Economia de Barra Mansa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

A economia de Barra Mansa conta com uma ocupação de mão-de-obra de cerca de 15 mil pessoas. O setor industrial apresenta crescimento de micro e pequenas empresas, responsáveis por 60% dos empregos nesta área. Levando-se em conta a proximidade entre os municípios e a facilidade de locomoção criada por estes fatores, o setor industrial da região tornou-se um dos mais importantes do estado do Rio de Janeiro, dados o grande porte das instalações e a conseqüente presença das empresas fornecedoras de insumos, das prestadoras de serviços e das que terceirizam as operações das grandes empresas.

Setor primário[editar | editar código-fonte]

Cafeicultura[editar | editar código-fonte]

A produção de café em nossa região surge no início do século XIX, quando ocorre o esgotamento das reservas de ouro de Minas Gerais e o plantio de cana-de-açúcar sofre sucessivas crises motivadas pelo mercado internacional.

Em Barra Mansa foram encontradas as condições ideais para o cultivo do café: solo fértil, altitude adequada e mão de obra escrava ociosa vinda da mineração. Rapidamente alastrou-se ao longo do vale do Rio Paraíba uma das mais promissoras atividades econômicas do Brasil: o chamado ciclo do café. Ainda em nossos dias podemos encontrar em Barra Mansa a imagem daqueles tempos na presença de antigas fazendas que resistiram ao tempo, integrando um importante acervo arquitetônico que mantém viva a memória histórica de nossa terra. É a casa grande destacando-se na paisagem, fronteira ao terreiro de secagem do café; são as tulhas, os depósitos e as senzalas.

O neoclassicismo, em moda na Europa, vem influenciar tanto a arquitetura da corte quando a das fazendas. Inúmeros são os cômodos das fazendas interligados por corredores. A personalidade sofisticada dos barões refletiu-se nas feições palacianas que davam às suas residências rurais.

A produção regional ganha tal vulto que são necessárias medidas administrativas para atuar na solução dos problemas de exportação de café. O Governo Federal resolve escolher Barra Mansa como pólo de armazenamento e distribuição da produção cafeeira regional, dadas a características locais que facilitavam a implantação da logística necessária à movimentação da produção estocada visando a exportação. Grandes galpões são construídos para abrigar milhares de toneladas de café. A movimentação é intensa, até que no correr da década de 1930, dadas as crises de mercado geradas pela superprodução, o governo vê-se obrigado a modificar os rumos da economia brasileira, de agro–exportadora, passando a urbano-industrial. Merece destaques a tradição de Barra Mansa como centro de distribuição da produção econômica que permanece até hoje.

Olericultura[editar | editar código-fonte]

Apresentando uma expressiva área de produção de olerícolas, o bairro de Santa Rita de Cássia, possui características estritamente agrícolas, destacando-se como maior produtor de folhosas do Sul Fluminense. Com uma ampla base produtiva a comunidade apresenta cerca de 150 produtores em áreas de dimensões variadas. As principais espécies cultivadas são a alface e a couve, mas ainda podemos encontrar cultivos de repolho, brócolis, vagem, quiabo e pimentão. Com a manutenção da estufa chega a produzir 1.800.000 mudas por mês. Uma parcela de 70% é comercializada nos supermercados da região e 30% em feiras livres. Com a expressiva produção anual de 1.173 toneladas tem um rendimento de R$5.278.500,00

Os agricultores de Santa Rita são filiados à APASRRICA (Associação dos produtores de Santa Rita de Cássia), tutora do “Programa Nossa Merenda”, de Barra Mansa e Volta Redonda cujas hortas geram empregos para 650 pessoas.

No Distrito de Amparo existe a APRONAM (Associação dos Produtores de Nossa Senhora do Amparo), voltada para a melhoria da qualidade da produção: eletrificação, estradas, escolas e cursos em conjunto com a EMATER/RJ, Cooperativa Agropecuária de Amparo, Secretaria Municipal de Agricultura e Sindicato Rural. A APRONAM encarrega-se, também, da promoção da Feira da Roça e dos eventos Torneio Leiteiro e Cavalgada.

