Elmo (heráldica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Nas realizações heráldicas, o elmo é situado acima do escudo e carrega o virol e o timbre. O estilo do elmo mostrado varia de acordo com o título nobiliárquico e o estatuto social, e estes estilos se desenvolveram ao longo do tempo, a medida que se desenvolviam os atuais elmos militares.[1][2] Em algumas tradições, especialmente na heráldica alemã e nórdica, dois ou três elmos ( e algumas vezes mais) devem ser usados em um simples brasão de armas, cada um representando um feudo que o portador tem um direito. Por esta razão, os elmos e timbres nas armas alemãs e nórdicas são considerados essenciais ao brasão de armas e nunca separados dele.

Elmos com a viseira aberta ou barrada são tipicamente reservados a altos níveis de nobreza, enquanto a baixa nobreza e burgueses tipicamente assumem elmos fechados.[2] Enquanto essas classificações permanecem relativamente constantes, as formas específicas de todos esses elmos variou e evoluiu ao longo do tempo.[2] A evolução desses elmos heráldicos seguiu a evolução das técnicas de combate e duelo na Idade Média. A prática de uma classificação indicativa através da exibição dos elmos barrados ou de viseira aberta não apareceu até por volta de 1615,[3] entretanto, muito tempo depois essa prática de heráldica foi estabelecida. Como o duelo com lanças foi substituído pelo torneio com maças, o objeto sendo para bater na crista do oponente fora de seu elmo, o elmo completamente fechado deu preferência aos elmos com abertura visual ampliada com poucas barras para proteger a face. Esses elmos barrados foram restritos pela chancelaria imperial em Viena para a nobreza e certos legum doctors ou doutores em teologia, enquanto que o elmo de duelo foi livremente adotado por qualquer pessoa.[4] A direção que o elmo olha e o número de barras na grade atribuiu significância em manuais tardios, mas isso não é uma prática da época.[5] Um elmo de rei, um elmo dourado de frente com a viseira levantada, coroado com uma coroa real, tornou-se adotado pelos reis da Prússia.[5] Na heráldica eclesiástica, bispos e outros clérigos usam uma mitra ou outro chapéu eclesiástico apropriado no lugar de um elmo.[6]

Historicamente, contudo, o elmo não foi especificamente concedido em uma realização de armas, mas foi naturalmente adotado pela classificação apropriada como uma questão de "direito inerente", dessa forma um elmo com virol e paquife não poderia ser extraviado mesmo acima de um escudo que não tinha timbre para colocar acima dele.[7] Quando múltiplos timbres precisam ser retratados, a prática honrada na heráldica inglesa é desenhar os timbres acima de um simples elmo, cada um sendo separado dele, enquanto na heráldica alemã, onde múltiplos timbres aparecem frequentemente depois do século XVI, cada timbre é sempre tratado como inseparável de seu próprio elmo e modificado em concordância com o elmo.[8] Na Europa Continental, múltiplos elmos foram geralmente modificados no interior, com o elmo central (se um número ímpar) modificado de frente, enquanto na heráldica escandinava os elmos foram geralmente modificados na aparência exterior.[9] As armas dos últimos marqueses do Brandenburg-Ansbach consistem de um escudo com 21 quartéis encimados com um registro de treze elmos e timbres.[10]

O uso de elmos heráldicos na Grã-Bretanha é o seguinte: elmo dourado com barras para a Família Real; elmo prata com barras douradas para pares; elmo de aço com barras douradas para os barões escoceses de não-pariato; elmo de aço aberto mostrado de frente para cavaleiros e baronetes; elmo de torneio de aço para chefes de clãs escoceses; elmo de aço fechado para escudeiros e gentil-homens.[11]

Galeria[editar | editar código-fonte]

Geral[editar | editar código-fonte]

Eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Na Igreja Católica, clérigos intitulados a um brasão de armas usam um galero ao invés de um elmo, que é considerado também beligerante para homens de ordens sagradas.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Woodcock (1988), p. 202.
  2. a b c Fox-Davies (1909), p. 303.
  3. Fox-Davies (1909), p. 319.
  4. Neubecker (1976), pp. 148, 162.
  5. a b Neubecker (1976), p. 148.
  6. Woodcock (1988), p. 75.
  7. Fox-Davies (1909), p. 58.
  8. Fox-Davies (1909), pp. 322-323.
  9. Fox-Davies (1909), p. 323.
  10. Neubecker (1976), p. 165.
  11. Iain Moncrieffe and Don Pottinger (1953). Simple Heraldry Cheerfully Illustrated. [S.l.]: Thomas Nelson and Sons. p. 58 

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações internas[editar | editar código-fonte]