Doença de Wilson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Doença de Wilson
Anel de Kayser-Fleischer, sinal característico da Doença de Wilson.
Classificação e recursos externos
CID-10 E83.0
CID-9 275.1
OMIM 277900
DiseasesDB 14152
MedlinePlus 000785
eMedicine med/2413 neuro/570 ped/2441
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 
Video explicativo legendado

A doença de Wilson ou degeneração hepatolenticular é uma doença hereditária autossômica recessiva cuja principal característica é o acúmulo tóxico de cobre nos tecidos, principalmente cérebro e fígado, o que leva o portador a manifestar sintomas neuropsiquiátricos e de doença hepática. É tratada com medicamentos que reduzem a absorção de cobre (suplementos de zinco) ou removem seu excesso do corpo (quelantes), mas um transplante de fígado pode ser necessário nos estágios tardios.

A taxa de incidência é de 1 em 30.000 pessoas e os sintomas geralmente aparecem entre os 6 e 20 anos de idade, embora casos em pacientes mais idosos têm sido descritos. A enfermidade foi nomeada em homenagem a Samuel Alexander Kinnier Wilson, neurologista britânico que descreveu a doença em 1912.[1]

Causa[editar | editar código-fonte]

É uma doença de herança autossômica recessiva

A doença de Wilson é causada por mutações em um gene do cromossomo 13 que codifica a proteína ATP7B, uma enzima do tipo ATPase que tem a função de secretar o cobre na bile.[2]

Sinais e sintomas[editar | editar código-fonte]

Os principais locais de acúmulo de cobre são o fígado e o cérebro, consequentemente, doença hepática e sintomas neuropsiquiátricos são os principais achados clínicos que levam ao diagnóstico. Os portadores com distúrbio hepático mais proeminente geralmente são crianças e adolescentes, o que permite um diagnóstico e cuidados médicos mais precoces, enquanto que os doentes com predominância de sintomas neurológicos e psiquiátricos, tendem a estar em seus vinte anos de idade ou mais no momento que procuram atendimento médico.

Hepáticos[editar | editar código-fonte]

Hepatite culminando em cirrose é a apresentação hepática mais comum, mas alguns pacientes apresentam falência hepática fulminante.

Cerca de 5% de todos os pacientes são diagnosticados somente quando desenvolvem insuficiência hepática aguda fulminante, muitas vezes no contexto de uma anemia hemolítica (anemia devido à destruição das células vermelhas do sangue). Esta insuficiência hepática se traduz por anormalidades na produção de proteínas (identificada pela redução de fatores de coagulação) e prejuízo ao metabolismo das proteínas no fígado. A dificuldade de metabolização leva ao acúmulo de substâncias tóxicas, como a amônia, na corrente sanguínea. Esses resíduos irritam o cérebro, e o paciente desenvolve encefalopatia hepática (confusão mental, coma, convulsões e hipertensão intracaniana por edema).

Neuropsiquiátricos[editar | editar código-fonte]

Os fenômenos neuropsiquiátricos são demência, psicose e sinais de asteríxis (movimentos anormais, especialmente das mãos) e parkinsonismo (tremores mais evidentes em movimentos finos e lentos).

O quadro clínico inicial mais comum é o do paciente que fala de modo "arrastado" como se estivesse embriagado,e tem marcha de bases alargadas e titubeante, muito embora possa ter domínio perfeito de suas faculdades mentais. Posteriormente, a doença evolui para acometimento da percepção e da cognição (falta de lucidez).

Oculares[editar | editar código-fonte]

Catarata girassol e anéis de Kayser-Fleischer em homem de 40 anos.

O acúmulo de cobre provoca uma mudança na pigmentação dos olhos, na membrana de Descemet, onde é possível verificar o aparecimento de anéis normalmente escuro-avermelhados (podendo apresentar colorações amarelo-esverdeada, marrom-esverdeada, amarelo-dourada ou marrom-dourada) ao redor da íris chamados de anéis de Kayser-Fleischer. A presença dos anéis de Kayser-Fleischer configura uma manifestação oftalmológica característica de pacientes com Doença de Wilson, mas apenas 2 em cada 3 pacientes com Wilson apresentam esse sintoma. A doença de Wilson também está associada a "catarata girassol", uma pigmentação marrom ou verde da cápsula anterior e posterior da lente do olho que causa uma lenta e progressiva redução da visão.[3]

Outros órgãos[editar | editar código-fonte]

Também estão presentes problemas renais (nefrolitíase), oftálmicos (anel de Kayser-Fleischer, catarata), cardíacos (arritmia) e dermatológicos. A anemia por hemólise pode ocorrer em casos severos.

Diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Os níveis de ceruloplasmina são anormalmente baixos (<0,2 g/L) em 80-95% dos casos. Níveis elevados de cobre na urina 24h, 100 μg/24h (ou 1.6 μmol/24h), confirmam intoxicação por cobre. A biópsia de fígado indicando esteatose ou cirrose é o exame mais sensível.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Em geral, recomenda-se uma dieta com baixo teor de alimentos ricos em cobre como cogumelos, nozes, chocolate, frutas secas, fígado e mariscos. Suplementos de zinco reduzem a absorção do cobre.[4]

Geralmente, a D-penicilamina é o primeiro tratamento utilizado. Ela faz quelação do cobre para permitir sua excreção na urina. O monitoramento da quantidade de cobre na urina pode ser feito para garantir que a dose foi suficiente. Porém, em cerca de 20% experimentam parecem efeitos colaterais ou complicação do tratamento com penicilamina, tais como Lúpus eritematoso induzido por drogas (causando dores nas articulações e erupção cutânea) ou miastenia (fraqueza muscular). Naqueles que apresentaram sintomas neurológicos progressivamente piores, deve-se descontinuar o tratamento e usar outro quelante como cloridrato de trientina ou dimercaprol IM.[5]

Em caso de insuficiência hepática severa, um transplante de fígado é a única cura efetiva.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Samuel Alexander Kinnier Wilson». Who Named It?. Consultado em 21 de junho de 2010 
  2. Das SK, Ray K (2006). «Wilson's disease: an update». Nat Clin Pract Neurol. 2 (9): 482–93. PMID 16932613. doi:10.1038/ncpneuro0291 
  3. Yanoff, Myron; Jay S. Duker (2008). Ophthalmology (3rd ed.). Edinburgh: Mosby. p. 411. ISBN 978-0323057516.
  4. Ala A, Walker AP, Ashkan K, Dooley JS, Schilsky ML (2007). "Wilson's disease". Lancet. 369 (9559): 397–408. PMID 17276780. doi:10.1016/S0140-6736(07)60196-2.
  5. Roberts, Eve A.; Schilsky, Michael L. (2003). "A practice guideline on Wilson disease" (PDF). Hepatology. 37 (6): 1475–92. PMID 12774027. doi:10.1053/jhep.2003.50252.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]