Esmalte (heráldica)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

No âmbito da heráldica, um esmalte constitui uma das colorações ou padrões aplicados às diversas partes de um brasão.

As regras para a definição, representação e descrição dos esmaltes constituem um dos principais aspetos da heráldica. Apenas é permitido o uso de um número limitado de esmaltes, que se subdividem em três classes: os metais (ouro e prata), as cores (vermelho, azul, verde, preto e púrpura) e as peles ou forros (arminho e veiros). Algumas tradições heráldicas, admitem esmaltes adicionais não tradicionais, tais como o alaranjado ou o sanguinho. A heráldica também admite o uso muito excecional da cor natural na representação de pessoas, animais, vegetais e elementos artificiais, a qual é referida como "de sua própria cor" ou de "carnação" conforme o caso.

Na heráldica, originalmente tanto o termo "esmalte" como "cor" se referiam aos não metais e não peles. A necessidade de existir um termo genérico que incluísse também os metais e as peles, levou a que alguns heraldistas escolhessem um deles como tal. A escolha do termo não é contudo universal, existindo portanto obras de heráldica onde é utilizado termo "cor", para designar todas as colorações e padrões, inversamente usando-se o termo "esmalte" para designar apenas os não metais e não peles. Há ainda heraldistas que usam o termo "cor" ou "esmalte" para designar todas as colorações que não as peles.[1]

Lei heráldica[editar | editar código-fonte]

A lei heráldica define as regras a que deve obedecer o uso dos esmaltes no brasonamento de armas. Dita a mesma que:

As armas do Reino de Jerusalém, brasonadas como de prata, uma cruz de Jerusalém de ouro, constituem o mais famoso exemplo de armas a inquirir, por infringirem a lei heráldica.
  1. Salvo as ressalvas indicadas a seguir, não podem sobrepor-se metais a metais, cores a cores e peles a peles;
  2. Um metal e um esmalte justapostos em partes iguais podem sobrepor-se a metais, a cores ou a peles;
  3. As pequenas partes complementares de uma figura (como a língua de um leão ou o bico de uma águia) podem ser de metal sobre metal ou de cor sobre cor;
  4. As figuras de sua cor e as de carnação (colorações naturais) podem sobrepor-se a metais, a cores e a peles. O uso destas colorações naturais deve contudo ser muito excecional e apenas quando indispensável, uma vez que é considerado uma má prática heráldica;
  5. As quebras e as diferenças podem ser de cor sobre cor;
  6. As peças brocantes de qualquer esmalte podem sobrepor-se a metais, a cores e a peles;
  7. Segundo alguns heraldistas, a cor púrpura tem o privilégio de poder sobrepor-se a outras cores.

Quando as armas infringem a lei heráldica por terem sido criadas antes da sua codificação ou por uma razão propositada (como a comemoração de um feito especial) são chamadas "armas a inquirir". Se as razões atrás referidas não se verificam, a infração da lei heráldica torna-as "armas falsas".

Um artifício que permite a colocação de certas peças honrosas de metal em campo de metal e de cor em campo de cor, sem infringir a lei heráldica, é considerá-las como ocupando o mesmo plano do campo. As peças nesta situação dizem-se "cosidas".[1][2]

Terminologia[editar | editar código-fonte]

Brasonamento de esmaltes[editar | editar código-fonte]

No brasonamento de esmaltes são usados alguns vocábulos e expressões específicas, incluindo:

  1. Cosido - diz-se da peça honrosa de metal em campo de metal ou de cor em campo de cor. O cosido permite não infringir a lei heráldica uma vez que parte do princípio de que a peça não carrega o campo, mas ocupa o mesmo plano deste;
  2. Um no outro - expressão que indica que, num campo em que cada partição principal está carregada com peças, estas têm os esmaltes das partições, mas alternados;
  3. Entrecambado - vocábulo que indica que uma peça assente num campo de dois esmaltes é dos dois mesmos esmaltes, mas alternados com os do campo;
  4. Pleno - diz-se do campo quando é de um único esmalte sem qualquer peça;
  5. Sombra - é a silhueta de uma figura no campo, determinada pela sua linha de contorno, tendo por esmalte o mesmo do campo.

Alguns heraldistas atribuem o mesmo significado ao um no outro e ao entrecambado usando-os de forma indiferenciada para ambas as definições referidas acima.[1][3]

Designações não vernáculas dos esmaltes[editar | editar código-fonte]

Em algumas tradições heráldicas, é utilizada uma terminologia própria, não vernácula, que utiliza palavras essencialmente de origem normanda para designar certos elementos do brasão, terminologia essa que inclui também termos específicos para os esmaltes. Como exemplo, os termos argent, or, gules e azur são usados para designar respetivamente a prata, o ouro, o vermelho e o azul. Tendo origem na heráldica francesa, esta terminologia é também usada na heráldica britânica e catalã. Nas heráldicas de tradição espanhola e neerlandesa, esta terminologia é apenas usada para as cores, usando-se o léxico vernáculo para os metais.

