Disconnect

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disconnect
Desligados (PT)
Os Desconectados (BR)
 Estados Unidos
2012 •  cor •  115 min 
Direção Henry Alex Rubin
Roteiro Andrew Stern
Elenco Jason Bateman
Hope Davis
Frank Grillo
Michael Nyqvist
Paula Patton
Andrea Riseborough
Alexander Skarsgård
Max Thieriot
Colin Ford
Jonah Bobo
Género Drama
Distribuição LD Entertainment
Idioma inglês
Receita $3.4 milhões[1][2]
Página no IMDb (em inglês)

Disconnect (Desligados (título em Portugal) ou Os Desconectados (título no Brasil)) é um filme de drama estadunidense de 2012 dirigido por Henry Alex Rubin e estrelado por Jason Bateman, Hope Davis, Frank Grillo, Andrea Riseborough, Paula Patton, Michael Nyqvist, Alexander Skarsgård, Max Thieriot e o designer de roupas Marc Jacobs em sua estreia como ator.[3] O filme segue três histórias interconectadas e explora a reação das pessoas às experiências negativas da comunicação moderna. O filme é distribuído pela Outsider Films em Portugal.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A repórter iniciante Nina Dunham, de uma rede de televisão local, começa a trabalhar numa reportagem sobre menores de idade que se exibem com webcams para desconhecidos em sites pagos. Em sua investigação, ela conhece Kyle, um jovem que fugiu de casa e hoje vive em uma casa com outros menores que se exibem na internet sob a chefia de Harvey. Quando concluída, sua reportagem faz sucesso e chega a ser exibida em rede nacional na CNN. Contudo, o FBI logo chega a ela e exige que ela informe tudo o que sabe sobre o esquema criminoso. Como ela teve de pagar Kyle para fazer o primeiro contato, ela fica hesitante, pois sabe que cometeu um crime. Ao mesmo tempo, ela desenvolve afeição por Kyle, e passa a tentar tirá-lo da vida de stripper. Eventualmente, o FBI descobre a casa em que os menores trabalham e Harvey deixa o local às pressas com seus empregados. Nina os segue até o motel onde passam uma noite e tenta convencer Kyle uma última vez a deixar Harvey.

Rich é o consultor jurídico do canal de televisão onde Nina trabalha e é chamado para defender a repórter e a empresa. Seu filho, Ben, tem conversado secretamente no Facebook com uma menina chamada Jessica Rhony, que na verdade é um perfil fake criado por seus colegas de escola Jason e Frye - o plano era apenas fazer uma brincadeira. A suposta garota envia uma foto seminua para Ben e pede que ele faça o mesmo. Após um tempo de hesitação, ele envia para ela uma foto de si mesmo, nu e com as palavras "escravo do amor" escritas em seu corpo. Os garotos recebem a imagem e vazam-na para toda a escola. Ben passa a ser gozado por todos e tenta se suicidar por enforcamento, mas é salvo por sua irmã Haley e acaba em coma. Rich fica obcecado por descobrir o que levou seu filho à tentativa de suicídio e decide pesquisar seu computador. Ele entra em contato com Jessica e passa a inadvertidamente trocar mensagens com Jason. O pai de Jason, Mike, um detetive cibernético, acaba descobrindo o que o filho e seu amigo fizeram e os repreende, embora tente também proteger o filho deletando os arquivos que poderiam incriminá-lo. Posteriormente, Rich descobre que Jason é Jessica e parte para sua casa para confrontá-lo. Chegando lá, ele e Mike discutem e partem para a briga.

Paralelamente a esses acontecimentos, Mike é contratado pelo casal Cindy e Derek, que recentemente perderam um filho, para investigar um criminoso que clonou os cartões de crédito deles e passou a fazer compras em nome deles. Após descobrir que Cindy andou trocando mensagens em um grupo de apoio on-line, Derek localiza o suspeito, Stephen Schumacher, e passa a segui-lo em seu trabalho e em sua casa, chegando a invadir a residência em busca de evidências. Quando Derek está prestes a confrontar Stephen para valer, Mike telefona e os informa que ele não é o criminoso, mas sim uma outra vítima do bandido. Contudo, Sephen, que percebeu os movimentos do casal, surge e os ameaça com uma arma, questionando-os do porquê da perseguição.

O filme mostra então as conclusões das três histórias alternadamente e em câmera lenta: Harvey interrompe a discussão de Kyle e Nina e aplica um tapa no rosto da repórter, que cai; Rich apanha um taco de hóquei para bater em Mike e acerta um golpe no braço de Jason quando este tenta intervir; Derek consegue desarmar Stephen e o leva de volta para sua casa. O filme termina com Nina voltando pela estrada chorando; Mike derrubando Rich, conferindo o estado de Jason e fazendo as pazes com o consultor; e Cindy convencendo Derek a largar a arma ao reconhecer Stephen como colega dela no grupo de ajuda.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção[editar | editar código-fonte]

Faturamento[editar | editar código-fonte]

Disconnect estreou limitadamente em 12 de abril de 2013 em 15 cinemas e fturou $124,000 com uma média de $8,267 por cinema, ficando em 31º no faturamento. O máximo que o filme atingiu em termos de exibição simultânea foi 180 cinemas, concluindo seu faturamento em $1,436,900 nos Estados Unidos e $1,991,148 internacionalmente, totalizando $3,428,048.[2][4]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Disconnect recebeu críticas positivas e tem uma pontuação de 68% no Rotten Tomatoes com base em 75 resenhas com uma nota média de 6,6 de 10. o consenso da crítica é de que "É didático em alguns pontos e melodramático em outros, mas o elenco forte de Disconnect ajuda a fazer dele uma exploração oportuna e eficaz da overdose tecnológica da sociedade moderna."[5] O filme também tem uma pontuação de 64 de 100 no Metacritic com base em 24 críticas indicando "resenhas em geral favoráveis".[6]

Richard Roeper do Chicago Sun-Times deu ao filme nota máxima e escreveu que "mesmo quando as apostas dramáticas são aumentadas ao ponto de música martelante acompanhar cenas em super câmera lenta, violência potencialmente tráfica, "Disconnect" me tocou de um jeito que pouquíssimos filmes fizeram em anos recentes. Eu acreditei nas vidas dessas pessoas. Eu acreditei que elas fariam as coisas drásticas que fazem diante de uma crise. Eu senti dor por elas quando as coisas deram terrivelmente errado e torci para eles quando havia lampejos de esperança. Você deveria ver este filme. Por favor... Não houve um momento durante este filme em que eu pensei em qualquer outra coisa além deste filme."[7]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Disconnect (em inglês) no Box Office Mojo Retrieved May 15, 2013
  2. a b «Disconnect (2013) - International Box Office Results - Box Office Mojo». boxofficemojo.com 
  3. Kilday, Gregg. «Jason Bateman-Hope Davis Drama 'Disconnect' to Open Santa Barbara Film Festival». The Hollywood Reporter. Consultado em 1 de março de 2013 
  4. «Disconnect (2013) - Box Office Mojo». boxofficemojo.com 
  5. «Disconnect». rottentomatoes.com. 12 de abril de 2013 
  6. «Disconnect». Metacritic 
  7. Richard Roeper (11 de abril de 2013). «Disconnect». rogerebert.com 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]