Bovinocultura[editar | editar código-fonte]

O rebanho bovino conta com cerca de 36.120 cabeças, das quais 28.485 são de leite e 7.675 de corte. Barra Mansa destaca-se como uma das principais bacias leiteiras do sul fluminense, atuando centralizada na pequena e média propriedade familiar. A produção anual de leite atinge 22.500.00 litros, apresentando elevada produtividade por animal, chegando a duas vezes a média nacional. Dentro de sua rede de empresas do setor lácteo, destaca-se a Cooperativa Agropecuária de Nossa Senhora do Amparo, situada no distrito de mesmo nome, operando também com leite oriundo de outros municípios: Quatis, Valença, Barra do Piraí e Volta Redonda. Uma referência especial cabe à Beneficiadora de Produtos Lácteos Nestlé S. A que, desde a sua instalação no município, em 1937, mantém níveis invejáveis de produtividade. Atualmente, dedica-se a fabricação de produtos refrigerados como: iogurtes, requeijão e queijo tipo Petit-Suisse.

Bovino de Corte[editar | editar código-fonte]

O município de Barra Mansa não apresenta uma área tão expressiva para a produção de bovino de corte se comparada com áreas tradicionalmente produtoras, mas a partir daí a necessidade de se tornar a exploração de bovinos de corte mais competitiva dentro do mercado de carnes está abrindo uma grande perspectiva para nossa pecuária, a produção de "Novilho Precoce", na qual se busca a redução da idade de abate dos machos bovinos, associada à redução da idade à primeira cria das fêmeas (novilhas) e à redução do intervalo entre os partos das vacas. A produção média de carne é de 512 toneladas/ano.

Defesa Sanitária Animal

O município através da Gerência de Defesa Agropecuária, presta apoio aos pequenas produtores rurais, promovendo campanhas de vacinação de erradicação e controle das principais doenças animais, como aftosa, raiva e brucelose. Abrangendo próximo a 100% da cobertural vacinal.

Inseminação artificial

A inseminação artificial tornou-se uma das mais importantes técnicas disponíveis para o melhoramento genético do gado bovino. O trabalho é desenvolvido por profissionais autônomos sendo também, um serviço prestado pelas cooperativas agropecuárias. No ano de 2001 foram atendidos 28 propriedades, com um total de 921 vacas inseminadas.

Avicultura[editar | editar código-fonte]

A avicultura é uma atividade onde o tamanho da propriedade não é o principal. Pode ser adequada ao espaço disponível, sendo um negócio dinâmico cujos avanços tecnológicos e genéticos surgem cada vez mais rápidos. O desenvolvimento da avicultura no município é atribuído principalmente a uma associação entre genética, nutrição, manejo e sanidade, aliada ao grande interesse do setor avícola em obter melhores índices de produtividade adotando, constantemente, novas tecnologias.

Barra Mansa é um importante pólo de criação de frangos de corte. Além de abastecer integralmente o município, produz o suficiente para fornecer aos mercados do Rio de Janeiro e São Paulo. Entre grandes, médios e pequenos criadores, a produção chega próxima a 500 mil cabeças a cada ciclo de engorda.

As Fazendas Reunidas Antônio Rocha, situadas em Ataulfo de Paiva, são as principais produtoras avícolas do município, contando com amplos e modernos galpões equipados com ventiladores, alimentadores automáticos, rações próprias, bebedouros modernos e geradores de energia elétrica. Produz, em média, 180.000 cabeças, por ciclo de engorda. O abate, em nível industrial, é centralizado na empresa RICA, sediada no vizinho município de Rio Claro, de onde é exportada a carne para os grandes centros.

Caprinocultura[editar | editar código-fonte]

Em Barra Mansa pelo seu relevo movimentado a Caprinocultura tem sido uma atividade crescente, mesmo que ainda incipiente, apresentando um plantel de animais de alto padrão genético e alta produtividade. A raça predominante é a Saanen. Com um rebanho de 150 cabeças, a produção anual de leite chega a 33.675 litros.

Aqüicultura[editar | editar código-fonte]

A busca por carnes mais saudáveis e nobres, além do crescimento das atividades de lazer tipo “pesque-pague”, está levando a piscicultura a tomar grande impulso no município. A Secretaria de Agricultura de Barra Mansa junto com a EMATER-RJ e o governo do estado, implementaram a extensão do Pólo de Piscicultura do Sul Fluminense aos produtores do município, criando suporte para o desenvolvimento dessas atividades. O programa consiste na construção de tanques, capacitação dos produtores e técnicos e implantação de entreposto para industrialização e comercialização. Abrangerá produtores em toda a extensão do município, tornando-se uma boa alternativa de desenvolvimento econômico. Contando com 6 novos produtores atendidos pelo programa perfazendo uma área de 9.250m² de espelho de água em cultivo.