Contudo, esta terminologia própria nunca ou raramente é utilizada em outras tradições heráldicas, onde o seu uso chega a ser considerado como uma afetação ou falta de erudição. São estes os casos das heráldicas de tradição portuguesa, italiana, alemã e sueca, no âmbito das quais se dá primazia ao uso dos termos comuns das línguas locais.[4]

Representação dos esmaltes[editar | editar código-fonte]

Liberdade artística[editar | editar código-fonte]

Na maioria das tradições heráldicas, não existem tonalidades fixas para a representação dos esmaltes nos brasões de armas. Fica assim à liberdade do artista escolher representar o verde como mais escuro ou mais claro, bem como o vermelho como mais profundo ou mais brilhante. O artista também tem a liberdade de preferir representar o ouro como dourado ou como amarelo, bem como representar a prata como prateado ou como branco. Importa contudo que a forma de representar o esmalte não o faça confundir-se com um esmalte distinto. Assim por exemplo, o vermelho não deve ter um tom tão profundo que o faça confundir-se com o púrpura, bem como não deve ser tão claro que o faça confundir-se com o alaranjado (nas tradições heráldicas onde esta cor é admitida). Por outro lado, no mesmo brasão ou em brasões representados em conjunto, é considerada uma boa prática representar cada um dos esmaltes sempre do mesmo tom.[5]

Alguns heraldistas procuraram contudo indicar diretrizes para a escolha das tonalidades dos esmaltes, frequentemente justificadas pela necessidade de uma representação que se adeque às respetivas simbologias. Assim, por o vermelho simbolizar valor, intrepidez e combatividade deveria ser representado num tom vivo. Já o azul, por simbolizar realeza, majestade e soberania, deveria ser representado num tom profundo.[1][3]

Modernamente, a necessidade da representação heráldica em formato digital, tem levado a propostas de padronização dos tons dos esmaltes no âmbito dos vários modelos de cor, como o RGB e o CMYK.

Representação monocromática[editar | editar código-fonte]

Quando não é possível a reprodução das colorações originais, os símbolos heráldicos têm que ter uma representação monocromática (preto sobre fundo branco). Atualmente a forma mais convencional para tal é através de um sistema de hachura (do francês hachure), que consiste em representar os esmaltes por um conjunto de pontos e linhas.

A necessidade de se ter de representar ocasionalmente armas de forma monocromática surgiu quase desde o início da heráldica. A abordagem inicial consistiu em assinalar o campo, as peças e as figuras do brasão com letras ou abreviaturas que identificavam os respetivos esmaltes.

A proliferação de obras impressas durante a primeira metade do século XVII, associada às dificuldades e custo da impressão a cores, obrigou contudo ao desenvolvimento de sistemas de representação monocromática mais práticos que o uso de letras e abreviaturas. Tendo como intenção primária a impressão e a gravação, o sistema que acabou por ter uma aceitação mais generalizada e de se tornar o padrão foi o desenvolvido pelo padre jesuíta e heraldista Silvestre Petra Sancta, originalmente publicado em 1638 e que se baseia na técnica artística da hachura.

Pelo método de Petra Sancta, usado nas representações monocromáticas na lista de esmaltes abaixo, cada metal e cor é identificado por pontos ou por linhas com uma determinada disposição. Assim, a prata é representada por um campo vazio enquanto que o ouro é representado por um campo polvilhado de pontos. O vermelho é representado por linhas verticais, o azul por linhas horizontais e o negro por uma combinação de linhas verticais e horizontais. Linhas diagonais dispostas em banda representam o verde, enquanto linhas diagonais em contrabanda representam a púrpura.

Petra Sancta apenas se preocupou com a representação monocromática dos dois metais e cinco cores tradicionais da heráldica. No entanto, face à necessidade de representar esmaltes adicionais admitidos em certas tradições heráldicas, outros heraldistas desenvolveram formatos para aquelas, continuando a basear-se em conjugações de pontos, linhas verticais, horizontais e diagonais, bem como em linhas tracejadas.[6]

Lista de esmaltes[editar | editar código-fonte]

Os esmaltes são divididos em três classes: metais, cores e peles.

Metais[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente, a heráldica admite apenas dois metais: o ouro e a prata.

