Ducado raiz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Sacro Império Romano-Germânico, por volta do ano 1000

Um ducado raiz ou ducado tribal (em alemão: Stammesherzogtum, literalmente ducado raiz) era, essencialmente, os domínios das antigas tribos germânicas na área associada com o Reino dos francos, especialmente a leste, durante o início da idade média. Finalmente, quando a Frância Oriental começa a formar o Sacro Império Romano-Germânico,[1] as áreas tribais antigas assumiram novas identidades como subdivisões do Império, incorporando Lorena (devidamente Media de França).[2] Os ducados mais tarde, não tinham definidos os limites administrativos de forma precisa, mas a área ocupada pelas principais tribos germânicas. Seus duques, portanto não foram os Administradores Reais, nem Senhores Territoriais.

Antigos ducados raiz[editar | editar código-fonte]

Os ducados raiz eram regiões habitadas por tribos germânicas que foram associados com o Reino dos francos. Os ducados foram entidades que entidades mais ou menos independentes dirigida por líderes locais que tinham adquirido o título de Herzog (o equivalente a duque). Todos eles foram abolidos durante o início da Dinastia carolíngia.

Estes ducados raiz eram:

  • Alamania (ou Suábia): os alamanos caíram sob domínio dos francos por volta de 539 e sendo conduzidos por vários duques até 746 quando o Mordomo Carlomano dissolveu o ducado com o Massacre de Cannstatt.
  • Baviera: subjugado pelos francos em 550 e eram governados pelos agilofingos até 788, quando Carlos Magno retira do poder o último duque.
  • Saxônia: os saxões estavam relativamente associados aos francos na época merovíngia, mas na prática independente, até que eles foram submetidos por Carlos Magno, durante as Guerras dos Saxões (772-804).

Novos ducados raiz[editar | editar código-fonte]

o Reino da Frância Oriental (919) com os novos Ducados Tribais:
Saxônia em amarelo, Francônia em azul, Baviera em verde, Suábia em laranja claro, e Lotaríngia em rosa

Após o desaparecimento dos ducados raiz, o carolíngios administraram estas regiões através de condes e preceptores ou ocasionalmente entregaram o poder a um membro da Dinastia, como no caso de Luís, o Germânico, na Baviera. Após a divisão do Reino Franco nos Tratados de Verdum (843), Meerssen (870) e Ribemont (880), França Oriental estava composta pela Baviera, Alamânia e Saxônia juntamente com a parte oriental do território franco. O Reino foi dividido entre os filhos de Luís, o Germânico, em grande parte ao longo das linhas das tribos em 864-865. Poder real desintegrou-se rapidamente após a 899 sob a liderança de Luís IV de Alemanha, que permitiu que os magnatas locais reviverem os Ducados como entidades autônomas e levar suas tribos sob a autoridade suprema do Rei. Depois que o ramo oriental dos Carolíngios foi extinguido, em 911, os Duques competiram pela coroa, primeiro com os Francos Conradinos (911) e, finalmente, com o triunfo do otonianos saxões. Embora o governo forte destes e de seus sucessores foram, muitas vezes reduzidos de duques para simples Tenentes Reais, novamente, os Ducados Tribais permaneceram praticamente intactos até o reinado da Dinastia de Hohenstaufen.

  • Ducado da Saxônia (880-1180): A Casa de Liudolfinga (Dinastia Saxã ou Otoniana), ocuparam a administração da Saxônia, e ascendeu até à posição de Duques e, séculos mais tarde, o título de Rei após a 919. No século XI, o ducado foi liderado pelo Bilungos, e depois de 1137 a Casa de Guelfo dominou o Ducado. A queda do Duque Henrique, o Leão, em 1180, o ducado foi dividido em três partes menores: o Ducado de Vestfália, o Ducado de Brunsvique-Luneburgo e o Ducado da Saxônia (este em torno do Rio Elba).
  • Ducado da Francônia (906-939): a família de Conradina, próxima da Corte Real, ganhou hegemonia ducal na Francônia, mas falhou na unificação da região. Depois de alcançar a Coroa Real em 911, tiveram de ceder o trono para a Casa de Liudolfinga. Depois de uma fracassada rebelião, os Conradinos foram depostos e o Ducado tornou-se uma Possessão da Coroa. A região foi assim dividida em um conglomerado de principados eclesiásticos e territórios feudais.
  • Ducado da Baviera (907-1180): a dinastia luitpoldinga, responsável pela defesa da Marca de Caríntia, ascendeu à posição de Duques. Eles foram sucedidos por um ramo da dinastia Liudolfinga, e finalmente pelos Guelfos, cujas lutas contra os Reis da Dinastia de Hohenstaufen ocasionou a separação da Baviera da Áustria (1156), Estíria e do Tirol (1180). O reduzido território ducal foi entregue à família de Wittelsbach.
  • Ducado da Suábia (909-1268): a Hunfridingos estabelecidos em Turgóvia primeiro adquiriu a posição dos Duques, mas logo a perdeu em suas lutas contra os Reis Liudolfingos. Depois de passar por várias famílias, o Ducado passou para a Casa de Hohenstaufen, em 1079. Sua ascensão à Coroa Real da Suábia um suporte da Coroa, mas a sua queda no século XIII levou a Suábia para a completa desintegração e os pedaços foram dominados pelas Famílias Wittelsbach, Vurtemberga e Habsburgo.
  • Ducado da Lorena (903-959): como uma peça central o Reino Franco e com uma identidade tribal essencialmente franca, a Lotaríngia foi organizada como um Ducado em 903 e manteve uma posição cambiante entre os Reinos de Frância Oriental e de Frância Ocidental até o ano de 939, quando finalmente foi incorporada ao Reino da França Oriental. Em 959 o Ducado foi dividido em Baixa Lotaríngia (que por sua vez foi dividida ainda mais) e Alta Lotaríngia (parte da qual resultaria no atual território francês da Lorena).

Ducados raiz em França[editar | editar código-fonte]

Historiadores alemães têm limitado, normalmente, o termo do Ducado de Raiz ou Tribal do Reino da França Oriental devido a sua diversidade de tribos germânicas, ao contrário do Reino romanizado e mais padronizado do Oeste da França, cujos ducados foram considerados unidades regionais de administração sem coesão étnica. No entanto, de acordo com Flach[3] e Kienast[4], os Ducados da França (Bretanha, Normandia, Gasconha, Aquitânia e Borgonha) também tinham bases étnicas antes os Reis Franceses começaram a criar Ducados no século XIV. A natureza e o papel dos Ducados Tribais Germânicos caracterizam-se agora diferenciando-os como os antigos Ducados da França.

Referências

  1. «FRANCIA, the Franks, France, Burgundy, Italy, Germany». Friesian.com. Consultado em 21 de maio de 2014 
  2. «Germany, the Stem Duchies & Marches». Friesian.com. 13 de fevereiro de 1945  Parâmetro desconhecido |acessoo= ignorado (ajuda)
  3. J. Flach, Origines de l'ancienne France.
  4. W. Kienast, Der Herzogstitel in Frankreich und Deutschland (9. bis 12. Jahrhundert. 1968.