A Fazenda São Lucas do Brandão conta com doze represas que perfazem um total aproximadamente de 8m² de lâmina d'água, cultivando as espécies: carpa, (capim, húngara, espelho, vermelha, cabeça grande), tilápia (nilótica, tailandesa, vermelha sait-peter), traíra, curimbatá, surubim (pintado), piauçu, tambacu, dourado e pacu.

Recentemente, no distrito de Amparo, desenvolve-se a implantação de criadouro com certificação nacional, de jacarés de papo amarelo, com as finalidades de comercialização e preservação da espécie.

Eqüinocultura[editar | editar código-fonte]

A Fazenda da Bocaina mantém significativos plantel de cavalos Mangalarga, estando presente nos principais eventos nacionais referentes à raça. O empenho dos proprietários no sentido de manter elevado os padrões genéticos tem sido o principal fator do seu sucesso como importante criatório do Mangalarga na região.

No Haras Paraíso, anexo à Fazenda Paraíso, podem ser encontrados animais das raças Quarto de Milha e Mangalarga. Além das qualidades genéticas dos animais, indispensáveis às suas finalidades (trabalho e esporte), o haras mantém curso de laços e três tambores, oferecendo também, serviços de aluguel de baias e de doma racional.

Setor secundário[editar | editar código-fonte]

Barra Mansa possui um parque industrial forte e diversificado. Contando com uma ocupação de mão-de-obra de cerca de 15 mil pessoas, o setor industrial vem apresentando crescimento de micro e pequenas empresas, que são responsáveis por 60% dos empregos nesta área.

No sentido de apoiar essas empresas, existe o Balcão SEBRAE. Instalado na Associação Comercial, atende diariamente cerca de 50 pessoas.

O número de empresas industriais em Barra Mansa chega a 528 unidades.[1]

Setor terciário[editar | editar código-fonte]

Barra Mansa possui um forte e tradicional centro comercial[2], concentrado principalmente na avenida Joaquim Leite, coração da cidade, possuindo lojas variadas e dois shopping centers. Também há muito movimento em ruas adjacentes, como a avenida Domingos Mariano, famosa por seu comércio moveleiro.

Em alguns bairros despontam áreas comerciais de menor porte, como em Saudade, Ano Bom, Vila Nova e Santa Clara, sendo os dois últimos localizados em pontos periféricos, transformando-se numa opção mais acessível para as populações das áreas afastadas do centro.

Outra atividade que vem crescendo no município é o setor hoteleiro, que ganhou impulso após a criação da Flumisul, Feira Internacional de Negócios do Sul Fluminense. Empresários e representantes de países de todo o mundo vêm até o município para participar da Feira, que, desde sua primeira edição, em 1999, vêm servindo de porta de entrada de investimentos não só para Barra Mansa como toda a região.

Transporte[editar | editar código-fonte]

O município, dispõe de parte significativa da bacia hidrográfica do rio Paraíba do Sul e está servida pelo mais importante tronco ferroviário do país. Conta ainda com um excelente sistema rodoviário, que faz as ligações com as principais capitais e cidades do sudeste do Brasil, tendo a Rodovia Presidente Dutra (BR-116) em seu eixo central.

O município é servido por ferrovias e rodovias que permitem a comunicação não só com outros municípios fluminenses, mas também com São Paulo e Minas Gerais. Destacam-se a rodovia Presidente Dutra e a rodovia Lúcio Meira (BR-393), que possibilitam a ligação da região com a BR-040 (Rio-Belo Horizonte). Adicionalmente, a RJ-155, em trecho correspondente à BR-494, acessa Rio Claro e Angra dos Reis, no litoral Sul do Estado.

O principal terminal de ônibus da cidade é a "Rodoviária Comendador Geraldo Osório", localizada no centro da cidade. Por este terminal passam diversas linhas intermunicipais e interestaduais ligando Barra Mansa a outras cidades da região e também às principais capitais do país. Há um projeto para transferir este terminal rodoviário principal para um terreno às margens da Rodovia Presidente Dutra, visando melhorar o fluxo de veículos no centro e atender à demanda de novos itinerários.

