Electroclash

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Electroclash
Origens estilísticas
Contexto cultural meados da década de 1990,[2] Países Baixos, França, Áustria, Alemanha (Munique[5]) e Estados Unidos (Detroit e Cidade de Nova Iorque[6])
Instrumentos típicos
Popularidade Underground no mundo inteiro, seguidores de cultos na Europa por volta de 2000
Subgêneros

Electroclash (também conhecido como synthcore, retro-electro, tech-pop, nouveau disco e a new new wave[3]) é um gênero de música que funde new wave e electro dos anos 1980, synth-pop com o techno dos anos 90, electropop e electronic dance music.[4][7][8] Surgiu no final dos anos 90 e costuma ser considerado como atingindo seu pico por volta de 2002/2003. Foi pioneira e associada a atos como I-F, Miss Kittin, The Hacker e Fischerspooner.[9][10]

Terminologia e características[editar | editar código-fonte]

O termo eletroclash descreve um movimento musical que combina synthpop, techno, punk e performance artística. O gênero reagiu às rígidas formulações da música techno, enfatizando a composição, o carisma e o senso de humor,[4] descritos pelo The Guardian como um dos "mais significativos distúrbios da história da dance music".[11] A estética visual do eletroclash foi associada ao filme cult de 1982, Liquid Sky.[12] DJ Hell é amplamente creditado como inventor e nome do gênero,[13][14][15] enquanto o DJ e promotor Larry Tee posteriormente popularizou o termo nos EUA, nomeando o Electroclash 2001 Festival em Nova Iorque[16] depois dele.[17][8]

História[editar | editar código-fonte]

O Electroclash surgiu no final dos anos 90. Foi criado pelo I-F com sua faixa de 1997 "Space Invaders Are Smoking Grass"[4][18] e também a dupla musical francesa Miss Kittin & The Hacker, que estava "montando e definindo a cena do eletroclash"[9] com as canções "1982" e "Frank Sinatra", que foram lançados pela primeira vez em 1998 pelo DJ Hell, e pela gravadora International DeeJay Gigolo Records,[10][19] que tem sido chamada de "célula germinativa" e "A casa" do Electroclash.[20][21]

Como seus primeiros artistas vieram de muitos países, o electroclash é um movimento que surgiu internacionalmente,[22][4] mas foi reunido e orientado por empresários como o chefe da gravadora DJ Hell e o promotor Larry Tee.[23][24] Devido ao seu fator de lixo e glamour, tornou-se um fenômeno urbano com seus centros em Berlim, Nova Iorque, Londres e Munique,[23][25] mas diz-se que o hype do eletroclash foi repetido novamente por 2003.[25] Nos EUA, chamou a atenção da mídia, quando o Festival Electroclash foi realizado em Nova Iorque em outubro de 2001 para "fazer uma descoberta local com essa cena, apresentando um grupo seleto de artistas superstar e pioneiros da Europa e dos EUA".[16][26] O Electroclash Festival foi realizado novamente em 2002, com subsequentes turnês ao vivo nos EUA e na Europa em 2003 e 2004. Outros artistas notáveis ​​que se apresentaram nos festivais e turnês subsequentes incluem: Scissor Sisters, ADULT., Erol Alkan, Mount Sims e Tiga.

Crítica[editar | editar código-fonte]

A etiqueta electroclash e o hype em torno dela foram duramente criticados por alguns de seus aclamados protagonistas no início dos anos 2000. Por exemplo, a IF e outros artistas assinaram um "Anti-Electroclash-Manifest", no qual se queixavam do esgotamento do estilo por aqueles que "governavam as ondas da mídia" e apenas "vendiam o antigo pacote recém-embalado".[23][27] Em 2002, Toktok vs. Soffy O. afirmou que quando foram questionados sobre o eletroclash, eles apenas pensaram que "isso nada mais é do que sabemos há pelo menos cinco anos e o que agora está atingindo o pico de reciclagem pela terceira ou quarta vez".[27]

Referências

  1. David Madden (2012). «Crossdressing to Backbeats: The Status of the Electroclash Producer and the Politics of Electronic Music» (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  2. a b Ishkur. «Ishkur's guide to Electronic Music» 
  3. a b Susan Carpenter. «New Songs, Old Beats». The Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  4. a b c d e D. Lynskey. «Out with the old, in with the older». Guardian.co.uk (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  5. Hecktor, Mirko; von Uslar, Moritz; Smith, Patti; Neumeister, Andreas. Mjunik Disco – from 1949 to now (em alemão). [S.l.: s.n.] p. 8. ISBN 978-3936738476 
  6. Reynolds, Simon (2013). Energy Flash: A Journey Through Rave Music and Dance Culture. Soft Skull Press (em inglês). [S.l.: s.n.] 
  7. «The Electroclash Mix by Larry Tee». Entertainment Weekly (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  8. a b Kellman, Andy. «Larry Tee Biography on Yahoo! Music». Yahoo! Music (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  9. a b Juzwiak, Richard Moroder. «Electroclash: In Limousines We Have Sex/In NYC We Have Clash - Article». Stylus Magazine (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  10. a b Gagne, Justin. «Velle - Couture Soundtracks - Winter 2010». Velle (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  11. "The female techno takeover", The Guardian, 24 de maio de 2008
  12. "The Great Electroclash Swindle". Retrieved August 10, 2008.
  13. «The gentleman of electronic music». Pure FM (em alemão). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  14. «DJ Hell – Electronic Music Megastar». FAZEmag (em alemão). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  15. Créditos do álbum Bienvenue au club: 25 ans de musiques électroniquesmedium=Motion picture.
  16. a b «Electroclash 2001 Festival: Bringing Innovative Music to NYC». FREEwilliamsburg, Issue 19, 2001 (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  17. Paoletta, Michael. «Nü-Electro Sound Emerges». Billboard (em inglês). 30 (114). Nova Iorque: Nielsen Business Media Inc. p. 66–68. ISSN 0006-2510 
  18. «I-f – Space Invaders Are Smoking Grass». Discogs (em inglês). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  19. «Miss Kittin And The Hacker* - Champagne! E.P.». Discogs (em inglês). Zinc Media, Inc. Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  20. Sources:
  21. «DJ-Hell-Interview-Power-and-innovatio» 
  22. Von Kraehahn and Christoph Dallach. «Warmed up cold - The revival takes place after all: Ladytron turn the sounds of the eighties into electroclash». Spiegel Online (em alemão). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  23. a b c Andreas Hartmann. «The Great Gigolo Swindle». Die Tageszeitung (em alemão). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 
  24. Kleinfeld, Justin. «Artist Spotlight:Tiga». CMJ New Music Report (em alemão). 74 (799). The CMJ Network Inc. p. 20. ISSN 0890-0795 
  25. a b Harris, John (2009). Hail! Hail! Rock'n'Roll: The Ultimate Guide to the Music, the Myths and the Madness. Sphere (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 78 
  26. Quinnon, Michael: "Electroclash". World Wide Words, 2002
  27. a b Sonja Eismann. «The moment after: Toktok vs. Soffy O.». Intro Magazine (em alemão). Consultado em 8 de fevereiro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]