Eleição de liderança do Partido Conservador de 2022

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Líder do partido e primeira-ministra, Liz Truss.

A eleição da liderança do Partido Conservador de 2022 foi realizada de julho de 2022 até o início de setembro de 2022 para determinar o sucessor de Boris Johnson como líder do Partido Conservador.[1]

Em julho de 2022, o maior número de ministros do governo renunciou na história britânica e muitos deputados anteriormente favoráveis pediram que Johnson renunciasse após o escândalo de Chris Pincher, culminando em uma crise do governo. Como resultado, em 7 de julho de 2022, Johnson anunciou que renunciaria ao cargo de líder do partido, mas disse que permaneceria no líder do partido e primeiro-ministro até que um sucessor fosse escolhido.[2]

A votação ocorreu entre 13 de julho e 2 de setembro. Após uma série de votações no parlamento, a lista de candidatos foi reduzida a Liz Truss, até então Secretária de Relações Exteriores e Ministra da Igualdade sob a liderança de Boris; e Rishi Sunak, que atuou como Chanceler do Tesouro até 5 de julho. Em 5 de setembro, Truss foi eleita para liderar o partido e assumiu o cargo de primeira-ministra em 6 de setembro.[3][4]

Procedimento[editar | editar código-fonte]

O processo de eleição de um novo líder é dividido em três etapas. Na primeira, é desencadeado um concurso de liderança. Como Johnson renunciou, a constituição do partido diz que ele não é elegível para concorrer na disputa que se segue.[5]

Na segunda, o Comitê de 1922 deve apresentar uma escolha de candidatos para ser líder.[5] Os detalhes exatos de como esse estágio funciona são determinados pelo Comitê de 1922, após consulta ao Conselho do Partido Conservador.[5] Esta etapa não se aplica se apenas um candidato for indicado, caso em que essa pessoa é declarada líder.[5] Em 2019, os parlamentares conservadores realizaram uma série de votações até sobrarem apenas dois candidatos, com os candidatos excluídos por receberem menos votos em cada rodada, não cumprirem uma cota de votos em cada rodada ou desistirem.[6]

Finalmente, na terceira fase, quando restam apenas dois candidatos, os membros do partido conservador votam entre eles na base de "um membro, um voto".[6][5] Vence o concurso o candidato que obtiver mais de 50% dos votos.[5]

Campanha[editar | editar código-fonte]

Em 6 de julho de 2022, mais ministros renunciaram do que em qualquer dia da história moderna, após críticas à maneira como o primeiro-ministro Boris Johnson lidou com o escândalo de Chris Pincher.[7] Isso resultou na declaração de renúncia de Boris Johnson em 7 de julho.

A então procuradora-geral da Inglaterra e País de Gales, Suella Braverman, tornou-se a primeira parlamentar conservadora a declarar publicamente sua candidatura antes mesmo de Johnson renunciar. Ao mesmo tempo em que pediu a renúncia de Johnson, ela disse que não renunciaria ao seu gabinete porque tinha um "dever e precisamos de um advogado no governo".[8]

Vários outros candidatos teriam começado campanhas na noite de 7 de julho.[9]

Referências

  1. Payne, Sebastian (7 de julho de 2022). «New UK prime minister to be chosen by early September». ft.com. Consultado em 7 de julho de 2022 
  2. «'Sad to be giving up': Johnson confirms he is resigning as prime minister». ITV News (em inglês). 7 de julho de 2022. Consultado em 7 de julho de 2022 
  3. «Tory leadership result: New prime minister to be announced imminently - watch live». The Telgraph. 5 de setembro de 2022. Consultado em 7 de setembro de 2022 
  4. «Liz Truss named as Britain's next prime minister». Reuters. 5 de setembro de 2022. Consultado em 7 de setembro de 2022 
  5. a b c d e f «Constitution of the Conservative Party» (PDF). Janeiro de 2021. Consultado em 28 de maio de 2022 
  6. a b Johnston, Neil (24 de maio de 2019). «Leadership elections: Conservative Party» (PDF). House of Commons Library. Consultado em 28 de maio de 2022 
  7. Turner, Camilla (6 de julho de 2022). «Boris Johnson suffers most ministerial resignations in modern history». The Telegraph (em inglês). ISSN 0307-1235. Consultado em 6 de julho de 2022 
  8. «Attorney General Suella Braverman calls for Boris Johnson to 'step down'». ITV News (em inglês). 6 de julho de 2022. Consultado em 6 de julho de 2022 
  9. «Sunak and Javid in pole position if race for Johnson's job begins». the Guardian (em inglês). 6 de julho de 2022. Consultado em 7 de julho de 2022