, Gutsav Fischer Verlag, Stuttgart and New York, 1988
  • -- -- , 1990, the Dicynodonts: A Study in Palaeobiology, Chapman and Hall, London and New York
  • Thulborn, Tony and Turner, Susan, 2003, "The last dicynodont: an Australian Cretaceous relict" Proceedings: Biological Sciences Vol 270, No 1518 / May 7, 2003; pp 985 – 993