Efeito Auger

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ilustração esquemática do efeito Auger: a interação de um elétron com um átomo dá origem a uma lacuna no nível 1s, que é ocupada por um elétron do nível 2s. A energia liberada nessa transição é absorvida por um elétron do nível 2p, que é ejetado.

O Efeito Auger consiste numa transição eletrônica que ocorre quando um átomo ejeta um elétron sem haver a emissão de fótons. Inicialmente, é um fenômeno físico onde um átomo neutro libera um elétron de sua camada eletrônica, provocando a emissão de outro elétron. Esta condição ocasiona uma vaga (um buraco) no átomo que pode ser preenchido por outro elétron proveniente das camadas eletrônicas externas. Esta transição é acompanhada da ejeção de um elétron com energia cinética.[1]

Descoberta[editar | editar código-fonte]

Mesmo sendo atribuído ao efeito o nome de um de seus descobridores, o físico francês Pierre Victor Auger, considera-se que este processo de emissão foi oficialmente descoberto em 1922 pela física austríaca Lise Meitner, como "efeito colateral" de uma de suas pesquisas competitivas com o físico britânico Charles Drummond Ellis. Meitner buscava compreender as interaçoes dos elétrons beta nucleares.[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Estudo do efeito Auger em moléculas pela teoria das colisões inelásticas – I» (PDF). Instituto de Ciências Exatas. Universidade de Alfenas. Consultado em 13 de dezembro de 2011 
  2. «Lise Meitner (1878 - 1968)» (em inglês). Atomic archive. Consultado em 13 de dezembro de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]