Nome Representação
(cores / preto e branco)
Pedra simbólica Corpo celeste Nomes alternativos Observações
Heraldic Shield Or.svg
Amarelo, topázio, jalde
Em bandeiras, usa-se o tradicionalmente termo "amarelo" e não "ouro" por aquelas serem feitas de tecido e não de metal
Heraldic Shield Argent.svg
Branco, argante, arjante, argento
Em bandeiras, usa-se tradicionalmente o termo "branco" e não "prata" por aquelas serem feitas de tecido e não de metal

Cores[editar | editar código-fonte]

Tradicionalmente, a heráldica admite apenas como cores: o vermelho, o azul, o verde, a púrpura e o negro. A púrpura é considerada uma cor ambígua por alguns tratadistas, que por isso não a sujeitam à regra de não poder carregar outra cor. Por outro lado, a púrpura não é admitida em algumas tradições heráldicas.

Nome Representação
(cores / preto e branco)
Pedra simbólica Corpo celeste Nomes alternativos Observações
Heraldic Shield Gules.svg
Goles, gules, rubi, sanguinho
O termo "sanguinho" é também ocasionalmente usado para designar uma cor não tradicional, de tom mais escuro que o vermelho tradicional.
Heraldic Shield Azure.svg
Blau, azure, safira, celester
Heraldic Shield Vert.svg
Sinople, sinopla, vert, esmeralda
Heraldic Shield Purpure.svg
Ametista, jacinto
Heraldic Shield Sable.svg
Sable, preto
Alguns heraldistas antigos consideravam o negro uma representação do ferro e consequentemente o classificaram como metal.

Peles[editar | editar código-fonte]

Existem duas peles ou forros principais na heráldica: o arminho e os veiros. A partir destas, podem ser criadas várias derivações.

Nome Representação
(cores / preto e branco)
Pedra simbólica Corpo celeste Nomes alternativos Observações
Brittany coa.png
-
-
-
Representado por um fundo de prata semeado de mosquetas (pontos de arminho). Se o fundo é de preto e as mosquetas são de prata, trata-se de um contra-arminho. Se são usados esmaltes diferentes da prata e negro, trata-se de um arminhado ou contra-arminhado
Field vair.png
-
-
-
Representação estilizada da pele de um esquilo-da-sibéria, alternando os fragmentos de pele azul do dorso com os de pele branca do ventre do animal. Quando se verifica a inversão dos esmaltes prata e azul das tiras pares, tem-se um contraveiros. Se são usados esmaltes diferentes da prata e azul, trata-se de um veirado ou contraveirado

Outros esmaltes[editar | editar código-fonte]

Para além dos metais, cores e peles tradicionais admitidos quase universalmente por todas as tradições heráldicas, ocasionalmente são usados outros esmaltes adicionais, cuja aceitação é limitada.

Entre os esmaltes adicionais figuram as colorações naturais, usadas para representar figuras naturais ou artificiais de forma naturalística. A mais genérica é a que é brasonada como de sua própria cor. Uma figura pode ser assim brasonada e sem mais detalhe se a sua coloração natural não for ambígua. Se existir ambiguidade, associado ao brasonamento de sua própria cor deve ser especificada a cor ou tom específico da figura. Para o caso específico da coloração natural de uma pessoa de pele clara, existe o brasonamento de carnação, normalmente representado como cor de rosa claro. As colorações naturais não estão sujeitas à regra da não sobreposição de metais sobre metais e cores sobre cores. O seu uso deve contudo ser evitado por ser considerado má prática heráldica. Assim, a boa prática heráldica seria a transformação de uma coloração natural no esmalte heráldico mais semelhante, como por exemplo a representação de um tronco de árvore por vermelho ou negro, em vez de castanho.

Algumas tradições heráldicas permitem o uso de outros esmaltes não tradicionais, que não têm necessariamente como objetivo a representação de colorações naturais. O mais comum é o alaranjado, usado em várias tradições heráldicas, como a francesa, a catalã, a britânica e a sul-africana. O bronze, o cor de rosa e a cor de couro são usados pela heráldica canadense. O ocre é usado pela heráldica sul-africana. A heráldica britânica permite o uso do morado, do sanguinho e da sépia, com alguns heraldistas a classificarem estes esmaltes como "nódoas" (stains em inglês), com base no mito de que os mesmos serviriam de marca de difamação.