Existem no município outros três terminais de ônibus, que atendem às linhas de ônibus urbanos do município, cada um servindo de base operacional para as empresas que operam as linhas municipais, sendo elas:

  • Viação São João Batista, operando na região à margem esquerda do Rio Paraíba do Sul
  • Colitur, operando na região situada à direita da Rodovia Presidente Dutra
  • Auto Comercial de Barra Mansa, operando na região situada entre o Rio Paraíba do Sul e a Rodovia Presidente Dutra

O município também é um importante entroncamento ferroviário, recebendo trilhos das antigas SR-2 e SR-3 da RFFSA, sendo operadas pela Ferrovia Centro Atlântica e pela MRS Logística.

Apesar do município não possuir aeroporto, seu código IATA é "QBN".

Turismo[editar | editar código-fonte]

  • Fazenda Bocaina - localizada na Estrada Barra Mansa / Bananal, possui arquitetura rural do século XIX. Apresenta um estado de conservação muito bom e um portão de acesso ao jardim, cujo trabalho de serralheria merece destaque.
  • Fazenda Santo Antônio - construída no início do século XIX, apresenta planta e fachada bem características das fazendas de café. Encontra-se em precário estado de conservação e precisa de obras urgentes de recuperação.
  • Fazenda da Posse - a primeira construção erguida em Barra Mansa data de 1764. Trata-se de um casarão em estilo colonial, totalmente restaurado, um marco do surgimento do município. Atualmente, funciona como Centro Cultural, abrigando cursos e exposições de arte.
  • Fazenda Criciúma - a Fazenda foi construída em 1872, pelo fazendeiro de café e empresário, com atividades comerciais na França, Manoel Gomes de Carvalho (Barão do Rio Negro). Criciúma foi uma das mais importantes produtoras de café da região. Ao longo dos anos, a construção histórica sofreu pequenas modificações, mantendo algumas linhas arquitetônicas que lembram o Palácio Rio Negro de Petrópolis.
  • Fazenda Sant’ana do Turvo - construída em 1826, por Joaquim Manuel de Carvalho (primeiro Barão de Amparo), foi a maior produtora de café na região. Na época, ocupando uma área de 700 alqueires e possuindo 250 escravos, chegou a produzir, anualmente, 180 mil arrobas de café. Em bom estado de conservação, é um dos bons exemplos da arquitetura rural do século XIX, contando com 12 quartos, três salões e outras dependências. Localiza-se no limite com o distrito de Nossa Senhora do Amparo, o que faz com que seja considerada parte daquele distrito.
  • Fazenda Rochinha - cuidadosamente restaurada, mantém as características da arquitetura do final do século XVIII, quando o chamado estilo colonial marcava as construções rurais. Desde 1902, destaca-se pela excelência de sua cachaça artesanal, ROCHINHA, comercializada em todo o Brasil e com adiantados projetos de exportação.
  • Fazenda São Lucas Brandão - pertenceu inicialmente ao comendador Lucas Antônio Monteiro de Barros, benfeitor do município que deu início à construção da Câmara Municipal de Barra Mansa. Durante o ciclo do café, destacou-se como uma das principais produtoras da região. Sua sede data do final do século XIX, encontrando-se em bom estado de conservação.
  • Hotel Fazenda Sertãozinho - oferece suítes, café da manhã, salão de jogos, piscina, sauna, quadras de vôlei e campos de futebol, pesque-pague, passeios a cavalo e caminhadas, comidas típicas caseiras e instalações para festas de confraternização. O acesso é mais fácil pelo Distrito de Rialto.
  • Fazenda Ribeirão Claro - foi construída em 1845, por João Chrisóstomo de Vargas, no melhor estilo da época. Um imponente solar mantém o traçado e mobiliário originais, conservando sua autenticidade pelas gerações seguintes.
  • Artesanato Stella Carvalho - construído pela Associação das Damas de Caridade de Amparo, em 1981. Entre seus objetivos estão o incentivo às habilidades artesanais e a facilitação do acesso ao mercado de vendas, cujos resultados revertem para as artesãs, como uma espécie de cooperativa. O projeto foi do Engenheiro Luiz Roberto Correia Reche e mostra uma fachada com esquadria em estilo colonial, mantendo o clima do cenário histórico de Amparo. As colchas de retalhos produzidas pelo artesanato são famosas, conhecidas inclusive em outros países, tornando-se um referencial de Amparo.

Referências

  1. «Indústrias». Prefeitura Municipal de Barra Mansa. 2009. Consultado em 26 de março de 2009 
  2. «Barra Mansa-RJ (ver fotos e texto, post n.º 17: www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=611961)». SkyscraperCity. 21 de abril de 2008. Consultado em 26 de março de 2009