Nome Representação
(cores / preto e branco)
Pedra simbólica Corpo celeste Nomes alternativos Observações
De sua própria cor
Heraldic Shield Natural.svg
-
-
-
Representa a coloração natural de seres vivos, elementos minerais ou figuras artificiais, mesmo que essa coloração natural se encontre entre os esmaltes heráldicos.
Heraldic Shield Carnation.svg
-
-
-
Representa a coloração natural de uma pessoa de pele clara. Usado frequentemente na heráldica de tradição latina.
Heraldic Shield Orange.svg
-
-
Aurora
Usado sobretudo na heráldica francesa, mas também em outras heráldicas como a catalã e a sul-africana.
Heraldic Shield Murrey.svg
-
Usado heráldica britânica, onde é classificado como "nódoa".
Heraldic Shield Sanguine.svg
-
Usado na heráldica britânica, onde é classificado como "nódoa". O termo "sanguinho" também foi usado por alguns heraldistas como designação alternativa do esmalte "vermelho".
Heraldic Shield Tenné.svg
Tenné, leonado, castanho, marron, pardo
Usado ocasionalmente em algumas heráldicas da Europa Continental. Na heráldica de tradição britânica, o tenné representa-se da cor laranja, sendo classificado como "nódoa".
Heraldic Shield Bleu-celeste.svg
-
-
-
Usado frequentemente na heráldica italiana, onde serve para representar o céu de sua cor. É também usado ocasionalmente na heráldica britânica, sobretudo para simbolizar a aeronáutica.
Heraldic Shield Cendrée.svg
-
-
Cendrée, cinzento
Usado ocasionalmente na heráldica francesa. Na heráldica alemã é frequentemente considerado o mesmo esmalte que o "ferro".
Ferro
Heraldic Shield Iron.svg
-
-
Aço
Usado ocasionalmente na heráldica da Europa Central e Oriental. É por vezes considerado o mesmo esmalte que o "cinza". Por outro lado, ocasionalmente "ferro" e "aço" são tratados como esmaltes distintos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c d NÓBREGA, Artur Vaz-Osório da, Compêndio Português de Heráldica de Família, Lisboa: Mediatexto, 2003
  2. LINHARES, Miguel, "A disposição dos metais ou cores e como podem discernir as armas falsas das verdadeiras" in Apontamentos de Heráldicas, 2021
  3. a b MATTOS, Armando. Manual de Heráldica Portuguesa. Nova Edição [ed.2]. Porto: Livraria Fernando Machado, 1941.
  4. LINHARES, Miguel, "O Esmalte" em Apontamentos de Heráldica
  5. PASTOUREAU, Michel, Heraldry: An Introduction to a Noble Tradition. Abrams Discoveries. Harry N. Abrams, 1997
  6. FOX-DAVIES, Arthur Charles, A Complete Guide to Heraldry, Nova Iorque: Dodge Publishing, 1909


Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ÁLVARES, Julio Olmedo; VALLÉS, Joaquim Díaz. Heráldica I. Cidad Real (Espanha): Perea ediciones ilustrativa, 1989.
  • ANDRADE, Pedro Baltazar de. Heráldica: Ciência y arte de los blasones. Barcelona: Editorial Fama, 1954. Los esmaltes o colores del escudo 42-54.
  • GHEUSI, P.-B. Capitulo iV émaux de l’écu d’armes p.25-31. In._____. Le Blason Héraldique: Manuel Nouveu de l’art heráldique de la ciência du blason da la polychromie féodale. D’apres les règles du moyen age. Paris: Librairie de Firmin-Didot Et Clo, 1892.
  • LIMA, ALBERTO. Ciência e arte Heraldica: como os heraldos compunham e interpretavam as armas e distintivos da nobresa. In. PREFEITURA DO DISTRITO FEDERAL. Revista de Educação Pública. v.IX, n.41-44 (jan-dez). Rio de Janeiro: Secretaria Geral de Educação e Cultura, 1953. Pag. 13-51.
  • LINHARES, Miguel, Apontamentos de Heráldica
  • TOSTES, Vera Lúcia Brottel. Princípios de Heráldica (1ª ed.). (M. Imperial, Ed.) Petrópoles, Rio de Janeiro, Brasil: Fundação MUDES. (1983).
  • PEREYRA, Alejandro de Armengol y de. Los esmaltes. p.50-60. In._____. Heráldica. Barcelona-Buenos Aires: Editorial Labor, 1933. (Colección Labor: Biblioteca de Iniciação Cultural, Seccion VI – Ciências Históricas nº 320).
  • POLIANO, Luiz Marques. ESMALTES: Cores. Metais, couros e forros. In._____. Heráldica. São Paulo: GRD; Rio de Janeiro: Instituto Municipal de Arte e Cultura-RIO-ARTE, 1986. p.24-34
  • SOUSA, Manuel de, As Origens dos Apelidos das Famílias Portuguesas, Ed. SporPress, Mem Martins, 2003
  • ZARAZAGA-BERENDER, Jorge de. LOS ESMALTES. p.29–39. In._____. Qué es la heráldica. Buenos Aires: EDITORIAL COLUMBA (La Tecnica Impressora S.A.C.I), 1969. (COLECCION ESQUEMAS Nº99).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]